Anaheim Marriott lobby

Novo design dos quartos nos hotéis Marriott

Cores claras, com predominância de azuis e cinzas, piso em madeira, móveis modernos, chuveiro walk-in com porta de correr em vidro, detalhes charmosos no décor aqui e ali… Que surpresa boa foi o Anaheim Marriott, que recebeu a delegação brasileira durante o IPW 2019. A maior feira de turismo dos Estados Unidos foi realizada no início deste mês em Anaheim, onde fica a Disneyland, a 60km de Los Angeles. O hotel é bem localizado tanto para este tipo de evento (fica a menos de cem metros do Centro de Convenções) quanto para o visitante a lazer, já que também está perto da Disneylândia (15 a 20 minutos a pé).

Um dos novos quartos do Anaheim Marriott | Foto de Carla Lencastre

Leia mais

Novidades na hotelaria americana anunciadas no IPW 2019

Os 1.030 quartos do Anaheim Marriott estão tinindo depois de uma renovação de US$ 32 milhões, feita ao longo de dois anos e concluída em março. Além de quartos redesenhados em estilo contemporâneo, o hotel tem piscina ao ar livre, fitness center, loja de conveniência, bom bar e restaurante (nFuse Bar + Kitchen, aberto em 2015, com drinques, carta de bourbon e cozinha do Sul da Califórnia), nova pizzaria e mercado com café Starbucks.

Diferenças entre o Marriott de Anaheim e o de Burbank

No fim de semana retrasado, alguns dias depois do IPW, fiz check-in no Los Angeles Marriott Burbank Airport, a menos de 10km do Universal Studios Hollywood e do Warner Bros Studios. São apenas 65 quilômetros entre este Marriott e o de Anaheim, mas quanta diferença. O lobby com cara de novo levava a um quarto confortável, porém com decoração ultrapassada, com móveis em madeira escura, carpete e, no banheiro, aquele clássico chuveiro dentro de uma banheira minúscula que não é nem um bom chuveiro nem uma boa banheira, arrematado com cortina de plástico e torneiras difíceis de abrir. Pesquisa feita pela própria Marriott já mostrou que maioria dos hóspedes odeia este modelo de chuveiro-banheira.

Quarto do Marriott Burbank Airport | Foto de Carla Lencastre

No site, o hotel anuncia seus quartos como modernos, o que definitivamente não é o caso. Talvez em 2015, quando houve um investimento de US$ 13,5 milhões em reformas. O melhor do Marriott Burbank é o bar ao livre E.D.B. Ainda que fique ao lado do estacionamento, a luz da Califórnia deixa tudo mais bonito e a carta de drinques e petiscos é convidativa. O hotel tem também restaurante, o Daily Grill (de cozinha americana), piscina ao ar livre, fitness center e quartos com vista para a pista do Aeroporto de Burbank.

No site da Marriott International, uma das maiores redes de hotelaria do mundo, há uma lista dos hotéis que já tiveram os quartos redesenhados. São mais de 100 nos Estados Unidos e 20 na Europa. Está desatualizada, mas vale conferir antes de fazer a próxima reserva. O Anaheim Marriott, com a reforma concluída há apenas três meses, ainda não aparece lá, nem o Ventura Beach Marriott (fotos no nosso Instagram), também na Califórnia.

Um dos hotéis listados é o Marriott Marquis Chicago, onde me hospedei na inauguração, no final de 2017. Os quartos já foram originalmente pensados para oferecer um design contemporâneo e você pode ler um pouco sobre eles nesta reportagem para a revista Panrotas (página 16). O Chicago Marriott Downtown Magnificent Mile, que recebeu a delegação brasileira durante o IPW de 2014, é outro que também foi redesenhado e mudou muito de cara.

E, é sempre bom lembrar, em pleno 2019 a Marriott continua cobrando o acesso à internet para quem não for associado do seu novo programa de fidelidade, Marriott Bonvoy. Se este for o caso do hóspede, a inscrição pode ser feita no momento do check-in.

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

IPW 2019 revela novidades da hotelaria americana

Aconteceu nesta semana em Anaheim, California, a 51a. edição da IPW (International Pow Wow), a maior e mais importante feira do turismo dos Estados Unidos. Durante o evento, que terminou nesta quarta-feira e contou com a maior delegação de imprensa brasileira de todos os tempos – incluindo mais uma vez a presença das inspectors Mari Campos e Carla Lencastre – , foram reveladas diversas novidades da hotelaria norte-americana.

