Quando viajar deixa de ser luxo

porquinhoCom um cenário econômico ainda instável algumas projeções mostram que o brasileiro está ficando um pouco mais otimista e confiante em relação aos seus gastos, é o que mostra a pesquisa da Confederação Nacional do Comércio, Bens, Serviços e Turismo (CNC). De acordo com o estudo, a intenção de consumo da família brasileira, em setembro, registrou crescimento de 4,1% em relação a agosto deste ano, a maior alta mensal desde 2010. Sendo assim, o índice geral de intenção de consumo chegou a 72,1 pontos em um escala que varia de zero a 200. Quanto mais esse número sobe, mais a perspectiva de consumo aumenta.

Viajar, hospedar-se em hotéis e conhecer novos lugares deixou de ser considerado um “luxo” para o brasileiro, que possui um novo padrão de consumo. De acordo com pesquisa de Mudanças do Mercado Brasileiro, do Instituto Nielsen, o turismo deixou de ser uma atividade secundária para se tornar uma das opções de consumo importante dos brasileiros. Associado a necessidades básicas como acesso à cultura e lazer, a concepção prioritária a respeito do consumo do turismo agrega ao consumidor uma série de mudanças de comportamento econômico e, certamente, é benéfica para o setor.

Em contrapartida, o país ainda atravessa um momento econômico pouco favorável a este novo padrão de consumo e é possível que muitos brasileiros permaneçam com a preferência, mas sem concretização, ou seja, fiquem apenas na intenção da viagem.

Positivamente, temos um padrão de consumo que prioriza o turismo como parte da cesta de consumo de algumas classes sociais e vemos, também, um consumidor que está disposto a economizar em outros bens para bancar viagens. É é o que mostra estudo de julho deste ano da Worldpay, empresa especializada em pagamentos digitais. ¨Dos brasileiros, 62% usa economias para financiar viagens de férias. Contudo, esse mesmo consumidor atravessa um período de incerteza econômica que pode inviabilizar planos de viagens”.

Diante dessa realidade, os valores de pacotes e as formas de pagamento são fatores decisivos para o consumo do turismo. O estudo da Worldpay detectou que, não raro, a escolha do destino de férias dos brasileiros é determinada pelo preço. Valor de vôos e ofertas de viagens determinam o local das férias de 72% dos entrevistados.

Ainda segundo o estudo, 90% dos consumidores entrevistados declarou ter interesse em pagar pacotes de viagens em planos de parcelamento e 86% afirmou que, se possível, pagaria passagens aéreas de forma parcelada.

Apesar dos tempos de crise, ideias, estratégias e ferramentas que atraiam o consumidor, que possui nova percepção e expectativa de viagens, são valiosas para o mercado do turismo, que tem capacidade de resistência à crises, se recupera mais rápido e permanece em expansão, mesmo em períodos de dificuldades.

Published by

Jeanine Pires

Professora e empresária, tem 19 anos de experiência em turismo e eventos. Diretora da Pires & Associados e da MATCHER Travel Business.Suas principais atividades são a realização de Planos de Marketing de Destinos Turísticos e palestras no Brasil e no exterior. Presidiu a EMBRATUR de 2006 a 2010, onde também foi Diretora de Turismo de Negócios e Eventos. Liderou o trabalho de promoção do Brasil como destino turístico no exterior, os programas de captação de eventos internacionais e a agenda de promoção do Brasil de 2003 a 2010. Participou da elaboração do Plano Aquarela - Marketing Turístico Internacional do Brasil em 2005 e também coordenou sua versão para 2020. Nos Convention & Visitors Bureaux de Maceió e Recife como diretora executiva, desenvolveu os programas de marketing de lazer e eventos para aquelas cidades entre 1997 a 2002. Esse blog reflete opiniões pessoais e não tem qualquer vínculo institucional

2 thoughts on “Quando viajar deixa de ser luxo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *