Como estão funcionando os hotéis do Rio de Janeiro durante a pandemia

Com a quarentena sendo flexibilizada em todo o país, começaram a surgir nos termos de busca do Hotel Inspectors perguntas sobre a reabertura dos hotéis. E como estão funcionando os hotéis do Rio de Janeiro durante a pandemia? Duas pesquisas recentes mostram que o Rio está entre os destinos mais desejados do país para viagens em um futuro pós-isolamento.

Porém, com uma média de mais de mil pessoas morrendo todo dia no Brasil pela covid-19 (em um total até agora de mais de 87 mil mortes) e curvas de contágio sem sinais significativos de queda, taxas de ocupação da hotelaria urbana no país continuam baixas. Parece pouco provável que o quadro mude enquanto não houver redução importante de novos casos e mortes. Não por acaso a maioria dos hotéis cariocas mais conhecidos continua fechada.

O Rio como destino: expectativa x realidade

Pesquisa da Hoteis.com apresentada semana passada mostra o Rio entre os cinco destinos mais cobiçados do país para viagens futuras. Outra, da Booking, divulgada na primeira quinzena de julho e baseada nas listas de desejos de viagem dos usuários do site de reservas, apresenta o Rio em segundo lugar, atrás de Gramado (RS). Esta é a expectativa.

A realidade é outra. Também deste mês, um estudo do Hotéis Rio, sindicato patronal carioca, mostra que 66 hotéis da cidade continuam fechados, e 56% não têm data prevista de reabertura. O restante pretende retomar as atividades entre agosto e dezembro. Selecionei exemplos emblemáticos em Ipanema e Copacabana, os dois principais bairros turísticos, para mostrar como estão funcionando os hotéis no Rio de Janeiro durante a pandemia.

Clique aqui para seguir @HotelInspectors no Instagram

Como estão funcionando os hotéis do Rio durante a pandemia: a piscina do Fasano Rio com vista para as Ilhas Cagarras não pode ser usada
Piscina do Fasano e a vista para as Ilhas Cagarras | Foto de Carla Lencastre
Fasano Rio

O Fasano Rio reabriu em 17 de julho e é um dos hotéis do Rio que estão funcionando durante a pandemia. Há mais de uma década em um endereço privilegiado no Arpoador, o trecho da praia entre Ipanema e Copacabana, o Fasano carioca, membro da Leading Hotel of the World, retomou as atividades com ocupação máxima de 50% e a certificação SafeGuard do prestigioso Bureau Veritas. Entre outras medidas, a limpeza segue padrão hospitalar e os quartos ficam 24 horas vazios com janelas abertas. Todos têm a temperatura checada quando entram no hotel. As espreguiçadeiras na área da piscina, uma das mais fotografadas do Rio (acima e no início do texto), podem ser usadas, mas não é permitido entrar na água.

Atualização: No início de agosto o Fasano Rio reabriu a piscina e o spa. Ambos estão funcionando somente para hóspedes.

Leia mais: É seguro usar piscina de hotel durante a pandemia?

O restaurante também está aberto apenas para hóspedes e não voltará como Fasano Al Mare. Em meados de setembro, será a nova filial carioca do Gero (a filial original, também em Ipanema, retorna em outubro como Gero Panini). Já o quiosque Marea, posto avançado no calçadão de Ipanema, está aberto em horário reduzido. Vale lembrar que no momento só é permitido ir às praias cariocas para praticar algum esporte seja na areia ou na água. O outro Fasano no Estado do Rio, em Angra dos Reis, a 200km de distância de Ipanema, reabre em 15 de agosto seguindo as mesmas orientações.

Terraço do Hotel Arpoador com vista para o Morro Dois Irmãos
Terraço do Arpoador e a vista para o Morro Dois Irmãos| Foto de Carla Lencastre
Hotel Arpoador

A menos de 300 metros do Fasano Rio, o charmoso Hotel Arpoador, o único pé na areia na Zona Sul carioca, reinaugurado no verão de 2019 depois de um retrofit, não tem data de reabertura. Enquanto isso, o hotel vende vouchers de diárias para uso até dezembro de 2021 com até 50% de desconto, incluindo pacotes para o próximo Ano Novo e diversas experiências no hotel, como café da manhã no Arp, ótimo restaurante de Roberta Sudbrack, ou yoga no terraço com vista para o mar. O dinheiro arrecado está sendo usado para pagar parte do salário dos funcionários.

Atualização: No início de agosto, o Arpoador anunciou sua reabertura para 1º de setembro.

Leia mais: Como é o Hotel Arpoador, pé na areia no Rio de Janeiro

Piscina do Fairmon Copacabana Rio de Janeiro com vista para o Pão de Açúcar
Uma das duas piscinas do Fairmont Copacabana | Foto de Carla Lencastre
Fairmont Copacabana

Menos de dez minutos de caminhada levam do Arpoador ao Posto 6, onde fica o Fairmont Copacabana. O mais novo hotel de luxo da cidade, inaugurado há menos de um ano, está com reabertura marcada para 1º de setembro com o selo AllSafe, certificação global criada pela AccorHotels também em parceria com o Bureau Veritas. Os protocolos são similares aos do Fasano, como temperatura medida na entrada do hotel e quarto vazio por 24 horas entre um hóspede e outro. Em princípio, as duas piscinas estarão abertas. O bufê de café da manhã no Marine Bistrô será substituído por serviço à la carte, com cardápio por QR Code.

Leia mais: Como é o Fairmont Rio, o primeiro da marca na América do Sul

Piscina do Miramar by Windsor com vista para o Pão de Açúcar
Miramar by Windsor: reabertura em setembro sem piscina | Foto de Carla Lencastre
Miramar by Windsor

Primeiro de setembro também é a data para a qual o elegante Miramar by Windsor, integrante da Preferred Hotels and Resorts no Posto 5, aceita reservas. A piscina no terraço, com vista panorâmica para a Praia de Copacabana e o Pão de Açúcar, em princípio não funcionará.

Leia mais: Hotel carbono neutro, a hospedagem que não deixa pegadas

Emiliano Rio: piscina com vista para o Pão de Açúcar
Emiliano Rio: outra piscina com vista para o Pão de Açúcar | Foto de Carla Lencastre
Emiliano Rio

Também no Posto 5, entre o Fairmont Copacabana e o Miramar, o Emiliano Rio aceita reservas pelo site para a partir de 14 de setembro. O retorno às atividades tem o selo Safe&Clean, lançado este mês pela associação Circuito Elegante. A certificação foi criada por hoteleiros associados, apoiada pela Unilever e auditada pelo onipresente Bureau Veritas.

Leia mais: Covid-19 prolonga o uso de plástico na hotelaria

Como estão funcionando os hotéis do Rio na pandemia: piscina do Copacabana Palace
A mais famosa da cidade: a piscina do Copa em versão noturna | Foto de Carla Lencastre
Belmond Copacabana Palace

Na outra ponta da Praia de Copacabana a grande dama da hotelaria carioca, o Belmond Copacabana Palace, anunciou a retomada de atividades para 20 de agosto. Mesma data prevista para a reabertura do Belmond Hotel das Cataratas, em Foz do Iguaçu.

Leia mais: Como será a hotelaria de luxo na era covid-19

Os pontos turísticos do Rio

Além de saber como estão funcionando os hotéis do Rio durante a pandemia, é importante ressaltar que as principais atrações turísticas do Rio de Janeiro continuam fechadas. Há previsão de reaberturas a partir de agosto, mas ainda sem datas confirmadas. Pão de Açúcar, Corcovado, AquaRio, a roda-gigante Rio Star, nada disso voltou a receber visitantes. Uma exceção é o Jardim Botânico, que retomou as atividades este mês com visitas com hora marcada. Os ingressos devem ser reservados online.

Atualização: No início de agosto o AquaRio anunciou a reabertura para o dia 15 do mesmo mês.

Clique aqui para ler tudo que publicamos sobre hotelaria e covid-19

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

Vista aérea do Soneva Jani, nas Maldivas

Hotel carbono neutro: quando a hospedagem não deixa pegadas

Um hotel deve ter como meta ser carbono neutro. Até porque quatro meses depois de declarada a pandemia, e passada a surpresa inicial com algumas imagens de recuperação do meio ambiente, está claro o efeito arrasador do novo coronavírus na sustentabilidade. E a preservação do meio ambiente terá cada vez mais importância na retomada da economia.

Resolver como a energia é gerada pode estar além das ações cotidianas. Mas valorizar uma propriedade que se preocupa em mitigar o impacto das emissões de carbono nas mudanças climáticas é algo que todos os viajantes podemos fazer quando for seguro viajar novamente.

Estudo publicado em maio na revista Nature Climate Change mostra que a pandemia diminuiu em 17% no mundo as emissões de carbono, que voltaram ao patamar de 2006. O dado é de abril de 2020 em relação a 2019. O número sem precedentes foi alcançado por conta das restrições à mobilidade e da redução do uso de energia elétrica. Como não reflete alterações estruturais, o efeito nas mudanças climáticas é mínimo. Mas diz muito sobre o quanto ainda precisamos reduzir nossas pegadas de carbono e tentar fazer viagens mais sustentáveis.

Clique aqui para seguir @HotelInspectors no Instagram

No meu texto anterior, escrevi sobre como já estamos vendo um retrocesso na eliminação do plástico de uso único. Continuar investindo em redução e neutralização de carbono será mais um desafio. Economistas de diferentes escolas de pensamento apontam que a descarbonização do planeta é pilar fundamental para a retomada da economia em geral, viagens incluídas. E, provavelmente, nos próximos anos novas certificações globais serão criadas.

O que é um hotel carbono neutro

Ser carbono neutro não significa que o hotel não tem emissões de carbono. Uma propriedade carbono neutro se preocupa em reduzir pegadas e compensar as restantes. A neutralização pode ser feita com o plantio de árvores ou investindo em fazendas de energia eólica, por exemplo.

Hotéis que levam a sério a diminuição de pegadas de carbono também podem exigir baixas emissões de seus fornecedores. Como já acontece no caso de alguns programas da hotelaria para eliminação do plástico de uso único. O que não quer dizer que seja tarefa fácil: a cadeia de fornecedores é um dos maiores obstáculos para um hotel ser plastic free.

Leia mais: O difícil adeus ao plástico nos hotéis

Bons exemplos de grandes redes

Piscina do Sofitel Dubai The Palm,  hotel da Accor
Sofitel Dubai The Palm: hotel da Accor com energia renovável e baixas emissões de carbono Foto @SofitelDubaiPalm

Entre as grandes redes, a AccorHotels se destaca na neutralização de carbono. O grupo francês pretende que todos os prédios dos quais é proprietária (cerca de 30% de 4.800 hotéis) sejam carbono neutro até o final deste ano. Já todos os novos hotéis e os renovados, inclusive os que são apenas administrados pela rede, serão em construções com baixas emissões de carbono, privilegiando o uso de energia renovável como a solar ou a eólica. Um exemplo de hotel da Accor sustentável e que usa energia renovável atualmente é o Sofitel Dubai The Palm Resort & Spa.

NH Hotels, parte da tailandesa Minor Hotels, é outra rede a se destacar com metas de redução de carbono. No final do ano passado, o grupo NH anunciou que vai diminuir em 20% as pegadas até 2030. O objetivo pode parecer pouco ambicioso, mas a rede espanhola reduz emissões desde 2007. Em 2018, 70% da energia usada em seus 380 hotéis já era renovável.

Nos eventos
Salão de destas no Radisson Cartagena
Casamento no Radisson Cartagena: evento carbono neutro | Foto de divulgação

Desde 2019, o Radisson compensa as pegadas de carbono de todos os eventos em seus mais de 1.100 hotéis pelo mundo. Neutralizar as emissões de carbono de eventos também é o que faz o Aria Resort & Casino, como no Forbes Travel Guide Luxury Summit. Contei neste link como foi a compensação de carbono da conferência do FTG, que levou em conta o transporte dos participantes até Las Vegas, em fevereiro deste ano.

Entrada do Aria Resort & Casino em Las Vegas
Aria: reunião do FTG com emissões de carbono compensadas | Foto de Carla Lencastre

Pequenos grupos e hotéis independentes

O comprometimento de grandes empresas com baixas emissões e neutralização é fundamental para a descarbonização do planeta, mas todos os exemplos são importantes. O Soneva, com dois hotéis (a foto em destaque no início do texto é do Jani) e um iate nas Maldivas e um hotel na Tailândia, tem sólida história de mais de duas décadas de sustentabilidade. Atualmente o Soneva é 100% carbono neutro. O grupo de luxo descarboniza toda a operação, incluindo emissões indiretas como as do voos dos hóspedes.

Outro modelo vindo das Maldivas é o Kudadoo, inaugurado em 2018 e reconhecido ano passado pela revista HD com o Hospitality Design Award na categoria Resort Sustentável. Com apenas 15 villas em uma ilha privativa, o Kudadoo Maldives usa somente energia solar e se preocupa em eliminar outras pegadas de carbono. A água é dessalinizada em uma ilha próxima, reduzindo as emissões do transporte. E é engarrafada em vidro, eliminando a garrafa de plástico de uso único.

Painéis de energia solar no Kudadoo Maldives
Alguns dos 984 painéis de energia solar no Kudadoo Maldives | Foto de divulgação

Um exemplo bem recente chega do México. Foi inaugurado este mês em Playa del Carmen o Palmaïa, The House of Aïa, que nasce com o objetivo de ser carbono neutro em 2021. Para isso, o Palmaïa, membro da Preferred Hotels, anunciou que está instalando painéis de energia solar no resort e em diferentes áreas do país para compensar suas pegadas.

Varanda com vista para o Caribe no Palmaïa, na Riviera Maya
Palmaïa: investimento em energia solar para neutralizar emissões | Foto de divulgação

No Brasil

Afinal, se no mundo ainda não há muitos hotéis independentes ou de pequenos grupos preocupados em compartilhar o que fazem para mitigar as emissões de carbono, nem certificações amplamente reconhecidas, no Brasil a quantidade é ainda menor. Mas há alguns bons exemplos.

Um deles fica no Estado do Rio. É a Pousada Águas de Paratii, que participou do Programa de Carbono Compensado do Lepac, Laboratório de Extensão da Unicamp em Paraty. Assim como o Go Inn, hotel econômico bem localizado no Centro de Manaus, reconhecido pelo Projeto Neutro de Carbono do Instituto Brasileiro de Defesa da Natureza (IBDN), organização sem fins lucrativos. Ambos investiram na redução das pegadas (usando energia solar e separando e reciclando o lixo, por exemplo) e compensaram as baixas emissões com o plantio de árvores. Como resultado, são carbono neutro.

Clique para ler tudo que publicamos sobre o impacto da covid-19 na hotelaria

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

Como fronteiras podem interferir na recuperação hoteleira

Faz quase quatro meses que estamos discutindo aqui nesta coluna a hotelaria em tempos de Covid-19. Já sabemos que não existe receita universal, ainda mais diante de uma crise sem precedentes e de um vírus tão devastador quanto desconhecido. Mas, em pleno verão no hemisfério norte, ficou também mais claro do que nunca como algumas fronteiras podem interferir sobremaneira na recuperação hoteleira. 

Nas últimas semanas, hotéis e pousadas começaram a reabrir em diversos destinos (no Brasil e no exterior). Mas sabemos o quanto essa retomada da hotelaria não é nada fácil. Além de todas as adaptações pelas quais uma propriedade tem que passar para reabrir em tempos de pandemia, alguns hotéis tiveram que colocar a criatividade para seguir funcionando. Alguns deram nova função a seus quartos ociosos para tentar fechar as contas no final do mês. Outros redesenharam funções, cargos e empregos para atender às exigências dos novos tempos.  E ainda temos todo um imenso retrocesso no que diz respeito a uma indústria realmente sustentável no turismo.

Sabemos que as escapadas curtas e as viagens de carro são as que devem se recuperar primeiro, até pelo gerenciamento de riscos ser mais factível (ou aparentemente menos complexo). A recuperação das viagens de longa distância pode incluir ciclos de planejamento extremamente curtos. Trade e consumidor estarão provavelmente monitorando a situação em cada destino. Afinal, não se sabe quando exatamente determinadas fronteiras precisarão ser fechadas novamente.  E tudo isso, obviamente, influencia (e influenciará) diretamente na dinâmica das reservas hoteleiras. 

Veja aqui como a hotelaria está redesenhando empregos em tempos de pandemia.

A piscina no rooftop do Hilton Madrid Airport. Foto: Mari Campos

Fronteiras fechadas para americanos

Pesquisa recente feita pelo instituto McKinsey sugere que a recuperação da indústria hoteleira em números pré-Covid-19 deve acontecer somente a partir de 2023. Mas o verão no hemisfério norte e o levantar de várias fronteiras nos países que já passaram pela primeira onda toda trouxeram nova dúvida ao setor. Afinal, até onde exatamente algumas fronteiras fechadas podem interferir na recuperação de uma determinada propriedade?

Para destinos na Europa, o banimento temporário de turistas americanos na União Europeia pode prejudicar particularmente a recuperação da hotelaria de luxo e das cadeias norte-americanas. Principalmente aquelas que contam majoritariamente com este perfil de turista durante a temporada de verão. Estima-se que cerca de 18 milhões de americanos tenham viajado para países da União Europeia em 2018. E mais de um terço deles estiveram no continente durante a temporada de verão. Com fronteiras fechadas a eles por enquanto, determinadas redes hoteleiras podem, sim, sofrer significativa interferência em seu processo de recuperação.

Redes americanas como Marriott e Hilton, que contam mais com hóspedes americanos em suas propriedades na Europa, podem sofrer de maneira mais efeitos ao longo de seu processo de recuperação. Para dar uma ideia geral, americanos em viagem ao velho continente no ano passado representaram 20% das diárias vendidas pelo braço europeu da Marriott, de acordo com o Skift. 

