Veneza sitiada

Nessa onda de aversão à chegada de turistas em um destino, ocasionada pelo crescimento desenfreado de visitantes e a subsequente falta de controle dos seus efeitos nos destinos “supervisitados”, há uma série de medidas já propostas e outras a serem estudadas na tentativa de minimizar os desconfortos sem que o turismo saia prejudicado.

Veneza está entre as cidades que têm caminhado contra o número de turistas: a romântica cidade italiana, segundo os habitantes locais, tem se tornado um destino puramente de visitação, algo como um “parque temático”. Claro que, a alusão (por enquanto) é uma forma de expressar o quanto a chegada de hordas de turistas tem afetado os habitantes da cidade que eram 170 mil em 1951 e hoje são apenas 50 mil, na região das ilhas.

Tendo 50 mil habitantes, a cidade tem recebido o gigantesco número de 20 milhões de turistas por ano, ou seja, mais de 50 mil visitantes por dia.

Além de adotar e estudar medidas que controlem alguns efeitos, como proibir abertura de novas lojas de fast food e limitar o número de visitantes ao centro da cidade, o destino também precisa ter criatividade para lidar com a má educação e desrespeito aos patrimônios históricos locais por parte alguns visitantes.

Com o objetivo de conter turistas que levaram a cidade aos noticiários enquanto  tiravam as roupas e se lavavam em fontes medievais, urinavam nas ruas, mergulhavam nos canais, saltavam de pontes históricas entre outras imprudências, a A Universidade Ca’Foscari está criando uma campanha de conscientização, um tutorial para turistas com o tema  “Como respeitar Veneza”.

O projeto contará com elaboração de pequenos vídeos com as orientações, que serão apresentados em um festival de curtas audiovisuais em Março de 2018, em Veneza. Após a estreia, os vídeos serão distribuídos a agências de turismo, companhias e divulgados em canais e redes sociais da cidade.

O projeto conta com a liderança de Hiroki Hayashi, nome conhecido na direção e arte de jogos, filmes e desenhos de animação.

Numa época em que é preciso chamar a atenção de alguns visitantes para que estes tenham mais respeito à cidade em que estão de passagem, será que a campanha trará resultados na difícil tarefa de educar os turistas em massa? Teremos que esperar para ver.

Seguimos acompanhando.

Published by

Jeanine Pires

Professora e empresária, tem 19 anos de experiência em turismo e eventos. Diretora da Pires & Associados e da MATCHER Travel Business.Suas principais atividades são a realização de Planos de Marketing de Destinos Turísticos e palestras no Brasil e no exterior. Presidiu a EMBRATUR de 2006 a 2010, onde também foi Diretora de Turismo de Negócios e Eventos. Liderou o trabalho de promoção do Brasil como destino turístico no exterior, os programas de captação de eventos internacionais e a agenda de promoção do Brasil de 2003 a 2010. Participou da elaboração do Plano Aquarela - Marketing Turístico Internacional do Brasil em 2005 e também coordenou sua versão para 2020. Nos Convention & Visitors Bureaux de Maceió e Recife como diretora executiva, desenvolveu os programas de marketing de lazer e eventos para aquelas cidades entre 1997 a 2002. Esse blog reflete opiniões pessoais e não tem qualquer vínculo institucional

3 thoughts on “Veneza sitiada

  1. Muito bom. Infelizmente varios destinos maravilhosos tem explorado o turismo de tal forma a se preocupar apenas com a quantidade de turistas que chega. Enchem a cidade de gente em detrimento do bem estar dos moradores, pois não fazem um controle de serviços ofertados e de preços. O que é pra ser algo bom e construtivo acaba se tornando um desconforto para quem é habitante. Aqui no Brasil precisamos prestar atenção para que alguns destinos não fiquem assim, como Pipa por exemplo, que quase já não dá mais pra morar de tão caro que tudo ficou lá, já que a cidade agora praticamente só existe pra receber turistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *