Terra de castelos

A bandeira de Portugal no sempre lotado Castelo de São Jorge, em Lisboa

Castelos costumam gerar um curioso (e compreensível) fascínio nas pessoas, seja pela beleza estética ou pela importância histórica que alguns deles possuem. Eu, que gosto muito de história e me animo com essas construções bem preservadas, adoro visitar uma fortificação ou palácio toda vez que passeio por um novo local – especialmente aqui na Europa, terra tomada por castelos.

Eu já defendi neste blog em outros momentos o Turismo em Portugal por meio de suas estradas. Há alguns meses dei sugestões de roteiros saindo do Porto e, mais recentemente, falei das Aldeias de Xisto no centro do país. Destinos que valem uma visita estão espalhados por todas as regiões e, nesse post, quero demonstrar isso usando a meu favor os castelos de Portugal.

Fragmento da Muralha Fernadina, no Porto

Segundo o Wikipedia, Portugal possui quase 200 construções entre castelos, palácios, fortificações, torres e muralhas. Em um país com dimensão um pouco menor que a do estado de Pernambuco, fica fácil de imaginar que esses castelos estão postados em tudo que é parte.

Por vezes residência de membros da nobreza, mas sempre uma extensão da atuação do governo em vigor, os castelos tiveram enorme importância ao longo da história de seus países – e, como é possível notar ao analisar o posicionamento dessas construções, também serviram para assegurar territórios e delimitar fronteiras.

No mapa criado por este blog, estão sinalizadas 171 construções históricas que, de alguma forma, ajudaram Portugal a desenhar sua trajetória ao longo dos séculos. Desde o Castelo de Guimarães, um dos bastiões na formação de Portugal como nação, até o Convento de Cristo, em Tomar, morada de templários e exemplo do papel que a igreja católica exerceu ao longo da história lusitana.

O evidente caráter defensivo dessas construções explica a concentração de castelos em regiões de disputa territorial com reinos vizinhos, seja no interior ou no litoral. Ainda assim, essas fortificações estão espalhadas por absolutamente todas as regiões de Portugal, de norte a sul.

Obviamente que há castelos mais interessantes e bem preservados que outros, ou mais importantes historicamente falando. Mas, para um turista em deslocamento entre os principais destinos de Portugal, é praticamente impossível viajar e não cruzar com uma construção de destaque.

A minha sugestão é que, definida a rota de uma viagem rodoviária pelo país, dê uma olhada nas cidades pelas quais você passará. Há grandes chances de que uma peça importante da história de Portugal esteja no seu caminho. Pesquise a história e detalhes como horários de visita e atividades que possam estar acontecendo.

A bela vista do Castelo de Penela para a Serra da Lousã

Fiz isso em uma viagem recente a Coimbra e acabei por conhecer o Castelo de Penela, que junto a outras fortificações teve papel na defesa da região perante as ofensivas mouras no século 12. Em um desvio breve do meu trajeto e uma visita rápida, tive contato com a linda arquitetura medieval do castelo e uma vista incrível da serra da Lousã.

Mas se história e castelos não forem o suficiente para lhe animar, também pesquise a gastronomia local. Aqui eu fiz um mapa com exemplos da confeitaria conventual (parte I e parte II), que também dá uma ideia de quão presentes esses doces estão pelo país.

Não deixe de dar uma olhada nos últimos posts e acompanhe a jornada do Viajante 3.0 pela blogosfera da PANROTAS e também pela conta no Instagram.

Onde tudo começou: o Castelo de Guimarães

Published by

Renato Machado

Renato é jornalista e encontrou na cobertura do Turismo a junção de grandes prazeres: escrever e conhecer novas culturas e lugares. Agora vive em Napoli, na Itália, e neste espaço irá experimentar na prática tendências e inovações do mercado, além de buscar um olhar menos óbvio de destinos internacionais. No Instagram @Viajante3.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *