Podemos ou não ter mais estrangeiros ? (parte A)

Photo by Matthew Smith on Unsplash

Afinal, por que o Brasil não tem um número maior de visitantes estrangeiros? Vamos fazer alguns posts sobre o tema e adoraríamos ter as opiniões dos profissionais de turismo do país. Nossa conversa não tem cor, não tem julgamento, só busca a melhor compreensão.

Particularmente amo esse debate, porque ele parece simples, mas exige análises de diversos ângulos, depende de fatores ligados diretamente ao turismo e de outros sobre os quais não temos qualquer governança. E sua compreensão e solução, acima de tudo, depende da contribuição de diversos profissionais brasileiros que possuem experiência com o mercado internacional. Afinal, qual o objetivo de fazer esse bate papo? Atrair mais estrangeiros, gerar mais negócios para os que trabalham no setor, gerar empregos; fazer o turismo maior aliado na recuperação da economia nacional.

Vamos parar de fazer comparações esdrúxulas ou repetir versões equivocadas sobre o número de turistas que visitam a Torre Eiffel e o Brasil, ou que visitam a Espanha ou França e o Brasil; não dá para comparar, é preciso entender.


Junto com o debate do número de estrangeiros, é primordial fazer o debate sobre seus gastos nas viagens ao Brasil. Já está mais do que batido relembrar que somente o número de pessoas que chegam não pode ser um indicador de sucesso do turismo, somos nós, profissionais da área que precisamos enfocar esses aspectos. Estão espalhados pelo mundo diversos exemplos de lugares que NÃO QUEREM MAIS TURISTAS, ver sobre overtourism aqui. E ainda tem outro aspecto, os órgãos de turismo pelo planeta afora, e as empresas do setor, usam dados do passado (séries históricas) para entender o movimento temporal dos volumes de visitantes; mas o que vale hoje é antecipar a demanda, usar big data para saber sobre o futuro, planejar e manejar fluxos e comportamentos de visitantes. Na verdade, o Brasil praticamente não tem dados de séries históricas passadas sobre turismo, imagina quanto tempo levaremos para pensar e agir direcionados ao futuro.

Bem, mas aqui vai o debate. Quero iniciar com números, falando do volume de chegadas de estrangeiros ao Brasil, para nos próximos posts, falaremos dos principais temas importantes nesse problema que estamos tentando desvendar. Fui atrás dos dados existentes sobre a chegada de estrangeiros ao Brasil, que segundo o Ministério do Turismo iniciaram a ser compilados em 1989. Eis as informações que considero mais relevantes, lembrando que não vale analisar friamente o aumento de um ano para outro, o turismo trabalha com séries de no mínimo 5 e 10 anos. Números isolados podem ser chatos, mas são a base para começarmos nossa conversa; lembrando ainda, existem números e números…

  • em 1989 o Brasil recebeu 1,4 milhão de turistas e um ano depois, 1990, foi 1,91 milhão, um aumento de 22%
  • em 1995 foram quase 2 milhões
  • no ano 2000 recebemos 5,3 milhões de visitantes, aumento de 165% desde que os dados começaram a ser coletados
  • entre 2005 e 2010, ficamos na faixa dos 5,3 e 5,1 milhões a cada ano, depois começamos a aumentar em média 4% ao ano (2011 a 2013)
  • 2015: 6,3 milhões de turistas
  • 2018: 6,6 milhões de visitantes

Veja a tabela abaixo com os anos, volumes e percentuais de aumento ou diminuição. A elaboração é nossa em diversas fontes como MTUR, OMT.

Se fizermos uma média, desde 1989 até 2018, entre altos e baixos, teremos 16% de crescimento ao ano; no entanto, alguns anos deram saltos de 20%, 22% e até 33%. Outros anos, as quedas foram de 22%, 6% e 1%. A série que analisamos tem curvas ascendentes e descendentes bastante sinuosas, o que terá que nos remeter a uma análise de alguns períodos, como por exemplo: 2006 a Varig deixa de voar, e perdemos milhares de assentos no mercado internacional (-6% de turistas); em 2009 uma grave crise econômica mundial e a H1N1, caímos quase 5%. Em 2014 foi a Copa, crescemos 11%; em 2015 a diminuição de turistas foi quase de 2%. Em 2016 foram os Jogos Olímpicos, crescemos 3,8%.

Conclusão: entre 1989 e 2018 o volume de visitantes cresceu 372%, e entre 2010 e 2018 cresceu 28%. Nos últimos 4 anos crescemos 5%. Sei que são muitos dados, mas isso mostra os altos e baixos de fatores internos e externos que influenciam diretamente nos resultados do turismo do Brasil e de todos os países do mundo.

Para finalizar essa primeira compilação de dados, fizemos uma comparação do crescimento do turismo no mundo, na América do Sul e nos países emergentes no período entre 2010 e 2018. Em alguns anos, o Brasil cresceu muito mais do que a média mundial (2010, 2011, 2012, 2014 e 2016) e nos demais anos do período mencionado, muito menos do que a média mundial. O fato mais relevante nessa comparação mostra que em todo este período o Brasil cresceu menos do que a média da América Latina, isso é um dado preocupante, pois trata-se da maior economia da região com pior desempenho no turismo. Também, com anos de raras exceções, crescemos menos do que a média das economias emergentes.

Você pode nos ajudar a lembrar de fatores que influenciaram esses períodos de altos e baixos ? Tem mais informações para nos ajudar ? Compartilha aqui com a gente. P.S.: todos os textos com link abordam os temas em mais detalhes.

O melhor do Brasil ?

IMG_64875 bilhões de pessoas acompanharam a cerimônia de abertura dos Jogos Rio 2016 ao redor do mundo, e o Brasil brilhou.

Foi uma festa brasileira, carioca, humana, alegre e com um público emocionado. A repercussão internacional no dia seguinte foi muito positiva, mostrando aspectos já conhecidos do Brasil, mas destacando a alegria, a música e o jeito carioca e brasileiro como autênticos, sem igual. Esse foi um passo e um momento importante em relação à imagem geral que o evento vai deixar para a imagem do Brasil. Claro que teremos muita coisa pela frente, fatos esportivos, políticos, e coisas que não imaginamos vão acontecer e repercutir. Ao final, faremos um balanço, o que ficou de fato.

O mais importante, que vi na abertura e no Rio esses dias, apesar de alguns problemas (que não vou comentar aqui), as pessoas estão amando a cidade, curtindo os Jogos, não faltam informações gerais sobre a cidade e aspectos de deslocamento e sobre o turismo. A experiência daqueles que estão vivendo os jogos é positiva, novas mensagens, valores e o espírito olímpico trazem esperança e renovação de desejos de paz.

O que ficou de lição da abertura? Os brasileiros acreditam no Brasil, os brasileiros têm uma força que brotou na sua origem de miscigenação que traz à tona os melhores sentimentos e uma vontade imensa de mudar seu país.

Pra mim, a mensagem que ficou: ACREDITAMOS MAIS EM NÓS, BRASILEIROS. O melhor do Brasil para o mundo? Os brasileiros, claro!

Cambio e o internacional

O câmbio sempre é uma variável que impacta fortemente a indústria de viagens e turismo, cenário que se observou no Brasil em 2015. Até o mês de novembro do ano passado, os gastos dos brasileiros no exterior tinham sido reduzidos em mais de 31% em relação ao mesmo período de 2014 (ano de Copa do Mundo).

Também a pesquisa do Ministério do Turismo de Intenção de Viagem, nota-se uma diminuição geral no desejo de viajar nos próximos 6 meses, mostrando que em dezembro de 2014 cerca de 35% dos brasileiros queriam viajar, e em dezembro de 2015 esse número caiu para 26,7%. Desses, 86,4% disseram preferir destinos nacionais (contra 80,2% em 2014) e 10,9% destinos internacionais (contra 17,7% em 2014).

Os dados mostram claramente os impactos do cambio no mercado doméstico, embora o desejo de viajar ao exterior permaneça no imaginário dos brasileiros. O Instituto Data Popular fez uma pesquisa que mostrou que o maior desejo não realizado em 2015  foi o de uma viagem internacional (para 65% dos pesquisados ) e mais, que 42% desejam realizar esse sonho em 2016.

Mudou o cenário, mudaram os clientes, as empresas buscam adaptar sua oferta e preços para não perder passageiros, seja para o Brasil, seja para o exterior. E os destinos internacionais, que olhavam para os brasileiros viajadores e gastadores, ainda insistem no cliente com promoções e ofertas.

Destination ou destiny

DESTINATION, seu destino, o lugar aonde você está indo. Você sai de sua cidade de moradia para trabalhar, participar de um congresso ou feira, tirar férias, descansar, ficar com a família, ir à praia. Ou ainda, você faz um tratamento de saúde, uma peregrinação. Enfim, você sai de casa e vai ser um morador temporário em outra cidade ou país por diversos motivos. Você é um turista se dormir pelo menos 1 noite e até 1 ano nesse lugar.

DESTINY, o que vai acontecer no futuro com você, algo que você não controla ou que não pode mudar por vontade própria. Uns acreditam, outros menos… Seu destino é você que constrói também não? Suas atitudes, metas, planos, opções de vida. Afinal nem tudo é tão solto ou imprevisível se você traça rumos e faz opções baseadas em seus valores e desejos de estilo de vida.

Esse pequeno trocadilho é somente para uma reflexão. Será que estamos somente vendendo ou promovendo uma feira, uma praia, uma visita, um tour, um hotel, uma paisagem para uma fotografia ? Ou deveríamos vender tudo isso e ainda, um tempo com seus filhos, alguns dias de namoro com sua esposa ou com seu namorado, dias de sol que recarregam as energias, cachoeiras que limpam a alma, florestas que silenciam a alma, uma cultura muito diferente da nossa, uma experiência que vai me transformar ?

Retorno de investimentos em marketing ?

Se fazer a promoção de um destino ou de um serviço já é uma tarefa difícil, saber aonde investir, em que públicos, que ferramentas usar, quanto investir; imagina medir os resultados dos investimentos.

No último relatório do Ministério do Turismo sobre a competitividade dos 65 destinos o ítem menos desenvolvido no Brasil é o monitoramento. O segundo menos desenvolvido é exatamente o marketing e a promoção. Lamentável, porque não adiasta ter produtos ou destinos maravilhosos se as pessoas não têm conhecimento, se o estor público não tem informações sobre os resultados das ações promocionais ou do resultado econômico da realização do turismo.

Na verdade creio que os desafíos são complexos e duplos: fazer um planejamento, atualizar dados e informações, estabelecer objetivos e metas, orçamento; e, depois, avaliar os resultados obtidos. Conhecer as tendências mundiais e locais, conhecer seu cliente, preparar o destino ou os produtos e a experiencia que o visitante teve.

 

Deu “forró” no NYT

A matéria com chamada de capa do NYT de hoje fala do forró como ritmo quente, brasileiro e que faz as pessoas dançarem.

O texto foi escrito por Larry Rohter, o famoso jornalista que disse que o Presidente Lula bebia demais em 2004 e que tive a oportunidade de participar de um debate do Miami Herald sobre o Brasil em Miami. A matéria, agora em tom favorável,  diz que o forró está invadindo as danceterias de Nova Iorque nesse verão. O texto mostra em destaque o nordeste do Brasil como origem do ritmo, conhecido como o preferido das “empregadas domésticas e dos motoristas de taxi”.

Além da presença constante no rol de músicas das discotecas de Nova Iorque, shows de forró e o Brasil Summerfest que acontece entre 21 e 28 de julho serão oportunidades para a disseminação do ritmo na cidade.

A relação da música com o turismo é um dos aspectos fortes que podem agregar valor à promoção do Brasil, especialmente do nordeste. O conhecimento de nosso país por meio da música é mencionado em todas as pesquisas realizadas com estrangeiros, mas sempre muito ligado ao samba e à MPB. Trazer o forró para a promoção é diversificar o produto turístico, mostrar mais do Brasil e de sua diversidade. Hoje, os vôos que ligam o nordeste aos EUA e as diversas ações promocionais podem ser uma de muitas opções para atrair visitantes a lazer ou ainda amplicar a permanência e o gasto de visitantes a negócios e eventos.