Como sair perdendo no turismo internacional

Recentemente conversamos aqui sobre o desempenho do Brasil na chegada de estrangeiros em 2019 e as difíceis perspectivas para 2020 em diante. Além de estarmos juntos enfrentando a pandemia com o restante dos destinos mundiais, já entramos nessa disputa em desvantagem pelo péssimo desempenho de -4,1% no ano passado, de acordo com a OMT. A média de crescimento mundial em 2019 foi de 3,6% e nossos vizinhos como a Argentina cresceram bastante: 6,6%.

Já fiz aqui uma análise da série histórica de chegadas de turistas e da entrada de divisas com os gastos dos estrangeiros do Brasil, e hoje trago uma atualização desse cenário. Certamente o mundo irá contar suas perdas à partir de 2020, mas nós já começamos derrotados desde 2019. Na tabela abaixo podemos ver a evolução de chegadas de estrangeiros ao Brasil com 2 momentos de queda: 2006 com a saída da VARIG do mercado, que levou anos para se recuperar até que a TAM iniciou sua atuação no internacional; e 2009, que foi uma crise econômica global. Observamos também 2 momentos de aumento com a Copa do Mundo FIFA em 2014 e depois, de forma menos acentuada, com a realização dos Jogos Olímpicos Rio 2016. À partir de 2016 ficamos estáveis na casa de 6,5 milhões de turistas estrangeiros.

Nosso cenário atual, agravado pela pandemia da COVID-19, é muito pior do que a média global, já que o super competitivo mundo do turismo, com transformações rápidas e profundas nos deixa a ver navios desde 2019. Fizemos uma projeção (que vale hoje!), para o desempenho do Brasil em 2020 com base em diversos dados de chegadas aéreas até junho (1 de janeiro a 21 de junho com dados da FowardKeys), o percentual de chegadas terrestres de estrangeiros e o cenário intermediário de viagens internacionais do WTTC. Bem, posso dizer que é uma aposta bastante otimista e ao mesmo tempo com muitos questionamentos pelo fato de não sabermos como será o segundo semestre. Voltaremos a esse dado em breve para atualizar, já que o pior cenário pode os leva a uma queda de mais de 70% na chegada de estrageiros.

Outro dado ainda mais relevante é o gasto dos estrangeiros no Brasil, que tem também um desempenho péssimo, nos colocando na 46a. posição mundial na entrada de divisas com viagens internacionais. A curva de receitas cai à partir de 2014 e se mantém no mesmo patamar até 2019 (na casa dos USD$ 6 bilhões), veja o gráfico comparativo de chegadas de turistas e receitas abaixo:

É o que trago hoje para nos ajudar a ver os cenários passados e, sobretudo, nos iluminar da melhor forma para pensarmos o turismo internacional do Brasil. Você gostaria de compartilhar mais informações e análises? Comenta aqui, obrigada.

Quando o ‘Tio Sam’ nos chama

visto_euaNós profissionais sabemos bem que fazer o Turismo no Brasil tem sido sinônimo, mais do que nunca, de máximo proveito das oportunidades que surgem. Com um quadro de difícil desenvolvimento, qualquer alternativa que configure um progresso para empresas, colaboradores e para a indústria do turismo deve ser desfrutada. Recentemente, o maior evento da indústria de viagens dos Estados Unidos, a IPW anunciou que irá direcionar atenção especial para o Brasil.

De acordo com Malcolm Smith, gerente geral da IPW a expectativa é de que 2,2 milhões de brasileiros visitem os EUA, ou seja, 9% a menos que no ano passado. Ainda que o esperado seja uma redução, atrair turistas daqui para passear pelo território americano é uma das estratégias que continua em vigor. Smith também informou que a US Travel Association está empenhada em facilitar as viagens dos sul-americanos aos EUA, através de aprimoramentos na política de vistos.

Para 2020, o esperado é que o número de turistas brasileiros em solo americano seja de 2,4 milhões. Parece fácil, mas não é: o número expressa um aumento de 19% em quatro anos. A projeção para 2020 de visitantes da América do Sul é de chegar a 5,1 milhões, o que compreende a 16% de aumento.

O que podemos concluir? Que mesmo em meio à turbulência econômica nacional, ainda somos uma força da América do Sul. Em especial para os Estados Unidos, país disparadamente preferido entre os viajantes brasileiros. Os turistas brasileiros ainda produzem bastante efeito internacional. Naturalmente, manter a relação com o Tio Sam sendo um dos seus “mercados-chave” é muito importante para o turismo brasileiro, assim como a relação com outros mercados. A recuperação da oferta aérea internacional e a vinda de estrangeiros dependem também do aumento das viagens dos brasileiros ao exterior. 

Ficamos de olho. Precisamos de brasileiros indo e estrangeiros vindo. E de facilitação de vistos.

Oportunidade de promoção na Argentina

O governo argentino publicou um decreto que oficializa os feriados dos próximos três anos. O objetivo é estimular os argentinos a viajar dentro de seu próprio país, prolongar finais de semana, combater a sazonalidade e fazer com que a atividade turística possa ser beneficiada. Os feriados que cairem em terças e quintas serão substituídos por segundas e sextas.

Uma olhada especial no calendário dos principais países emissores de visitantes para o Brasil pode ser tornar uma ótima oportunidade de planejar promoções e pacotes especiais para estrangeiros que desejam visitar o Brasil. Saber antecipadamente as datas pode colaborar para um calendário promocional e ao mesmo tempo a oferta de produtos diferenciados ou mesmo a busca de novos públicos.

No caso da Argentina, maior emissor de visitantes para o Brasil, os principais destinos procurados a lazer ano passado foram Florianópolis, Rio, Foz, Búzios e Bombinhas. Seguem algumas informações sobre o perfil do argentino que visita ao Brasil:

– 79% quer sol e praia

– a motivação “natureza, ecoturismo e aventura” cresceu de 7,7% para 16% entre 2006 e 2012

– a maioria viaja com a família ou são casais sem filhos

– a idade média com maior número de visitantes está entre 32 e 50 anos

– embora a grande maioria já conheça o Brasil, em 2012 20% dos argentinos que nos visitaram o fizeram pela primeira vez

– quer se comunicar com eles? A internet e os amigos e parentes são a referência para a grande maioria

– 98% dos argentinos que viajaram ao Brasil disseram que querem voltar

E aí ? Às vezes não precisa ir muito longe para buscar novos clientes e oferecer novos produtos

(Fontes: Ministério do Turismo, Hosteltur, Governo da Argentina)

 

Performance turismo no Brasil

O turismo mundial teve crescimento de 5% nos primeiros oito meses de 2013. O resultado se deve ao ótimo desempenho da Europa na alta temporada desse verão, da Ásia e do Oriente Médio. ( Fonte: OMT – Organização Mundial de Turismo ).

Nas Américas, o bom desempenho ficou por conta da América do Norte, que cresceu 4%. Os EUA também estão entre os países que aumentaram suas receitas com a chegada de estrangeiros (+11%). As receitas também cresceram na Tailândia (+27%), Hong Kong (China) (+25%), Turquia(+22%), Japão (+19%) e Reino Unido (+18%).

Para os emergentes ficou mais uma vez o recorde de gastos em viagens ao exterior. Os chineses gastaram +31% e os russos +28%. Os brasileiros não aumentaram em número de viajantes mas tiveram gastos de +15% em suas viagens ao exterior em 2013. Os gastos dos estrangeiros em nosso país não apresentam crescimento entre janeiro e agosto.

As chegadas de estrangeiros por via aérea nos primeiros oito meses do ano no Brasil registraram diminuição de -9,5%; os primeiros quatro meses registraram grande queda, por exemplo de -28,3% em abril; já a recuperação veio à partir de maio, com destaque para julho que teve crescimento de +27,7%.

Os principais portões aéreas de entrada de turistas registram crescimento nos oito primeiros meses de 28% em Recife, +13,3% em São Paulo (Guarulhos + Viracopos),+6% em Fortaleza e de +2,3% no Rio de Janeiro. Já uma quede de -15% em Belo Horizonte, -5,7% na Bahia (Salvador e Porto Seguro) e -1,2% em Brasília ( Fonte: EMBRATUR/ Polícia Federal ).