O melhor do Brasil ?

IMG_64875 bilhões de pessoas acompanharam a cerimônia de abertura dos Jogos Rio 2016 ao redor do mundo, e o Brasil brilhou.

Foi uma festa brasileira, carioca, humana, alegre e com um público emocionado. A repercussão internacional no dia seguinte foi muito positiva, mostrando aspectos já conhecidos do Brasil, mas destacando a alegria, a música e o jeito carioca e brasileiro como autênticos, sem igual. Esse foi um passo e um momento importante em relação à imagem geral que o evento vai deixar para a imagem do Brasil. Claro que teremos muita coisa pela frente, fatos esportivos, políticos, e coisas que não imaginamos vão acontecer e repercutir. Ao final, faremos um balanço, o que ficou de fato.

O mais importante, que vi na abertura e no Rio esses dias, apesar de alguns problemas (que não vou comentar aqui), as pessoas estão amando a cidade, curtindo os Jogos, não faltam informações gerais sobre a cidade e aspectos de deslocamento e sobre o turismo. A experiência daqueles que estão vivendo os jogos é positiva, novas mensagens, valores e o espírito olímpico trazem esperança e renovação de desejos de paz.

O que ficou de lição da abertura? Os brasileiros acreditam no Brasil, os brasileiros têm uma força que brotou na sua origem de miscigenação que traz à tona os melhores sentimentos e uma vontade imensa de mudar seu país.

Pra mim, a mensagem que ficou: ACREDITAMOS MAIS EM NÓS, BRASILEIROS. O melhor do Brasil para o mundo? Os brasileiros, claro!

Cambio e o internacional

O câmbio sempre é uma variável que impacta fortemente a indústria de viagens e turismo, cenário que se observou no Brasil em 2015. Até o mês de novembro do ano passado, os gastos dos brasileiros no exterior tinham sido reduzidos em mais de 31% em relação ao mesmo período de 2014 (ano de Copa do Mundo).

Também a pesquisa do Ministério do Turismo de Intenção de Viagem, nota-se uma diminuição geral no desejo de viajar nos próximos 6 meses, mostrando que em dezembro de 2014 cerca de 35% dos brasileiros queriam viajar, e em dezembro de 2015 esse número caiu para 26,7%. Desses, 86,4% disseram preferir destinos nacionais (contra 80,2% em 2014) e 10,9% destinos internacionais (contra 17,7% em 2014).

Os dados mostram claramente os impactos do cambio no mercado doméstico, embora o desejo de viajar ao exterior permaneça no imaginário dos brasileiros. O Instituto Data Popular fez uma pesquisa que mostrou que o maior desejo não realizado em 2015  foi o de uma viagem internacional (para 65% dos pesquisados ) e mais, que 42% desejam realizar esse sonho em 2016.

Mudou o cenário, mudaram os clientes, as empresas buscam adaptar sua oferta e preços para não perder passageiros, seja para o Brasil, seja para o exterior. E os destinos internacionais, que olhavam para os brasileiros viajadores e gastadores, ainda insistem no cliente com promoções e ofertas.

Destination ou destiny

DESTINATION, seu destino, o lugar aonde você está indo. Você sai de sua cidade de moradia para trabalhar, participar de um congresso ou feira, tirar férias, descansar, ficar com a família, ir à praia. Ou ainda, você faz um tratamento de saúde, uma peregrinação. Enfim, você sai de casa e vai ser um morador temporário em outra cidade ou país por diversos motivos. Você é um turista se dormir pelo menos 1 noite e até 1 ano nesse lugar.

DESTINY, o que vai acontecer no futuro com você, algo que você não controla ou que não pode mudar por vontade própria. Uns acreditam, outros menos… Seu destino é você que constrói também não? Suas atitudes, metas, planos, opções de vida. Afinal nem tudo é tão solto ou imprevisível se você traça rumos e faz opções baseadas em seus valores e desejos de estilo de vida.

Esse pequeno trocadilho é somente para uma reflexão. Será que estamos somente vendendo ou promovendo uma feira, uma praia, uma visita, um tour, um hotel, uma paisagem para uma fotografia ? Ou deveríamos vender tudo isso e ainda, um tempo com seus filhos, alguns dias de namoro com sua esposa ou com seu namorado, dias de sol que recarregam as energias, cachoeiras que limpam a alma, florestas que silenciam a alma, uma cultura muito diferente da nossa, uma experiência que vai me transformar ?

Retorno de investimentos em marketing ?

Se fazer a promoção de um destino ou de um serviço já é uma tarefa difícil, saber aonde investir, em que públicos, que ferramentas usar, quanto investir; imagina medir os resultados dos investimentos.

No último relatório do Ministério do Turismo sobre a competitividade dos 65 destinos o ítem menos desenvolvido no Brasil é o monitoramento. O segundo menos desenvolvido é exatamente o marketing e a promoção. Lamentável, porque não adiasta ter produtos ou destinos maravilhosos se as pessoas não têm conhecimento, se o estor público não tem informações sobre os resultados das ações promocionais ou do resultado econômico da realização do turismo.

Na verdade creio que os desafíos são complexos e duplos: fazer um planejamento, atualizar dados e informações, estabelecer objetivos e metas, orçamento; e, depois, avaliar os resultados obtidos. Conhecer as tendências mundiais e locais, conhecer seu cliente, preparar o destino ou os produtos e a experiencia que o visitante teve.

 

Deu “forró” no NYT

A matéria com chamada de capa do NYT de hoje fala do forró como ritmo quente, brasileiro e que faz as pessoas dançarem.

O texto foi escrito por Larry Rohter, o famoso jornalista que disse que o Presidente Lula bebia demais em 2004 e que tive a oportunidade de participar de um debate do Miami Herald sobre o Brasil em Miami. A matéria, agora em tom favorável,  diz que o forró está invadindo as danceterias de Nova Iorque nesse verão. O texto mostra em destaque o nordeste do Brasil como origem do ritmo, conhecido como o preferido das “empregadas domésticas e dos motoristas de taxi”.

Além da presença constante no rol de músicas das discotecas de Nova Iorque, shows de forró e o Brasil Summerfest que acontece entre 21 e 28 de julho serão oportunidades para a disseminação do ritmo na cidade.

A relação da música com o turismo é um dos aspectos fortes que podem agregar valor à promoção do Brasil, especialmente do nordeste. O conhecimento de nosso país por meio da música é mencionado em todas as pesquisas realizadas com estrangeiros, mas sempre muito ligado ao samba e à MPB. Trazer o forró para a promoção é diversificar o produto turístico, mostrar mais do Brasil e de sua diversidade. Hoje, os vôos que ligam o nordeste aos EUA e as diversas ações promocionais podem ser uma de muitas opções para atrair visitantes a lazer ou ainda amplicar a permanência e o gasto de visitantes a negócios e eventos.