4 razões para viajar e se tornar uma pessoa melhor

Se eu te perguntar o que significa viajar para você o que vem a sua mente ? Pode ser que você pense numa paisagem linda, em relaxar, curtir amigos e familiares ou mesmo não fazer nada. Tudo bem, viajar é isso, porém, as viagens trazem muitos mais benefícios do que você possa imaginar. Nós vamos te contar por que as viagens podem mudar a sua qualidade de vida em vários aspectos. 

Ao contrário do que normalmente pensamos, saúde não é a ausência de uma doença, mas sim um estado de completo bem-estar físico, mental e socialE aí você pode me perguntar, mas o que as viagens têm a ver com esse estado completo de bem-estar ? Tudo a ver e vou te mostrar.

Saúde mental

Vou começar com a saúde mental. Durante uma viagem saímos totalmente do nosso ambiente cotidiano: dormimos em outra cama, comemos outra comida, ouvimos outros sotaques ou outras línguas e encontramos ambientes que nos tiram da nossa zona de conforto. Esse novo lugar nos faz ter atitudes e sentimentos positivos sobre nossas crenças e nossos valores; nesse estranho universo encontramos uma nova cultura e aprendemos muito. Ao colocar os nossos 5 sentidos (visão, audição, olfato, tato e paladar) nesse novo cenário, recebemos e gravamos informações que nos forçam a fazer um esforço de memória, de compreensão e expressão. Quem nunca tentou falar uma palavra em outra língua, estranhou o paladar de uma iguaria, ouviu um som diferente de um ritmo, sentiu um cheiro gostoso no ar ou nunca viu uma paisagem deslumbrante durante uma viagem ?

Saúde emocional

Viajar também é cuidar das emoções, é aliviar o estresse, a ansiedade, cuidar da memória e sobretudo, desenvolver a criatividade e a adaptabilidade. Muitos são os benefícios emocionais que poderíamos mencionar e, provavelmente, muitos de nós já experimentamos isso e até viajamos para praticar o distanciamento do cotidiano. Eu destacaria a importância da atenção focada nas nossas companhias de viagem, ou até mesmo em nós próprios, quando a viagem é solo. A proximidade dos companheiros de viagem nos harmonizam, até naquelas a trabalho esses benefícios ocorrem na medida em que passamos a conhecer melhor os companheiros da jornada.

Saúde física

Muitos estudos também já mostram os benefícios da atividade física; durante uma viagem você não só caminha, anda de bicicleta, pratica atividades ao ar livre, mas, também, experimenta emoções que beneficiam a saúde coronária, melhoram o desempenho físico e trazem qualidade de vida. Me recordo das recomendações do médico de meu pai, que tem 80 anos, ama viajar, mas tem muita dificuldade de locomoção; ele disse: “você precisa se preparar fisicamente para viajar, é como quem faz uma maratona, treina muito antes para enfrentar o dia da corrida”. Meu pai faz atividade física todos os dias, quer estar pronto na hora de viajar, preparado para caminhar e usufruir da experiência. O corpo ainda experimenta uma temperatura diferente, um ar incomum e uma atividade que ajuda a melhorar a saúde física. Afinal, fomos feitos para estar em movimento.

Pessoas melhores

Finalmente, algo muito significativo nos dias atuais, acredito que a viagem nos torna melhores seres humanos. Conhecer uma nova cultura e o diferente nos traz maior respeito ao estranho, nos faz perceber que diferentes costumes, religiões, sabores e linguagens são histórias autênticas de seres humanos que, ao final, nos afirmam sermos todos seres humanos. Durante as viagens existe muita socialização, são experiências que nos trazem interação mais profunda com a humanidade e nos  dão uma outra dimensão do mundo. Estudo da Harvard Business Review mostra que as pessoas podem voltar das férias mais alegres, com mais energia para trabalhar e com stress reduzido.

Dicas:

Deixo aqui algumas dicas para quem quer realmente melhorar a qualidade de vida por meio das viagens. Planejar e se preparar traz ainda mais benefícios quando você estimula as vantagens que a jornada traz para sua vida nos aspectos emocionais, físicos ou sociais. Segundo Janet G Stevens (2018), inúmeros estudos demonstram que uma atitude positiva diante das viagens pode trazer resultados importantes para a sua qualidade de vida, dependendo da forma como você responde e recebe as informações e eventos que acontecem durante a sua viagem. A estudiosa afirma que você precisa viajar com uma intenção. 

A confiança em viajar vai voltar assim que as medidas de contenção da pandemia estiverem mais efetivas e o mundo experimentar a vacina de maneira mais ampla. Aproveite agora e planeje sua viagem de acordo com suas necessidades, trazendo intenções objetivas e planejando uma escapada que possa desenvolver aqueles aspectos que você considera mais importantes no atual estágio de sua vida. 

4 coisas onde o turista mais vai gastar – Parte 1

Estamos loucos para viajar. Sejam as viagens dentro do Brasil ou internacionais, as pessoas trazem uma enorme ansiedade pela primeira aventura depois da pandemia global. Embora ainda existam muitas incertezas e desafios grandiosos para saber quando será essa viagem, existe a vontade de planejar algo muito especial por parte do cliente.

Assim como a vacinação se transforma num passo condicional para essa desejada liberdade de circulação, viajar é um desejo latente cheio de novas expectativas. Vai ter aquela foto “primeira vez que viajo de avião em 2 anos”; “aquele abraço na minha mãe e no meu pai que eu não visitava desde 2019”; “enfim a tão desejada escapada para esse lugar que sempre sonhei em visitar”. Não tenhamos dúvidas de que ser vacinado ou ir a destinos onde a vacina é exigida, ou ainda, onde existe controle da epidemia, será fator decisivo na escolha do local da viagem (importante que isso não seja um fator de discriminação).

Um levantamento recente do Tripadvisor fala que a alegria de planejar a próxima viagem será mais forte do que nunca. Concordo com a avaliação de que vamos todos querer algo que seja realmente especial nas nossas próximas férias. Até aqui tudo bem, então imaginemos o tamanho da responsabilidade dos profissionais e dos destinos que vão receber esses viajantes. Responder à expectativa e ao desejo de que tudo seja perfeito, seguro e higiênico está em nossas mãos.

E sabe quais são as quatro coisas que o Tripadvisor aponta que os viajantes vão gastar mais?

  1. Gastar mais tempo escolhendo um destino 
  2. Gastar mais tempo lendo avaliações e recomendações 
  3. Gastar mais tempo selecionando a sua forma de acomodação 
  4. Gastar mais tempo buscando que tipo de atividades fazer no destino 

Se eles vão gastar mais dinheiro e pagar por segurança e uma experiência realmente sensacional vamos ver mais adiante. Mas seu tempo será gasto de forma mais minuciosa e exigente para chegar até a sua cidade, até seu hotel, voar por sua companhia aérea, desfrutar da comida do seu restaurante, fazer aquele passeio especial, visitar o património histórico e natural de sua cidade. 

Continua…..

Você precisa ver esse vídeo

O marketing e a promoção de destinos turísticos tem vivido muitas mudanças, e elas estão ocorrendo de forma extremamente rápida. Além disso, as incertezas do cenário atual e as restrições financeiras estão fortalecendo e inovando na cooperação entre diversos setores do turismo. Empresas e destinos enfrentam o desafio de se diferenciar no mundo cheio de informação e multicanais. Encontrei um exemplo que reúne diversas vertentes ao mesmo tempo:

  1. Chama a atenção dos passageiros dentro do avião naquela hora das instruções de segurança que ninguém quer mais ver ou ouvir
  2. Inova na forma de mostrar as instruções de segurança de forma dinâmica e curiosa
  3. Traz uma aliança super vigorosa para um destino já mundialmente conhecido e a empresa aérea
  4. Torna a promoção do destino atrativa e diversa (e quase obrigatória) a 104 milhões de passageiros (2019)

Veja o vídeo e entenda do que estou falando.

2021: esperança ou expectativa ?

Esperança é uma crença emocional na possibilidade de resultados positivos relacionados com eventos e circunstâncias. Expectativa é uma crença centrada no futuro, pode ou não ser realista. 

“A expectativa é volátil, enganadora e induz suas vítimas a impregnar a humanidade de promessas enquanto prepara uma desculpa para se livrar da situação. A esperança resolve, a expectativa tenta se livrar. Esperança leva a reflexão, a expectativa traz a insônia”. Não consegui achar o autor dessa citação.. perdão.

Quero centrar meus pensamentos e ações para 2021 na esperança. A melhor forma de construir o futuro é inventá-lo !

Esperança de que as ações dos empresários de turismo fortaleçam o setor e consigam sobreviver ao cenário da pandemia.

Esperança na proteção dos empregos de milhares de profissionais que transforma as viagens de nossos visitantes em experiências inesquecíveis.

Esperança que tenhamos aprendido com a pandemia de que é preciso planejar o turismo a médio e longo prazos para colher resultados duradouros.

Esperança de que a inclusão, a diversidade e o respeito sejam levados de forma sustentável pelos turistas para cada lugar que eles venham a visitar.

Esperança de que a vacinação vá trazendo de volta a confiança nas viagens e a reconstrução de um turismo ainda melhor e mais forte em cada canto do mundo.

Esperança de que o turismo irá voltar a crescer, e será mais do que isso, será melhor para os visitantes, para os moradores dos destinos e para o todo o planeta.

E sobre a expectativa? Vou deixá-la em 2020.

O que pode ajudar a vender viagens agora

O cenário ainda incerto da pandemia no Brasil e pelo mundo, faz com que as empresas precisem olhar sempre para pesquisas e dados que possam orientar o seu trabalho a cada momento, no médio e curto prazos. Uma pesquisa* divulgada pela booking.com mostrou que para os brasileiros a busca por preços acessíveis é prioridade na hora de uma viagem. Interessante destacar que as pessoas ainda esperam que as empresas de turismo ajudem no planejamento e nos planos de viagens não só com descontos e promoções, mas também com flexibilidade caso a viagem não dê certo.

Já falamos sobre flexibilidade aqui no blog e, quanto mais busco entender esse cenário nebuloso, mais entendo que a probabilidade de as pessoas comprarem viagens está relacionada à transparência de políticas de cancelamento, formas de reembolsos, multas e opções de seguro. Tudo o que representar uma barreira será um impeditivo para viajar. Parece um tanto óbvio mas, guardando a especificidade de cada setor de turismo, enquanto a confiança em viajar ainda estiver tão sensível e o ambiente indefinido, poder cancelar, remarcar e não ter custos extras me parece ser a primeira coisa que os clientes olham, além do custo-benefício da compra.

Pelos dados apresentados pela booking.com, também me chamou a atenção o fato de que as pessoas podem fazer escolhas de destinos muito mais pelo custo benefício e por valores, do que buscar adaptar o seu orçamento a um destino dos sonhos. O estudo indica que os brasileiros preferem utilizar um orçamento já disponível e fazer uma viagem a curto prazo do que economizar para fazer uma viagem incerta em outro momento. A pesquisa indica que “de 6 em cada 10 viajantes brasileiros preferem pagar imediatamente por uma viagem disponível do que economizar para uma viagem certo”.

Provavelmente um pouco de ousadia e riscos fazem parte da estratégia das empresas do setor nesse momento incerto. Vendas a curto prazo devem seguir por algum tempo. Promoções, flexibilidade para cancelamentos e, ao mesmo tempo, valores que garantam um custo benefício alto são indicadores de que a venda pode acontecer enquanto não temos restaurada a confiança em viajar (e tudo depende também da vacina e da evolução da pandemia). Compartilha com a gente as principais preocupações e demandas de seus clientes na hora de comprar.

*Pesquisa encomendada pela Booking.com e realizada com um grupo de adultos que viajou a lazer ou a trabalho nos últimos 12 meses, e que planeja viajar nos próximos 12 meses (se/quando as restrições de viagem forem suspensas). No total, 20.934 entrevistados em 28 mercados responderam a uma pesquisa online em julho de 2020.

Muita vontade de viajar com essa novidade

Confesso que estou impressionada com o novo produto que Aroldo Schultz está lançando essa semana (18 nov 2020). Roteiro de ônibus pelo sul do Brasil com alguns diferenciais que me chamaram a atenção. Quando falamos em criação de produtos e de sermos competitivos entendo que temos aqui um ótimo exemplo. Vou te contar porque considero uma iniciativa pioneira e de grande qualidade. Isso é experiência de verdade.

  1. O roteiro é permanente, sai de Curitiba, passa em diversas cidades de SC e do PR. A pessoa pode fazer o roteiro inteiro ou em partes; ou seja, pode viajar 15 dias, ou 1 ou 4 dias…. Todos os destinos do roteiro passam a ter ótimas opções de produtos;
  2. Tudo na viagem é aprendizado, novidade, detalhado e pensado para conhecer a cultura de cada estado de forma original e autêntica. Paisagens incríveis (somente diurnas) e muito conhecimento com especialistas que trarão curiosidades, história, tradições e ótima gastronomia;
  3. Muitas experiências inéditas como a nova plataforma de vidro de Canela no Vale da Ferradura; o cemitério de gatos de Blumenau; vinícolas familiares e cidades de imigrantes em Treze Tílias, Blumenau;

Bem, te convido a conhecer mais no podcast que gravei com Aroldo aqui. Depois me conta que outros aspectos você destaca nessa novidade. Também tem o site para os agentes de viagens aqui. Garanto que vai dar vontade de ir, e de vender a seus clientes.

Como reconstruir o turismo para o futuro

O turismo, setor que depende fundamentalmente da mobilidade das pessoas, foi fortemente impactado pela pandemia de Covid-19, que obrigou a interdição de fronteiras e viu fechada a totalidade dos destinos mundiais. Uma das principais atividades econômicas do mundo, responsável por um em cada dez empregos e gerador de 10,3% do PIB global[1], experimenta uma crise sem precedentes. O cenário brasileiro não diverge do que acontece globalmente.

Mas, justamente pela relevância do setor para a economia, e pelo grande potencial inexplorado do país, é preciso um esforço articulado, público e privado, para garantir a sobrevivência e a recuperação do turismo. 

Trago para o debate quatro pontos que considero os principais desafios para essa reconstrução. 

COMPETITIVIDADE – No ambiente de crise e cenário de recuperação lenta do turismo, o Fórum Econômico Mundial (WEF) aponta aspectos essenciais que nosso país precisa cuidar: ambiente de negócios; infraestrutura; segurança e proteção; capacitação e qualificação de mão de obra; abertura internacional e priorização do turismo nas políticas públicas. Hoje o Brasil ocupa a 32ª posição no ranking de competitividade do turismo do WEF, caímos 5 posições entre 2017 e 2019.

SUSTENTABILIDADE – Só existe atividade econômica do turismo em lugares em que o patrimônio natural e cultural são preservados. A experiência do visitante está cada vez mais ligada a uma relação legítima e sustentável com o destino visitado. No Brasil, transformar esse enorme potencial em atividade econômica que gera renda, empregos e impacta a imagem do país fortemente demanda estratégia, planos e políticas públicas sistemáticas e contínuas.

EMPREGOS – Mesmo diante dos rápidos e profundos avanços tecnológicos, o turismo ainda é uma das atividades que mais geram empregos. Além das ocupações diretas vindas da hotelaria, alimentação, aviação, eventos e todo tipo de serviços, ainda se destacam muitas atividades indiretas na agricultura, manufaturas, provedores de bens e serviços, entre outros. Antes da crise desse ano, aqui no Brasil, os empregos diretos e indiretos do turismo chegavam a quase 7,4 milhões segundo o World Travel & Tourism Council (WTTC)[2].

Ainda segundo a Organização Mundial de Turismo (OMT), podem estar em risco cerca de 120 milhões de empregos diretos no mundo[3]. No Brasil foram cerca de 446 mil postos de trabalho perdidos entre março e julho, segundo a CNC[4]. Ou seja, a recuperação sustentável do setor pode dar uma contribuição inestimável em um país que enfrenta desemprego e desalento recordes.

PROMOÇÃO – Em uma atividade econômica tão significativa, a disputa por mercado (por turistas), é acirrada. Os países em todo o mundo têm investido centenas de milhões de dólares para “vender” seus destinos, construir imagem e sustentá-la, como um ativo econômico prioritário. Estimular os brasileiros a conhecerem seu próprio país num momento de dólar alto e trabalhar um posicionamento de imagem do Brasil no exterior são investimentos essenciais para que as pessoas viajem. 

Recuperar a confiança nas viagens é uma tarefa de toda a indústria do turismo e das lideranças públicas. A EMBRATUR, que por legislação, só irá cuidar de nossa imagem internacional seis meses depois de acabada a pandemia, necessita traçar um plano e posicionamento de mercado, garantindo a volta da presença de produtos turísticos brasileiros nos mercados emissivos internacionais. É preciso lembrar ainda que o nosso país já entrou na corrida global pós-pandemia em desvantagem, com uma queda de 4,1% na chegada de visitantes estrangeiros (2019), enquanto o mundo cresceu 3,6%. 

Se até agora as viagens domésticas já mostram sinais importantes de retorno, os reais avanços só podem se consolidar com a preservação dos nossos bens culturais e naturais; cuidados com nossa imagem e um olhar para esses desafios em forma de medidas planejadas e eficazes.

Artigo original publicado no Bússola Época em 11/11/2020.


[1] https://wttc.org/Research/Economic-Impact

[2] https://wttc.org/Research/Economic-Impact

[3] https://www.unwto.org/tourism-and-covid-19-unprecedented-economic-impacts

[4] https://economia.uol.com.br/noticias/estadao-conteudo/2020/09/11/turismo-tem-perda-de-faturamento-de-r-183-bi-na-pandemia-e-446-mil-vagas-a-menos.htm

Últimos dados do internacional – OUT 2020

Dados são essenciais para pensar o futuro do turismo nesse cenário ainda nebuloso. Trazemos um vídeo com os últimos dados da OMT e da Fowardkeys sobre o mundo e o Brasil. Também falamos de projeção para 2020 e dos impactos que a economia global sofreu com a não realização de viagens.

Se quiser saber mais sobre o turismo internacional para o Brasil pode acessar esses posts: Perdas do Turismo, Histórico de chegada de estrangeiros no Brasil e consequências para o futuro pós pandemia.

A resiliência do doméstico

O atual cenário de viagens domésticas e internacionais traz uma série de riscos e oportunidades para nosso setor. As projeções de estudos globais mostram uma queda média da demanda global de viagens em cerca de 57%; sendo as domésticas previstas para voltar aos índices de 2019 em 2022 e as internacionais somente em 2024 (Oxford Economics, Julho 2020). Essas projeções são uma média e existe um passo diferente em cada país e continente, além de uma recuperação geral mais lenta do que os primeiros estudos indicavam. As viagens internacionais devem cair cerca de 64% nas Américas, e no Brasil cerca de 46% esse ano.

Um relatório da Tourism Economics/ Oxford Economics, publicado em junho analisa que a resiliência da demanda por viagens está vinculada à viagens domésticas ou a mercados de curta distância. Os custos dos deslocamentos, as restrições de fronteiras e as opções de transportes, dentre outros fatores, são variáveis que influenciam essa demanda. Trazemos aqui uma análise mais detalhada sobre o Brasil diante dessas perspectivas na busca de entender novas oportunidades e identificar riscos.

A Tourism Economics mapeia dois índices e os cruza para obter uma análise, são eles: de Resiliência Doméstica (1) e o de Resiliência de Viagens Curtas (2). Baseando-se nos dados de demanda de 2019 é identificado o percentual de viagens domésticas (1) frente ao total de viagens da população, depois o percentual de viagens entre países vizinhos (2) e os dois são combinados e somados outros fatores, gerando o Índice Potencial de Viagens. No caso do Brasil, para o item 1 somos o país mais resiliente junto com EUA, China e Japão; no item 2 também estamos acima da média mundial, o que nos leva a um índice bastante alto, acima da média mundial.

O estudo cruza ainda diversas informações e mostra, com base em dados, que o Brasil tem uma grande capacidade de resiliência. Esses indicadores são, também, avaliados com os fatores que mencionamos acima, como restrições de viagens, fronteiras fechadas ou até substituição de mercados emissores devido ao cenário ainda nebuloso (aqui alguns dados sobre a situação em alguns países da América Latina).

O Brasil tem hoje uma grande oportunidade de crescer no mercado doméstico, e tem alta resiliência no próprio doméstico e nas viagens de curta distância

Transformar essas oportunidades em realidade por aqui, além de muito trabalho e cooperação, deve considerar fatores externos como a própria situação da pandemia, a crise econômica e as dificuldades por que passa o setor de turismo para enfrentar o atual momento com um longo período de recuperação pela frente. Monitorar e acompanhar a evolução de diversos fatores macro-econômicos será fundamental para seguir no caminho de estímulo a viagens.

Muitos estudos já comprovam a preferência dos brasileiros pelas viagens dentro do país no momento atual e pós-pandemia, e uma pequena parcela que mantém a vontade de ir ao exterior. As projeções de pequenas viagens regionais já iniciam em algumas regiões do país, e as empresas de turismo seguem firmes nos cuidados para viagens seguras conforme regras e protocolos bastante rígidos. Vamos acompanhando.