Foto: Mari Campos

Dentre elas, destacou-se o fato de Orlando estar experimentando neste 2019 o maior crescimento hoteleiro em mais de duas décadas, com mais de cinco mil novos quartos programados para abrir até o final do ano, incluindo desde propriedades econômicas até hotéis de luxo. Os destaques ficam por conta do novo Disney Riviera Resort (o 15o. Disney Vacation Club, que abre no outono americano), o Surfside Inn and Suites na Universal (que abre em duas semanas) e o Margaritavillle Resort Orlando (que abriu em janeiro passado e vai ganhar ainda novidades, incluindo um sistema próprio de water taxis).

Na California, a grande anfitriã desta IPW, o crescimento hoteleiro também bate recordes neste 2019 no Estado todo, entre novas propriedades e grandes reformas, expansões e reaberturas. A cidade de Anaheim, além do completo makeover do hotel Marriott Anaheim (que recebeu toda a delegação brasileira durante a feira), ganha neste 2019 diversos novos hotéis, incluindo o Element by Westin e o Cambria Hotel & Suites Anaheim. Berkeley recebe seu primeiro novo hotel em 25 anos, novos hotéis de luxo abrem as portas em Paso Robles e San Diego, Hotel 1 abre em West Hollywood e Greater Palm Springs abre as portas do Andaz Palm Springs e do Hotel Indigo – além de inúmeras outras novidades no Estado.

Detalhe do Marriott Anaheim. Foto: Mari Campos

Os hotéis Mandarin Oriental também lançam novidades no território americano, com destaque para o novo programa do spa do hotel Mandarin Oriental, Boston desenvolvido em parceria com a Biologique Recherche, e o novo programa Hamptons Getaway do Mandarin Oriental, New York em parceria com o hotel The Inn at Windmill (para quem quiser combinar uma viagem a Nova York com uma deliciosa escapada para os Hamptons, incluindo no pacote mimos como café da manhã, tratamentos no spa e experiências gastronômicas).

Foto: Mari Campos

Em Sarasota, abrem as portas o esperado The Sarasota Modern, a Tribute Portfolio Hotel, o Embassy Suites by Hilton e o Art Ovation, parte da Autograph Collection by Marriott. Em Deer Valley, o luxuoso Stein Eriksen Residences e a nova fase do Montage Deer Valley.

Outras novidades hoteleiras nos Estados Unidos ainda devem ser anunciadas nos próximos meses. Siga também nossas redes sociais para ficar por dentro de todas elas: Instagram @ HotelInspectors,  facebook @HotelInspectors e  Twitter @HotelInspectors.

Banheiro La Réserve Paris

O que um roupão de hotel envolve (além do seu corpo)

O estrelado chef britânico Gordon Ramsay é famoso por seu nível de exigência na cozinha. Não parece ser muito diferente nos hotéis onde se hospeda mundo afora. Há um ano, li uma entrevista na revista de bordo da Qantas na qual ele falava sobre o que acha mais importante em um hotel: “A primeira coisa que faço quando entro em um quarto de hotel é conferir se o roupão é confortável. Se não é, já me aborreço” (você pode ler a entrevista completa aqui, em inglês). Para atender às expectativas de hóspedes como o chef e se diferenciarem em um mercado tão concorrido, redes de hotelaria de luxo estão investindo cada vez mais em roupões que fogem do tradicional branco e do tamanho único para gigantes.

Banheiro Nobu Marbella Costa do Sol Andaluzia Sul da Espanha
No banheiro do novo Nobu Marbella, no Sul da Espanha | Foto de Carla Lencastre

Fazer com que o roupão combine com a estética do hotel está se tornando cada vez mais importante nesta área. Hotéis de luxo na Ásia saíram na frente nos detalhes, como em vários outros setores da hotelaria, e há anos que quimonos de algodão, o yukata, estão em propriedades de grandes redes em cidades como Tóquio, entre elas a Mandarin Oriental e a Shangri-La. Não me esqueço a alegria de ver o delicado quimono, dobrado com perfeição em uma linda caixa laqueada, esperando por mim no quarto do MO Tokyo.

A rede Nobu Hotels ainda não chegou ao Japão, mas seus quimonos de inspiração japonesa estão nas propriedades do chef Nobu Matsushita em parceria com o ator Robert De Niro, como o novo Nobu Marbella, inaugurado há um ano, onde estivemos mês passado durante o evento The Essence of Luxury Travel, organizado pela Traveller Made.

Traveller Made: novos hotéis de luxo para ficar de olho

Traveller Made: tendências e novidades da hotelaria de luxo

Roupões com estampas de animais marcam uma mudança

Roupões infantis Macdonald Bear Hotel
Roupões infantis no inglês Bear Hotel | Foto de Carla Lencastre

O assombrado Macdonald Bear Hotel, em Woodstock, na Inglaterra, investe em modelos brancos tradicionais em tamanhos menores para crianças. Do outro lado mundo, o moderno QT Sydney inova com roupões pretos. Mas boa parte do crédito pela inovação nas vestimentas nos últimos anos é da Kimpton Hotels, hoje parte do IHG Group. Ainda hoje me lembro da divertida surpresa de encontrar zebra e leopardo no meu primeiro Kimpton (foto abaixo, seguida do roupão do QT Sydney e do yukata do MO Tokyo).

“Roupões de hotel eram brancos, de um tamanho e estilo que serve para todos. Nunca pensamos desta maneira. O design é importante para a nossa marca, precisamos que os hóspedes percebam isso nos detalhes”, disse Diana Martinez, diretora sênior de design da Kimpton, em uma entrevista mês passado ao site Skift, especializado na indústria de viagens.

No closet do La Réserve Paris | Foto de Carla Lencastre

Recentemente, me encantei com os modelos do La Réserve Paris, um hotel e tanto sobre o qual ainda escreverei aqui. Além dos modelos clássicos no banheiro (foto em destaque no alto do post), no closet você encontra dois lindos roupões leves e macios, em cores e tamanhos diferentes. Não por acaso, são as peças mais vendidas pelo hotel. Os do Nobu também costumam ser comprados pelos hóspedes. Ou seja, o esforço para investir em um bom roupão pode gerar lucro com a venda direta. E fazer com que a boa experiência do hóspede com a marca continue fora do hotel.

A inspector Mari Campos acabou de voltar de uma longa viagem pela Índia, onde se deparou com exemplares únicos. São delas as fotos abaixo, feitas nos hotéis Oberoi Amarvilas, em Agra; Ananda in the Himalayas, nos arredores de Rishikesh, e Suján Rajmahal Palace, em Jaipur.

Leia mais

A batalha das amenidades na hotelaria

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

Trump Hotel Chicago: da polêmica à hotelaria de alto nível

Não tem sido fácil para a hotelaria usar o nome Trump nos últimos tempos. Além da óbvia rejeição de boa parte dos viajantes internacionais e das fotos de turistas fazendo sinais de baixo calão em frente a eles, alguns dos hotéis Trump andaram enfrentando vários problemas ultimamente, como o polêmico Trump Hotel em DC e o o Trump Hotel de Toronto (finalmente colocado à venda).

Uma pesquisa da YouGov para o The Guardian mostrou que enquanto o mercado de luxo tem impressões majoritariamente positivas com marcas hoteleiras como Ritz-Carlton, JW Marriott ou Four Seasons, o mesmo não acontece com a marca Trump no setor. Os Trump Hotels até anunciaram no final de 2016 uma nova marca do grupo, a Scion, focada em millennials.

Em Chicago, assim como em qualquer outro canto dos EUA (e quiçá do planeta), o nome Trump é sinônimo de polêmica, seja política ou socialmente. Mas ali esse mesmo nome Trump é sinônimo também de um dos mais icônicos hotéis da cidade: o Trump International Hotel & Tower Chicago

O icônico edifício do Trump Chicago visto do Loop. Foto: Mari Campos

O gigantesco edifício de 92 andares (o segundo mais alto da cidade e 16º. mais alto do mundo) às margens do rio Chicago chama a atenção de qualquer ponto que se olhe. E, graças a seu desenho todo particular e muito reluzente, virou há muito tempo figurinha facilmente identificável no horizonte da cidade. Parte do prédio é hotel e parte residências. Como é meio de praxe a qualquer edifício de mr. Trump, o design é bastante masculino, misturando com maestria concreto, ferro e vidro na fachada e muita madeira escura e tons acinzentados no interior.