Além disso, diversos hotéis destes grupos também estavam acostumados a contar enormemente com convenções e turismo de negócios. Entrevistados da McKinsey afirmaram que suas empresas já confirmaram que adotarão a tecnologia como substituta para as viagens não essenciais mesmo quando a pandemia terminar. E especialistas já esperam que o setor de convenções e eventos seja o último da indústria turística a se recuperar. 

Leia mais: Dilemas da retomada turística em tempos de coronavírus.

Propriedades econômicas podem se recuperar mais rápido

Por outro lado, fronteiras fechadas com os EUA podem interferir muito menos na recuperação hoteleira de redes baseadas na Europa, como a Accor. Além de focar mais em propriedades midscale e econômicas na Europa, em 2019, cerca de 90% dos negócios da Accor na Europa vieram diretamente do turismo doméstico. 

Clique aqui para ver como é a reabertura de um hotel em tempos de pandemia.

Hotéis e pousadas de luxo também tendem a ter recuperação bem mais lenta. Afinal, com custos fixos muito mais altos, um hotel de luxo geralmente precisa de uma taxa de ocupação uma vez e meia mais alta que um hotel econômico para que a conta feche. Portanto, em lugares onde a ocupação ainda está correspondendo a níveis tão baixos quanto 15 ou 20% neste nicho, talvez seja realmente mais prudente esperar o máximo possível para a reabertura. No caso das propriedades na Europa, a interferência pode ser maior ainda neste verão em redes hoteleiras de luxo que dependem mais de turistas americanos, como Four Seasons.

Para pousadas e hotéis econômicos, que possuem custos fixos consideravelmente mais baixos, o cenário é diferente. E os índices de ocupação, muito mais altos. Crises anteriores no setor mostram que quanto maior a demanda e menores os custos operacionais, mais rápida a recuperação. 

Mas isso não quer dizer que a jornada vá ser fácil, é claro. Franck Gervais, CEO do grupo na Europa, acha que hotéis higienizados e seguros passam a ser regra definitiva. A experiência que cada “marca” hoteleira é capaz de entregar vai ser diferente. Segundo ele, cumprir os novos protocolos é essencial, mas a personalização da experiência do hóspede é agora mais importante do que nunca.

Veja aqui como pousadas brasileiras estão se preparando para a reabertura.

Foto: Mari Campos

Luz no fim do túnel

Enquanto destinos reabrem (seja aqui ou lá fora), a maioria dos hotéis aposta em portas abertas sabendo que, infelizmente, ainda correm o risco de fechar novamente a qualquer momento se novos surtos locais acontecerem (como vimos recentemente em destinos da Flórida, na Serra Gaúcha e em Foz do Iguaçu, por exemplo).

A recuperação do setor também depende deste fator importantíssimo, para qualquer tipo de hotel, em qualquer destino: tornar a experiência o mais segura possível. E e é fundamental deixar isso claro para o turista mais ressabiado e prudente. No estudo da McKinsey, os turistas entrevistados responderam que, sim, são as medidas extras de saúde e segurança que os farão viajar de novo a passeio. 

The brightside: nos últimos anos, alguns hotéis passaram a operar em sistema de otimização dos lucros, deixando de ver a receita unicamente em termos de ocupação de quartos e diárias vendidas. Passaram a levar em consideração igualmente a receita de alimentos e bebidas, eventos, spa etc. E o setor de F&B (bares/restaurantes), por exemplo, pode ter importância fundamental na recuperação hoteleira nestes tempos de baixa ocupação.

Embora esses setores tenham margens bem diferentes de lucro, os custos também são bem diferentes. Propriedades que já operavam neste sistema mais “holístico” podem ter vantagens na recuperação hoteleira, mesmo com diferentes fronteiras ainda fechadas. Em Amsterdã, por exemplo, hotéis como o The Dylan, que tem um restaurante estrelado entre suas opções de F&B, já vêem um aumento considerável de receita neste setor neste começo de reabertura para o turismo em comparação ao mesmo período do ano passado.

Para propriedades que ainda não tinham investido neste tipo de operação otimizada, e como desafios podem ser também oportunidades, este período complicado da pandemia pode ser o sinal definitivo para esta mudança. 

Clique aqui para ler sobre os desafios da sustentabilidade na pandemia.

Saiba tudo sobre hotelaria em tempos de coronavírus.

Leia mais sobre turismo e pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Como hotéis estão driblando a crise durante a pandemia

Já sabemos que o turismo é uma das indústrias mais atingidas nacional e globalmente pela pandemia do novo coronavírus. Também já sabemos que a reabertura completa dos hotéis hoje fechados virá cheia de modificações e novos investimentos para atender às novas exigências de saúde, limpeza e segurança que os novos textos exigem (dá para ver aqui como está sendo este processo de reabertura hoteleira nos destinos que já estão reabrindo para o turismo). Mas há hotéis driblando a crise mesmo em plena pandemia.

Afinal, nem só de espera ou investimentos em novos protocolos de limpeza vive a hotelaria de hoje, felizmente. A habilidade da indústria hoteleira em rapidamente se adaptar às necessidades e mudanças do mercado é notória, e não seria diferente neste momento. Algumas redes e propriedades estão investindo também em outras áreas, da alimentação à moda, para ampliar seu escopo de atuação – e estão driblando a crise do setor não somente agora, como também investindo em novas possibilidades para o futuro. 

Foco na gastronomia

Nos últimos anos, o food tourism virou um componente chave na agenda dos viajantes. E diversas marcas do mercado de hospitalidade têm acompanhado com esmero e sucesso as inovações da cena culinária global, seja ao focar em oferecer sabores verdadeiramente regionais em seus restaurantes ou em fazer parcerias acertadas (ou colaborações) com chefs premiados. O grupo Hilton Hotels, por exemplo, é uma das redes de hotéis que estão driblando a crise gerada pela pandemia com a gastronomia: tem quatro chefs estrelados no Michelin respondendo por alguns restaurantes do grupo, de Michael Mina a Gordon Ramsay. 

Algumas propriedades vão além, construindo relacionamentos verdadeiros com artesãos locais, pequenos agricultores do entorno, produtores de vinhos, destilados e azeites etc, dando ainda mais autenticidade e sabor local ao que oferecem em seus menus. 

Nestes tempos em que muitos dos hotéis reabertos – como já vimos neste texto aqui – estão trabalhando apenas com room service, nada mais importante que oferecer uma comida variada e verdadeiramente autêntica, que eleve a experiência do hóspede como um todo. Alguns hotéis ainda fechados devido à pandemia estão inovando na pandemia ao manter abertos seus restaurantes, agora operando para delivery e take away – como forma de manter a conexão com moradores e fornecedores locais justamente através da comida – e oportunidade de continuar gerando receita mesmo com o grosso das operações suspenso. E a máxima obviamente segue atual quando restaurantes estiverem livres para operar regularmente nos destinos nos quais estão inseridos – como já começa a acontecer em alguns países asiáticos e europeus -, servindo o melhor da produção local de maneira criativa, caprichada esteticamente e verdadeiramente engajada com a comunidade local. 

Acompanhe mais novidades também no nosso Instagram @HotelInspectors

Novos ambientes de trabalho

Numa situação sem precedentes como a pandemia da Covid-19, muitas propriedades e redes hoteleiras entenderam que a ideia de diversificar para multiplicar resultados é também saída para tempos de crise. A rede Accor, por exemplo, também está driblando a crise durante a pandemia através da diversificação: decidiu fazer uso dos quartos ociosos em seus hotéis com foco no mercado de trabalho – e o pioneirismo da execução veio justamente das propriedades brasileiras. 

O conceito de room office da Accor faz uso dos quartos ociosos para gerar nova opção de espaços de trabalho para quem está tendo dificuldades para se adaptar aos novos tempos de home office, exigido pela quarentena.  Num momento em que a maioria dos escritórios e espaços de co-working estão fechados devido à quarentena, a iniciativa começa com alguns resultados positivos. 

Desde o último dia 15 de maio já é possível alugar um room-office em qualquer um dos 23 hotéis abertos das marcas econômicas, midscale e premium da Accor na cidade de São Paulo. O modelo escolhido promete oferecer um local de trabalho adequado, privativo, confortável, silencioso e seguro, seguindo todas as normas sanitárias em vigor em tempos de pandemia, segundo a Accor. As camas foram retiradas e substituídas por mesas, cadeiras e sofá com design bem contemporâneo.

É possível checar qual a opção disponível mais próxima da sua residência, com quarto remodelados e equipados com mesas, cadeiras, internet de alta velocidade, amenidades como café, chá e água e possibilidade de room service. Algumas propriedades específicas oferecerão também a possibilidade de alugar equipamentos para reuniões online e até alguns equipamentos esportivos. 

Crédito: Divulgação

A ideia principal foi permitir que os espaços físicos ociosos dos hotéis fossem utilizados para gerar algum tipo de receita. A criação do room office supre uma necessidade antes não imaginada por inúmeras pessoas que não estão conseguindo se adaptar ao home office em suas próprias casas. Não se sabe hoje se o modelo tradicional dos co-working com muitos participantes sobreviverá à Covid-19; por isso mesmo, o modelo proposto pela Accor é estrategicamente pensado para durar a longo prazo também. 

As reservas são diárias (período das 8 às 20h, por valores desde R$99, com check in, check out e pagamentos todos feitos virtualmente), mas há descontos para reservas semanais e mensais e membros do programa de fidelidade ALL seguem acumulando pontos e aproveitando os benefícios de seu status. Leia mais sobre a iniciativa aqui.

Em um tempo de home office com tantas restrições, e seguindo uma tendência em que várias redes hoteleiras já andavam transformando seus espaços públicos cada vez mais em espaços para socialização e co-working, a iniciativa tem mesmo tudo para dar certo. Em princípio, a iniciativa foi planejada para durar até julho e deve abranger pelo menos 100 hotéis no país (Curitiba deve ser a próxima cidade a ter modelo implementado nas propriedades da rede), mas já há rumores de que ela possa se estender parcial e indefinidamente se for mesmo bem sucedida. 

A medida vai de encontro com outras mudanças que a rede já tinha planejado para alguns de seus hotéis. Num cenário pós-pandêmico, todos os andares térreos dos hotéis da marca Ibis, por exemplo, também devem se tornar grandes áreas comuns integradas, oferecendo diferentes possibilidades de experiências de ócio ou trabalho não apenas para hóspedes, mas também para moradores e frequentadores da região, ampliando as possibilidades de uso dos espaços físicos de cada propriedade. 

Mergulho no mundo da moda

E se moda e hotelaria já vinham há muito tempo flertando – vide tantos lobbys, suítes e amenidades assinadas por grandes grifes em diferentes propriedades -, algumas marcas resolveram aproveitar as adversidades deste período e seus hotéis estão driblando a crise durante a pandemia para fazer um mergulho definitivo nesta fusão de mercados. 

É o caso, por exemplo, da nova iniciativa dos Pellicano Hotels que, enquanto mantêm seus hotéis fechados devido à pandemia, criaram a plataforma de e-commerce e lifestyle ISSIMO. A nova plataforma foi completamente inspirada na riqueza em cultura, design e estilo italiana e promete reunir as melhores opções de compras de produtos e experiências ligados à Itália, de roupas e objetos de décor a comida e viagem. 

É possível assinar a newsletter quinzenal da ISSIMO, que contará com dicas de decoração, culinária e, é claro, moda italiana, além de dicas de viagem de todo tipo. 

Alguns dos hotéis da Pellicano Hotels devem reabrir suas portas em breve, como o icônico Il Pellicano, em Porto Ercole, na Toscana (e parte do portfólio da Leading Hotels of the World), que tem reabertura marcada para o final de junho.

Clique aqui para ler todos os nossos textos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Piscina do hotel de luxo Fairmont Rio de Janeiro, com vista para a Praia de Copacabana e o Pão de Açúcar | Foto de Carla Lencastre

O que vai mudar na limpeza dos hotéis com o coronavírus

Location, location, location perdeu a primazia entre os itens mais importantes na hora de escolher um hotel, avisou a Skift, plataforma americana de mídia voltada para o setor de viagens. Limpeza comprovada, porque até outro dia mesmo hóspedes apenas confiávamos, contará mais pontos no momento de decidir onde ficar na era pós-pandemia. O que vai mudar na limpeza dos hotéis? Restaurar esta confiança deve ser um dos novos objetivos da indústria da hospitalidade. Hotéis terão que passar por uma enorme readequação.

Um dos primeiros exemplos veio da Ásia, à frente em relação à epidemia. Singapura criou uma certificação de limpeza para a hotelaria, com novos protocolos como medir a temperatura dos funcionários e higienizar as áreas comuns com frequência maior. O primeiro hotel com o selo SG Clean, concedido depois de uma auditoria, foi o Grand Hyatt Singapore, perto da Orchard Road, principal avenida comercial da cidade. O plano do Singapore Tourism Board, órgão do governo, é certificar 570 hotéis e atrações nos próximos dois meses, chegando a milhares mais adiante. O que não quer dizer que Singapura esteja livre da covid-19. Há atualmente uma segunda onda do vírus e o confinamento foi prolongado até o início de junho.

A Associación Empresarial Hotelera de Madrid (AEHM) lançou projeto parecido, o selo Hoteles Covid Free, para o que vai mudar na limpeza dos hotéis. O nome é ruim, o vírus ainda não foi estudado o suficiente para se afirmar que um local é “covid-19 free”, mas a ideia é a mesma de Singapura: seguir procedimentos de limpeza de quartos, áreas comuns e de reuniões que dê segurança a funcionários, hóspedes e clientes.

Clique aqui para seguir @HotelInspectors no Instagram

Leia mais: Covid-19 prolonga o uso de plástico na hotelaria

Atualização: No final de abril, Portugal também criou um selo de limpeza para empresas do setor turístico. O certificado Clean & Safe (o nome é em inglês mesmo) será concedido a hotéis que atenderem a novos padrões de segurança sanitária e higiene, e terá validade de um ano. Durante este período, o governo fará vistorias aleatórias nos hotéis certificados.

Grupos hoteleiros apresentam seus novos protocolos de limpeza

Uma das primeiras grandes redes a anunciar o que vai mudar na limpeza dos hotéis foi a francesa AccorHotels. A empresa pretende lançar um selo de qualidade de higienização em parceria com o prestigioso Bureau Veritas organização internacional especializada em certificações. O projeto será apresentado à Alliance France Tourisme, ao governo francês e aos de outros países europeus. Uma vez validado, o selo poderá ser usado por outras redes e por hotéis independentes na Europa, além das propriedades do grupo Accor mundo afora, inclusive no Brasil. Como o Fairmont Rio Copacabana, o único da marca de luxo na América do Sul, inaugurado há menos de um ano e hoje fechado (foto em destaque no início do texto).

Leia mais: É seguro usar a piscina do hotel durante a pandemia de covid-19?

A Marriott International anunciou a criação de um Conselho de Limpeza Global, o Marriott Global Cleanliness Council. As regras determinam, por exemplo, o uso de desinfetante hospitalar para limpeza de superfícies e de sinalização no lobby lembrando da importância do distanciamento social.

Leia mais: Cinco inovações que vão mudar a hotelaria

O que vai mudar na limpeza dos hotéis: quarto do JW Marriot Rio, em Copacabana, antes da crise | Foto @JWMarriottRio
Quarto do JW Marriot Rio, em Copacabana, antes da crise | Foto @JWMarriottRio

Enquanto a maioria de seus hotéis permanece fechada, a Marriott adotou tarifa solidária para hospitais particulares hospedarem funcionários e prestadores de serviço; órgãos do governo e pessoas em grupo de risco que precisem de um local de isolamento. A tarifa está disponível em quase 2.500 propriedades nas Américas, entre eles o JW Marriott Rio de Janeiro; o Marriott Executive Apartments São Paulo, e o Sheraton Porto Alegre. Nos Estados Unidos, a Marriott e o grupo Hilton, outro gigante da hotelaria, fizeram parceria com o cartão de crédito American Express e cederam quartos gratuitamente aos profissionais de saúde em Nova York, Nova Orleans e outras das cidades americanas mais atingidas pela epidemia.

Atualização: No final de abril, o grupo Hilton anunciou o CleanStay, com novas medidas para garantir a limpeza e a segurança de seus hotéis. O programa ainda está sendo desenvolvido e deve ficar pronto em junho.

Novos protocolos de limpeza estão sendo adotados desde já por hotéis que permanecem abertos, inclusive os independentes. Um exemplo é o Vivenzo, inaugurado há um ano na Savassi, em Belo Horizonte. O hotel funciona com 33% da sua capacidade para receber pessoas que precisam se isolar e profissionais da área de saúde. O check-in, por exemplo, é realizado por vídeo; a arrumação diária do quarto está suspensa. Quando a acomodação é desocupada, há um intervalo de 72 horas antes da limpeza, que segue padrão hospitalar, para receber um novo hóspede. Os funcionários estão no hotel, mas é apenas virtual a interação entre eles e os hóspedes.

Atualização: Em 12 de maio, o Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC na sigla em inglês) anunciou protocolos globais para a segurança sanitária na hotelaria, entre outros setores. As medidas (em inglês) estão neste link.

Desde o início da pandemia estamos tentando acompanhar a crise o mais de perto possível no momento: lendo artigos e estudos, assistindo lives de fontes confiáveis, consultando pesquisas e conversando com especialistas para trazer análises e resumos atualizados de como o setor hoteleiro passa por este momento e do que podemos esperar. Os links para textos e notícias em primeira mão estão no Instagram @HotelInspectors.

Seguimos otimistas, sem negar a seriedade da situação. Esta semana estamos também felizes por conta de você, leitor. A oito dias do final do mês, batemos mais uma vez o recorde de audiência mensal nos dois anos de Hotel Inspectors. O crescimento (neste momento em que escrevo) é de quase 45% em relação ao mês de março, que já tinha batido recorde e registrado um aumento de 22% em relação a fevereiro. Muito obrigada pela confiança!

Clique aqui para ler todos os nossos textos sobre hotelaria e coranavírus

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel