Alegoria e ECONOMIA

O tamanho do carnaval brasileiro extrapola a alegria e as belas imagens da folia. Impactos econômicos para o país, advindos do turismo; e de promoção positiva do Brasil pelo mundo são o destaque.

3d illustration: Land and a group of suitcases. To take a vacation rental

O feriado de carnaval é um dos períodos do ano que mais movimenta a economia do Brasil por meio dos impactos econômicos gerados pelo turismo. Segundo estudo da CNC – esse ano de 2019 a movimentação de turistas e a ocupação dos meios de hospedagem tiveram alta. A receita das atividades turísticas cresceu 2% em relação ao ano anterior; principalmente pela alta do dólar que freou as viagens ao exterior dos brasileiros e a inflação mais baixa. O dólar aumentou 20% em relação ao mesmo período de 2018.

A receita gerada pelo turismo gerou R$ 6,78 bilhões de movimentação financeira. Somente Rio (R$ 2,1 bilhões) e São Paulo (R$ 1,9 bilhões) foram responsáveis por 62% dos recursos gerados pelo carnaval. Destaque também para Minas Gerais (R$ 615,5 milhões), Bahia (R$ 561,9 milhões), Ceará (R$ 320 milhões) e Pernambuco (R$ 217, 6 milhões). E ainda tem mais: os empregos temporários mostraram um aumento de 23,4% somente em janeiro e fevereiro em relação aos mesmos meses de 2018.

Dentre as diversas manifestações culturais do Brasil, o carnaval é, sem dúvida, aquela que mais mostra ao planeta nossas tradições, raízes, alegria e estilo de vida. Existe carnaval no mundo inteiro, mas o nosso se destaca pelo alcance nacional, diferentes ritmos, fantasias, festas de rua, desfiles de escolas de samba e a alegria característica dos brasileiros. Os turistas que vieram ao Brasil nesse período têm vivências inesquecíveis, de norte a sul as diversas formas de carnaval transformam uma viagem numa forma diferente e única de experiência.

Bom para a economia, bom para a imagem do Brasil no exterior. O carnaval pode ser melhor aproveitado pelos destinos e pelo país para destacar nossos diferenciais competitivos e nossa diversidade cultural que se manifesta pela música, fantasias, enredos e marchinhas.

A pasta do turismo

A manutenção da pasta do turismo é uma boa notícia recebida pelo setor nessa quarta, 28/11.

A anunciada fusão do Ministério com Cidades e Integração traria danos irreversíveis ao segmento que pode gerar empregos, atrair investimentos e aumentar a arrecadação de divisas. Depois desse anúncio, os passos importantes serão a nomeação de pessoas com conhecimento na área e a existência de um orçamento à altura dos desafios que virão pela frente.

Da mesma forma, a continuação das políticas públicas essenciais como o Plano Nacional de Turismo 2018-2022 e o Conselho Nacional de Turismo, podem fazer com que muitos projetos não sejam começados do zero, ou outros abandonados.

Vale aqui lembrar das propostas elaboradas pelas entidades de turismo por meio do Conselho Empresarial da CNC, que é a contribuição dos empresários aos rumos do turismo no país. O documento já foi entregue ao então candidato Jair Bolsonaro, e poderá ser também um instrumento do novo Ministro e sua equipe.

Cada vez mais, a participação efetiva e forte das entidades e empresários se torna uma condição fundamental para os avanços do setor, sem depender de governos, mas interagindo para que cada um possa fazer bem sua parte. Falamos um pouco sobre isso no post da semana passada.

Conheça aqui as propostas do Conselho Empresarial da CNC.