A localização excelente, à beira-rio, nos leva em poucos passos à deliciosa Riverwalk (uma das partes mais gostosas da atualidade em Chicago, cheia de espaços sociais, cafés, restaurantes etc), ao business district, às lojas da Magnificent Mile, ao clássico Loop e diversas opções de bares, cafés e restaurantes nas proximidades. 

Polêmicas à parte, é fato que o hotel tem um dos melhores serviços de hotelaria que já encontrei na cidade. Sou bem fã de outras propriedades em Chicago (como o irretocável Península Chicago, por exemplo), mas no Trump, das amenidades aos restaurantes, é difícil apontar qualquer inconsistência. E há muito conforto em todas as instalações.

São 339 quartos e suítes, mas a sensação que a gente tem na maior parte do tempo é que o hotel esteja vazio.  Os quartos são bastante grandes, sempre com imensas janelas do chão ao teto para contemplarmos o skyline da cidade e as linhas sinuosas do Chicago River da própria cama. Têm área separada de living, espaçosos banheiros com banheira e nespresso cortesia. A internet gratuita é de ótima qualidade e o serviço de quarto (pedi café da manhã assim em um dos dias) é simpático e eficiente. 

Há ainda um belo spa, academia (com empréstimo de tênis para quem viaja sem) e uma gostosa piscina aquecida com vista para Chicago. No quesito gastronomia, o estrelado Sixteen, que sempre foi um dos meus preferidos na cidade, infelizmente não existe mais. Foi substituído pelo mais casual Terrace at Sixteen, com o badalado rooftop bar The Terrace anexo. Para drinks em um ambiente mais discreto e low profile, o hotel tem o Rebar, no primeiro andar, também com vista para o rio. 

Foto: Mari Campos

O serviço de conciergerie do Trump International Hotel & Tower Chicago é mais sisudo mas extremamente eficiente e os processos de check in e check out são feitos de maneira muito rápida e descomplicada. Vale destacar também o ótimo serviço de house car sem custos, que leva os hóspedes (conforme disponibilidade, first come first served) a museus, restaurantes ou para fazer compras nos arredores.

Maquete do novo TWA Hotel at JFK

Cinco razões para dormir no TWA, novo hotel do aeroporto JFK, em NYC

A NYC & Company, responsável pela promoção turística de Nova York, apresenta 2019 como um “ano monumental”. Estão previstas novas atrações culturais e gastronômicas, como o Hudson Yards; a cidade vai sediar a WorldPride, que marca os 50 anos de Stonewall, em junho, e há novos hotéis, afinal é de Nova York que estamos falando. Um deles mexe com a imaginação de fãs de hotelaria, de arquitetura e, principalmente, de aviação.

É o TWA Hotel at JFK, na área ocupada pela companhia americana Trans World Airlines no John F. Kennedy International Airport. O TWA Flight Center, projetado pelo arquiteto finlandês Eero Saarinen, estava vazio desde 2001, quando a empresa aérea interrompeu suas operações. O grupo americano MCR Morse Development começou as obras do hotel em 2016, prometendo recuperar o glamour da era dos jatos em um ambiente único.

TWA Flight Center TWA Hotel at JKF
As linhas arrojadas do TWA Flight Center (foto de divulgação/Max Touhey) | Na imagem em destaque no alto, o esboço do projeto com os dois prédios erguidos para abrigar o hotel

O TWA Hotel entrou na lista de inaugurações mais esperadas de 2019 de publicações tão diferentes como Forbes e Vogue. Mês passado, até o britânico The Guardian, jornal diário de grande prestígio, fez uma extensa reportagem para anunciar o início das reservas, três meses antes da abertura. O primeiro check-in será no dia 15 de maio.

Quarto com janelas à prova de som no novo TWA Hotel at JFK
Quarto com janelas à prova de som no novo TWA Hotel at JFK | Foto de divulgação

Listamos aqui cinco razões pelas quais vale a pena considerar o TWA como um hotel destino e abrir mão de uma noite em Manhattan ou no Brooklyn para dormir no aeroporto.

TWA Hotel at JFK

Todos os quartos tem bar em madeira feito por comunidades amish | Foto de divulgação

1 Obra-prima da arquitetura. O terminal da TWA, inaugurado em 1962, foi desenhado pelo arquiteto finlandês Eero Saarinen (1910-1961), considerado um dos pais da arquitetura moderna (quem gosta de design provavelmente conhece a mesa Saarinen, hoje comercializada no mundo todo). O prédio, de meados do século 20, abrigará o imenso lobby do novo hotel. Com 18,5 mil m², é sério concorrente ao título de maior lobby de hotel do mundo.

Womb Chair Saarinen TWA Hotel at JFK

Telefone da década de 1950 e a Womb Chair, desenhada por Saarinen | Foto de divulgação

2 Décor à la Mad Men. A decoração dos 512 quartos (os menores com 30 m²), distribuídos em dois novos prédios de seis andares cada, erguidos atrás do terminal, segue o estilo retrô, com paredes brancas e pisos em madeira escura. Quem assistiu à série de televisão Mad Men pode ter uma boa ideia. Algumas peças do mobiliário são clássicos assinados por Saarinen. A maioria dos quartos terá janelas envidraçadas de alto a baixo com vista para o terminal da TWA e o aeroporto. Sem barulho, garante o hotel. Os telefones serão de disco. Foram comprados modelos originais dos aparelhos, pela internet, e adaptados para a tecnologia atual. Talvez os mais jovens precisem de manual de instrução de como usar…

Amenities TWA Hotel at JFK

Amenities originais da TWA, que inspiraram os produtos do hotel | Foto de divulgação

Os minibares, com bebidas alcoólicas, foram feitos em nogueira por comunidades amish de Ohio com zero desperdício de material. Os copos de água serão iguais aos que eram usados nos voos da TWA. As amenities terão o logotipo da companhia e virão em nécessaire como as de bordo, em estilo vintage, que o hotel espera que os hóspedes levem para casa. As roupas dos funcionários seguem a temática e são inspiradas nos uniformes dos comissários. Cartazes antigos de propaganda da companhia estarão nos quartos e nas áreas comuns.

Lockheed Constellation  “Connie” TWA Hotel at JFK

“Connie” rumo ao JFK e a uma nova vida | Foto de divulgação/Aaron Flacke

3 Bons drinques. Do lado de fora, já está estacionado desde o final do ano passado um restaurado Lockheed Constellation. “Connie” pertenceu à frota da companhia e agora vai abrigar um bar de drinques, um dos oito do hotel. O avião estava aposentado no Maine, a 482 quilômetros de distância, e foi levado por terra até o JFK. Para quem saber mais sobre a movimentada vida pregressa de “Connie”, há muitas informações no site do TWA Hotel.

Sunken Lounge TWA Hotel at JFK

Sunken Lounge: cenário perfeito para um martini | Foto de divulgação/Max Touhey

Outro bar que tem tudo para chamar a atenção é o Sunken, no restaurado lounge do terminal, com assentos “encravados” no chão e carpete no tom de vermelho original. Com carta de drinques clássicos da década de 1960 e mexedores iguais aos que eram usados nas bebidas servidas a bordo, parece lugar perfeito para pedir um old fashioned ou um martini.

Sunken Lounge TWA Hotel at JFK
Queremos um destes misturadores de drinque: sim ou com certeza? | Foto de divulgação

4 Grife à mesa. Um dos seis restaurantes, o Paris Café, é uma versão do que existia no terminal. O design do café, que foi mantido, é assinado por Raymond Loewy, autor da contour bottle da Coca-Cola. O cardápio será assinado pelo estrelado celebrity chef Jean-Georges Vongerichten, do Palácio Tangará, em São Paulo, e de mais de três dezenas de outros restaurantes mundo afora. Os pratos serão inspirados nos menus servidos pela TWA (abaixo, as capas originais de alguns dos cardápios de bordo).

5 Voo de madrugada. Bem, neste caso nem precisava de todas as razões anteriores. É sempre melhor dormir perto do aeroporto. No TWA Hotel at JFK será possível transformar a noite geralmente estressante que antecede um voo de madrugada em uma experiência ímpar e divertida. O hotel, o único dentro do aeroporto que recebe quase 60 milhões de passageiros por ano, fica atrás do Terminal 5, usado atualmente pela JetBlue. Terá acesso a todos os outros terminais através do AirTrain. O TWA Hotel também parece uma boa opção para uma conexão longa, que deve justificar a função de sair do terminal e passar pela segurança.

Leia mais sobre o H Hotel, ao lado do aeroporto de Los Angeles.

Sunken Lounge TWA Hotel at JFK
O Sunken Lounge e o lobby do TWA Hotel at JFK | Foto de divulgação/Max Touhey

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.