3 pistas de como anda a recuperação do turismo

Temos um cenário ainda com inúmeras incertezas, e a análise de dados pode nos dar algumas pistas de como anda a recuperação do turismo global. Naturalmente, o avanço da vacinação a progressiva eliminação de restrições de viagens e o início da reconquista da confiança dos viajantes vai moldando um cenário mais otimista. Algumas tendências podem nos ajudar a planejar e reconstruir as atividades econômicas ligadas ao turismo vamos a elas.

  1. AUMENTO DAS BUSCAS: embora pareça um sinal óbvio, o aumento das buscas por viagens domésticas e uma leve curva ascendente na busca pelas internacionais, são, no mínimo, a indicação de um desejo reprimido e uma necessidade de realizar viagens a lazer e, também, a negócios;
  2. PRAZOS UM POUCO MAIORES: metade das viagens globais são caracterizadas por buscas e deslocamento de até 20 dias da data da viagem (EXPEDIA), mas essa janela vem se ampliando lentamente e  mostra que a confiança do consumidor vem aumentando com a volta ao planejamento também no médio longo prazos;
  3. DOMÉSTICO E INTERNACIONAL: segundo a EXPEDIA, 60% dos viajantes ainda vão viajar dentro do seu próprio país nos próximos 12 meses, mas já existe um percentual de 27% que pretende fazer viagens internacionais no período indicado.

LEIA: 5 motivos que ainda restrigem as viagens dos brasileiros ao exterior.

As pesquisas apresentadas pela TRVL LAB/ELO para o Brasil também coincidem com esses dados pesquisados pela EXPEDIA, apontando a tendência de viagens nesse segundo semestre de 2021 e verão de 2022. O mesmo sinal de recuperação é apontado pela OMNIBEES, em levantamento à pedido da Panrotas. Lazer, nordeste e mês de julho de 2021 são os destaques de vendas em hotéis. O internacional é que permanece longe do radar por restrições de fronteiras, necessidade de ampliação da vacinação e as preocupações com as novas variantes da Covid-19.

Ouça o podcast: Viagens corporativas e eventos

O negócio de viagens é agora um negócio de lazer?

O mercado de turismo vive transformações profundas e a aceleração de tendências. E uma das coisas que mudou radicalmente foi o turismo de negócios, trazendo o lazer para o foco do setor pelo menos no médio prazo. A Accenture elaborou o relatório Negócios ou Lazer? Esse texto mostra porque inspirar e capturar o viajante de lazer é uma nova prioridade para as empresas de viagens. Com base nesse estudo, escrito por Miguel Flecha, Managing Director de Turismo da Accenture na Europa, trago algumas reflexões importantes.

A afirmação o “negócio de viagens é agora um negócio de lazer e um negócio menor” pode parecer exagerada e até assustadora, já que o foco no turismo de lazer sempre foi secundário em grande parte da indústria de viagens. De acordo com o autor existe uma mudança muito forte e imediata que é necessária para garantir a sobrevivência dos negócios. Se antes as estratégias das empresas estavam acostumadas a atender um cliente frequente, com reservas em cima da hora, e um perfil conhecido, a partir de agora muita coisa muda na captura do cliente de lazer. Penso também que aqueles com histórico de foco no lazer terão que buscar entender um novo tipo de viajante, com desejos e necessidades diferentes.

Foco no cliente de lazer

Tudo, ou a maioria dos serviços, estava preparado e pensado para o cliente de negócios, e agora? Na verdade, o marketing das empresas terá que começar numa etapa bem anterior da jornada de compra para chegar ao viajante de lazer. Com a motivação da viagem radicalmente diferente, inspirar as pessoas virou questão de sobrevivência. Além de serem comportamentos e formas de compra totalmente diferentes, de precisar alcançar o viajante bem antes do período da viagem, temos que considerar que os próprios clientes a lazer também mudaram seus hábitos e vão exigir um processo de conhecimento mais personalizado para chegarmos até eles.

Voltando então às empresas, existem ainda outros temas para a adaptação além dos protocolos. Começando por entregar a própria promessa do protocolo, da experiência “sem toque” em todas as etapas das viagens. Recentemente tive uma experiência num hotel de cidade em que existe mais papel e mais demora no check-in do que antes. Menos pessoal e demanda imprevisível, como atender bem? Quais são as tecnologias que podem ajudar as empresas a serem mais rápidas e ajudarem o cliente? Vamos lembrar que os hábitos de compra on-line nos últimos dois anos foram acelerados, e as pessoas estão habituadas a sistemas rápidos e atendimento personalizado.

Todas as decisões terão que girar em torno de dados para possibilitar uma personalização e maior conhecimento do potencial cliente. Os bancos de dados das empresas, as análises de todo tipo de informação em tempo real são condições para direcionar recursos e ganhar clientes. A produção de conteúdo, além de ser chave, deverá incluir mídia digital personalizada e em escala para ganhar clientes num mercado de demanda menor. Junta-se aqui o tema da credibilidade, dos compromissos que a marca assumiu com seus clientes. Por exemplo, a flexibilidade de cancelamentos e alterações será mantida depois que os fluxos de clientes voltarem a melhorar? Ou por acaso, já imaginou o estrago que um comentário negativo pode trazer para sua marca em segundos, nas redes sociais?

Destinos e empresas de turismo que já tinham foco no lazer podem estar mais aptas a esse novo cenário, mesmo que com muitos desafios pela frente. Outras empresas encontram no novo cenário uma grande mudança no modelo de negócios, e essa adaptação necessita ser rápida e profunda em muitos setores. A volta das viagens a negócios e eventos apontam no cenário, provavelmente em moldes que ainda imaginamos e precisaremos viver para compreender como serão. Por enquanto, foco no lazer, foco no doméstico e muita inspiração para que as pessoas viajem. Qual tem sido a experiência em seu negócio?

Qual é seu líder?

A mudança sempre é certa, e quando se trata de períodos de crise a rapidez e visão estratégica precisam acompanhar as transformações na sociedade e nos negócios.

Fizemos um bate-papo super proveitoso com três lideranças de Conventions & Visitors Bureaux para identificar as estratégias e desafios deles no atual cenário. Ivana Bezerra, Humberto Freccia e Toni Sando mostram sua percepção sobre o futuro dos CVBs, a relação com governos, os desafios da cooperação e os próximos passos do turismo de lazer e de eventos.

Você pode conferir em nosso podcast ou no YouTube

3 podcasts sobre eventos que você precisa ouvir

O HUB TURISMO é um podcast focado em perguntar aos profissionais da indústria de viagens e turismo tudo que você quer saber sobre o setor. Abaixo compartilhamos 3 episódios exclusivos para quem trabalha com eventos. Ouça o HUB TURISMO em qualquer plataforma de podcast de sua preferência.

Captação de eventos para hotéis com Juliana Pires

O futuro dos eventos com Rodrigo Cordeiro

Conventions e eventos comToni Sando da UNEDESTINOS

Turismo de eventos: o que um hotel deve fazer AGORA para obter melhores resultados?

Os impactos da pandemia do coronavírus atingiram toda a cadeia do turismo, em especial o setor de eventos. Agora, passados mais de seis meses desde a aplicação de medidas restritivas para evitar aglomerações, chega o momento do seu hotel planejar a volta gradual das atividades e também do turismo de eventos.

Pensando em curto e médio prazo, enquanto houver restrições no turismo de eventos, uma das opções do hotel é avaliar a possibilidade de estruturar seu espaço para eventos híbridos, com menos pessoas envolvidas e uso de ferramentas de transmissão pela internet, por exemplo. Ao mesmo tempo, o hotel deve acompanhar e analisar o cenário e conforme houver a flexibilização para eventos, adotar as medidas para atrair clientes.

Neste contexto, a expectativa é que as perdas financeiras decorrentes da pandemia de 2020 deverão ser recuperadas somente em 2022/2023, quando o faturamento deverá chegar aos níveis alcançados em 2019.

Apoio especializado

Na expectativa da volta gradual dos eventos, o hotel não deve ficar de braços cruzados. O momento é de monitorar o segmento e as decisões das autoridades sanitárias, como destacado acima, mas também de trabalhar na captação de eventos regionais e estaduais, priorizando o deslocamento por via terrestre.

Neste trabalho, o hotel pode contar com o apoio especializado de uma representação comercial, como o que é realizado pela Pires Destinos Eventos. São muitas as vantagens que o hotel obtém ao contratar este serviço, especialmente a possibilidade de usufruir de um sistema eficiente de busca completo e atualizado constantemente o que abre novas perspectivas em um momento de tantas incertezas.

Com a representação comercial, inclusive, o hotel pode fazer um estudo dos eventos já confirmados para 2021 e definir um plano “B” caso a pandemia ainda exija distanciamento social, o que irá refletir no modo como as salas serão usadas e também nos tarifários. Essa reestruturação comercial é necessária, não será rígida e precisa ser flexível conforme os avanços contra a pandemia são alcançados.

Indicadores relevantes

O uso de dados tem sido cada vez mais destacado com um dos ingredientes essenciais para a elaboração de estratégias inteligentes. No segmento de eventos não é diferente e o hotel não deve abrir mão da análise de seus indicadores medir sua performance e traçar as ações que ajudem a atrair novos clientes.

Entre os indicadores mais relevantes estão o RevPAR (quanto o hotel ganha por acomodação), valor médio da diária, taxa de ocupação, receita (média e total), resultado (anual e operacional), comparativo entre venda lazer e venda evento, tipo de evento (corporativo ou adesão), comparativo meta de faturamento e meta de venda, além de dados sobre desempenho de vendas.

Prevenção à Covid-19

Pensar na retomada dos eventos não significa deixar de lado as medidas estabelecidas por autoridades estaduais e municipais de prevenção à Covid-19. Mesmo que a curva de casos e óbitos apresente uma desaceleração, enquanto não houver uma vacina e o controle da pandemia, essa deverá ser a rotina no hotel, com a prática de todas as ações de segurança e sanitização.

O hotel precisa estar adequado às exigências sanitárias para segurança de hóspedes e colaboradores e também como forma de transmitir credibilidade para clientes (hóspedes, promotores e participantes de eventos). Por isso, neste cenário ainda em recuperação é importante que o empreendimento adote as medidas e dê publicidade a elas em todos o seu material de comunicação.

3 formas de melhorar 0 LEGADO DO TURISMO DE EVENTOS

Photo by Dmitry Ratushny on Unsplash

Todos os dias tento fazer um exercício para entender como o turismo pode contribuir ainda mais com o desenvolvimento das cidades; particularmente nesse semana, por ocasião de palestra no Congresso da ABEOC, trago uma reflexão sobre como podemos melhorar o legado dos eventos para as cidades, tema de minha palestra. Resolvi abordar 3 aspectos: o uso de tecnologias, o aumento do gasto e da permanência do turista de eventos e seu envolvimento com as comunidades locais.

As novas e sempre rápidas mudanças tecnológicas trazem uma mudança drástica na forma como podemos melhorar o marketing turístico. Parece que o uso de tecnologias em nosso setor chegou à área de gestão das empresas, mas ainda resiste em chegar no relacionamento com os clientes. Mudar o foco do negócio para o foco no cliente, essa seria uma ótima alternativa. Mas uma das coisas que muda no turismo é a forma de experimentar o destino, que antes só seria possível quando a viagem estivesse acontecendo; agora, com a realidade virtual é possível experimentar antes de comprar. Esse é um exemplo de como podemos falar mais do destino de um evento em sua fase de preparação, atraindo mais pessoas e mudando para melhorar o rumo de sua viagem. Podemos fazer com que o participante possa ter sua experiência melhorada antes, durante e depois de seu congresso ou convenção. Trata-se aqui de preparar o que resolvi chamar de FÓRMULA DO MAIS.

Para executar a FÓRMULA DO MAIS é preciso conhecer e transmitir ao participante de eventos que tipo de experiência ele pode ter no evento em si, e, sobretudo no destino. A fórmula é; FICAR MAIS, GASTAR MAIS EXPERIMENTAR MAIS. Isso trará um legado mais efetivo ao lugar que recebe os visitantes a congressos, feiras e outros tipos de encontros. Mas o que é a experiência? Uma viagem de imersão, uma forma de turismo em que as pessoas focam na experiência que terão num lugar, de forma engajada. É uma viagem de aprendizado, de transformação pessoal, que foca no ser, no estar, no conhecer, no interagir, e não no comprar ou no passar os olhos. Podemos aqui aproveitar uma tendência, o BLEISURE, a soma de business + leisure, negócios + lazer. Podemos convidar as pessoas a ficar mais no destino, conhecer mais de sua história e de sua cultura e natureza.

Finalmente falo de uma tendência que tem tudo a ver com a FÓRMULA DO MAIS, o envolvimento COM a comunidade local, e também DA comunidade local. Para ter experiências verdadeiras e inéditas, é preciso conectar-se com a cultura local, com as pessoas, com seus hábitos e costumes. É necessário um comportamento de respeito ao seu patrimônio e de engajamento fiel às suas tradições e seu patrimônio. Empoderar os locais significa estar com eles em sua realidade e ajudar diretamente com benefícios à conservação natural e histórica, e trazer resultados para sua economia de forma responsável. Quem sabe aqui não fazemos as comunidades locais sentirem, de fato, os benefícios do turismo e criamos a FÓRMULA DO QUERO MAIS? Quero mais eventos para minha cidade, quero mais turistas, quero mais negócios, quero mais viver em uma cidade vibrante.

Bem, o legado tem ainda diversos aspectos, e esses três que mencionamos estão totalmente interligados e interdependentes. Quais outros legados você sugere que possamos trabalhar na indústria de eventos?

Por mais eventos internacionais

Não estamos nada bem no ranking da ICCA, nem em relação aos demais concorrentes nem em relação à nossa evolução.

A ICCA diz que a cada 10 anos o numero de eventos no mundo duplica, o que não foi o caso do Brasil. em 2007 tinhamos 223 eventos, hoje 244! Pasmem que já chegamos a realizar 360 eventos no Brasil em 2012 quando ocupamos o sétimo lugar no ranking global.

Se a política de captação de eventos da EMBRATUR iniciada em 2004 tivesse continuidade, hoje deveríamos ainda estar entre os 10 países que mais realizam eventos no mundo, com cerca de 400 eventos. Se existe um programa de trabalho que pode ser realizado a muito baixo custo e que apresenta resultados, definitivamente é o de captação de eventos internacionais.

Não dá para acreditar que depois de realizar a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos nosso país ficou sem uma nova estratégia e um posicionamento global que pudesse nos colocar em outro patamar no ranking de eventos. E ainda teríamos os eventos esportivos mundiais para captar.

Só temos hoje os Convention Bureaux que fazem um trabalho de captação, e as cidades que se esforçam para trazer esse turista que gasta mais e fica com uma outra imagem de nosso país.

Para retomar o trabalho no mínimo 3 a 5 anos para dar resultados.

Fitur, direto de Madri

Primeiras horas da Fitur, em Madri (Foto: Divulgação/Twitter)

Hoje acontece o primeiro dia de um dos eventos mais importantes do setor de viagens e turismo do mundo, a Feira Internacional do Turismo, Fitur. Realizada em Madri, as novidades do turismo mundial passarão por aqui nos próximos quatro dias, trazidas através de representantes das nações e profissionais da indústria.

Um dos grandes eixos do evento tem sido a sustentabilidade. Por 2017 ser o Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento, declarado pela ONU, os valores e as ações que geram sustentabilidade têm sido discutidos com frequência e se propagado na Fitur, sendo tema constante nas programações.

Para o Brasil, as apresentações terão foco nos grandes eventos do calendário e rotas regionais, que têm sido um forte para o turismo nacional. Trazendo os dados da Rio 16, que um case de sucesso para o nosso setor em 2016, reitera-se a importância de um grande evento para a economia do turismo e para o desenvolvimento do setor regional, principalmente, e também nacional.

Foco nas novas tendências

Outro assunto que terá bastante visualização na Fitur, serão as tendências do turismo para 2017. De olho principalmente nos avanços tecnológicos, durante os dias da Fitur ocorrerá a Fitur Tech, onde serão realizadas programações especiais dedicadas à apresentação de novas tecnologias voltadas especificamente para o Turismo.

2017 será um ano de oportunidades e de novas perspectivas para o Turismo. Na Fitur, ou em outros eventos, a importância do estreitamento de laços e estabelecimento de relações que tragam compartilhamento de boas práticas para o desenvolvimento do setor é indispensável, num tempo em que mudanças são necessárias  e novidades são inevitáveis. Seguimos acompanhando o Turismo de perto.

Fique por dentro da Abav/ Braztoa

abav_2016
44ª Abav Expo (Foto: Divulgação)

Grandes nomes da indústria do Turismo e viagens e setores associados estão reunidos em São Paulo, no Expo Center Norte, desde esta quarta-feira (28), para participar da 44ª Abav Expo e o 46º Encontro Comercial Braztoa. A feira tem o recorde de  aproximadamente 24 mil participantes.

Entre palestras, mesas redondas, opiniões manifestadas durante conversas e entrevistas dos participantes, o ponto alto da 44ª Abav é ainda a reunião de líderes do setor em um mesmo evento, onde é possível promover o estreitamento de laços, novos encontros, atualização de negócio e até mesmo a discussão de novos projetos. Cito, abaixo, alguns dos temas mais comentados do evento até agora:

O momento econômico pelo qual o Brasil atravessa tem sido um dos assuntos mais abordados na Feira. As complicações para o setor que vieram com o tempo de instabilidade tem sido muito debatidas, assim como as projeções para o próximo semestre. Leia mais aqui.

O legado da Rio 2016 também foi tema de discussão da Vila do Saber. O reconhecimento dos benefícios da passagem das Olimpíadas e Paralimpíadas pelo Brasil para o desenvolvimento do Turismo de forma geral foi abordado ontem na Vila do Saber, veja aqui.

Alguns passos da malha aérea em direção a vôos internacionais foram também comentados com otimismo por participantes do evento, leia aqui.

A importância das redes sociais, um dos assuntos bastante comentados aqui no MKT Destinos, tem sido alvo de aprendizado na 44ª Abav. A influência das novas tecnologias e a interação com turistas exercem mudanças significativas na forma de fazer o Turismo. Aqui, para ler mais.

Em tempos de crise, experimentar, observar e ouvir de grandes profissionais ideias propostas, soluções viáveis e opiniões facilitadas pelo evento diante do quadro crítico em que se encontra o setor no Brasil é uma oportunidade da qual podemos extrair ao máximo aplicabilidade para nossos próprios negócios. Investir no desenvolvimento particular de cada profissional que move a indústria é investir também no desenvolvimento do Turismo do país.

Marketing nos eventos

Close-up of business people handshaking on background of modern building

Hoje, ao invés de falar de marketing dos eventos, falarei da vantagem do marketing nos eventos, que é o que impulsiona a estratégia de aplicações empresariais em determinadas atividades de um destino. A lógica é simples: atrelamos a imagem do destino a um fator-chave que garanta a captação de turistas e gere visitação e já temos uma relação vantajosa para publicidade de marcas e serviços, o que motiva o investimento das empresas através da associação com o evento, o conhecido patrocínio.

O investimento em eventos é parte integrante do planejamento financeiro e de marketing de empresas que desejam estabilizar ou reforçar sua marca no mercado, ou para segmentos específicos.

A movimentação econômica gerada através deste tipo de parceria é um fator motivador para o segmento do turismo de eventos no país. A exemplo: de acordo com levantamento feito pela Meio & Mensagem, as confederações nacionais do ciclo olímpico da Rio 2016 receberam R$ 1,85 bilhão, apresentando dados das empresas que divulgaram valores. Somando o incentivo das marcas que não externaram números, a estimativa é de que este valor supere os R$ 2 bilhões. Desta quantia, R$ 635,25 milhões foram aplicados pelas estatais Banco do Brasil, Caixa, Correios e Petrobras.

Além disso, o Comitê Olímpico Brasileiro divulgou que assumiu o orçamento de R$ 7,4 bilhões, apresentando o valor como sendo 100% de origem da iniciativa privada.

Esses números não são em vão. Segundo a Kantar IBOPE Media, Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística, mais de 10 milhões de pessoas foram impactadas pelas marcas atreladas a Rio 2016 e, deste total, cada pessoa assistiu, em média 322 comerciais de marcas associadas, durante o período dos Jogos (de 5 a 21 de agosto).

Para organizadores de eventos e profissionais do setor do turismo, o patrocínio surge também como uma oportunidade e é importante que o próprio evento transmita credibilidade para provocar interesse das marcas. O planejamento, estudo de público e análise de interesse de mercado é essencial para todas as partes envolvidas.