3 rotas para o turismo sobre coronavirus

Photo by Waldemar Brandt on Unsplash

O recente período quem que vivemos do surto de coronavirus na China e no mundo ainda nos traz muitas incertezas, e os impactos negativos na indústria do turismo já são imensos, como tratamos aqui nesse post. Mas eu considero importante engajar nossa indústria como parte da administração e da solução para o grande problema, alertando sobre danos maiores e buscando alternativas para ajudar hoje e amanhã nosso setor a superar tal episódio. Compartilho então 3 temas para nossa reflexão:

1 – Informação clara e atualizada: Para que não haja uma corrida sem medidas de cancelamentos de viagens, maiores dados em muitos países, é essencial que as entidades de turismo mundiais e locais, assim como lideranças e especialistas em turismo repassem informações claras e atualizadas sobre a disseminação da doença, formas de prevenção, recomendações básicas de higiene e dados precisos sobre o desenvolvimento da doença e seus desdobramentos. Sugerir que as pessoas leiam e divulguem dados oficiais e fontes sérias, nunca boatos e fontes desconhecidas, evita a propagação de mentiras e a criação de pânico desnecessário; além de preconceito ou visões distorcidas sobre os turistas chineses.

2 – Administração de crises: Essa não é a primeira nem a última crise que o turismo enfrenta em nível global ou até em pequenos destinos, por isso, é fundamental que os governos e entidades estejam preparados com ferramentas de relações públicas e protocolos a seguir para momentos de crise. Sei que isso é muito raro no turismo brasileiro, mas como há uma tendência de períodos turbulentos pela frente, principalmente ligados ao aquecimento global ou crises sociais (como estamos enfrentando em diversos países na América do Sul e que já diminui em 3% a chegada de estrangeiros) precisamos ampliar nosso entendimento diário sobre as consequências de temas macro em nossa indústria, entender como funcionam e impactam e, sobretudo, saber tratar de forma profissional, imediata e segura. Nossas equipes de imprensa e relações públicas precisam estar sempre preparadas e agir de forma rápida diante dos cenários adversos.

3 – Resiliência: “A resiliência é a capacidade de o indivíduo lidar com problemas, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas – choque, estresse, algum tipo de evento traumático, entre outros. Sem entrar em surto psicológico, emocional ou físico, por encontrar soluções estratégicas para enfrentar e superar as adversidades. Nas organizações, a resiliência se trata de uma tomada de decisão quando alguém se depara com um contexto entre a tensão do ambiente e a vontade de vencer. Essas decisões propiciam forças estratégicas na pessoa para enfrentar a adversidade” (Wikipedia). Nossa indústria é resiliente, resistente à crises e se recupera rápido em períodos de turbulência; nesse sentido, ter sempre em mente a autoconfiança e o foco voltado para a administração das adversidades e de sua solução é o caminho mais adequado.

Vamos acompanhar e compartilhar o assunto, buscando ter uma dimensão clara de sua repercussão, conhecendo seus reais impactos e trabalhando para que tudo possa voltar à normalidade o mais breve possível. Segundo estudo do WTTC, as crises provocadas por problemas sanitários no mundo e estudadas pelo setor de turismo, tiveram, em média, 19,4 meses para se recuperar, podendo esse período variar entre 10 a 34,9 meses. Seguimos de olho.

Published by

Jeanine Pires

Professora e empresária, tem 19 anos de experiência em turismo e eventos. Diretora da Pires & Associados e da MATCHER Travel Business.Suas principais atividades são a realização de Planos de Marketing de Destinos Turísticos e palestras no Brasil e no exterior. Presidiu a EMBRATUR de 2006 a 2010, onde também foi Diretora de Turismo de Negócios e Eventos. Liderou o trabalho de promoção do Brasil como destino turístico no exterior, os programas de captação de eventos internacionais e a agenda de promoção do Brasil de 2003 a 2010. Participou da elaboração do Plano Aquarela - Marketing Turístico Internacional do Brasil em 2005 e também coordenou sua versão para 2020. Nos Convention & Visitors Bureaux de Maceió e Recife como diretora executiva, desenvolveu os programas de marketing de lazer e eventos para aquelas cidades entre 1997 a 2002. Esse blog reflete opiniões pessoais e não tem qualquer vínculo institucional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *