menos para as mídias sociais na busca de informações em viagens?

Uma surpresa a ser mais explorada a afirmação do IPK essa semana sobre a menor relevância das mídias sociais na escolha de destinos turísticos. Além de ser uma opção de menor escolha para os pesquisadores de viagens, também mostra que ainda permanece relevante a pesquisa em sites de operadores.

Há 10 anos, em todo o mundo, 46% das pessoas recorriam à internet como fonte de informação na decisão e organização de sua viagem. Sabe quanto é hoje? 82%, quase unanimidade. Mas que internet? Aonde? Muito se fala sobre o papel do marketing digital, ótimo, e das mídias sociais como grandes impulsionadores das buscas para viagens. Será que isso não é bem assim?

O informe do World Travel Monitor 2018, feito pelo IPK, diz alguns meios tradicionais e os intermediárias ainda são relevantes. Em pesquisa realizada em cerca de 90% dos mercados emissores pelo mundo, foram identificados os locais na internet em que as pessoas mais fazem buscas de informações para viagens, e os sites ganham. Os mais usados, em múltiplas escolhas, são de hospedagem (45%); destinos (37%); cias aéreas (32%); reservas on-line como Booking e Expedia (26%); opiniões como TripAdvisor (20%), operadores de turismo (19%) e redes sociais (19%).

Ok, mas quais são essas mídias sociais? Importante saber para ver aonde vamos apostar nosso conteúdo e nosso dinheiro: blogs de viagens, fóruns de viagens e redes sociais como Facebook e Instagram. Também o relatório aponta quais seriam os outros lugares, além da internet, que as pessoas buscam informações, e permanecem fontes que conhecemos há tempo: 33% nas agências de viagens; 27% com amigos e parentes; 13% em guias de viagens e 8% na imprensa, TV e rádio.

Opa! Ainda precisamos então levar em consideração duas coisas que parecem ainda ser relevantes em nossa indústria quando se trata de conteúdo, de informação, de subsídios para vendas e promoção de destinos. Primeiro são os intermediários, operadores e agentes de viagens continuam como meios importantes na informação, e claro, na venda; o segundo são as pessoas, guias de turismo e a tradicional mídia (com menos importância do que as demais fontes). Quais os canais usados por sua empresa? Você concorda que o marketing é on-line, mas também off-line no que diria Kotler para o marketing 4.0?

Algumas lições de Instagram para o Turismo

Exemplo de conta em que as imagens “conversam”, dando uma consistência ao tema. (Fonte: Instagram)

O Instagram tem sido um tema comum aqui no blog, já que, como profissional do turismo atuando em marketing de destinos, tenho visto o boom do aplicativo como uma ferramenta de divulgação e acompanhado o seu impacto no nosso setor.

Já falei aqui sobre a “instagramabilidade”no Turismo, a repercussão que a popularidade de um destino no app traz para os adultos até 30 anos e a lista dos 10 destinos mais populares, segundo o próprio Instagram. Hoje trago algumas lições (inspiradas em conteúdos da rede de gerenciamento Hootsuite) que a rede social pode trazer para nós do turismo, tanto no marketing de destinos como para o branding.

Lição 1 e base de tudo: não basta apenas ter uma conta.
Assim como em qualquer rede social de grande alcance, possuir uma @ no Instagram não é sinônimo de visibilidade. Com mais de 500 milhões de usuários, pode ser difícil se destacar na multidão. Possuir um planejamento, observar o calendário sazonal, ter boas imagens, trabalhar na publicação de vídeos e divulgar a @ para o público alvo já é um bom começo.

Estabelecer o tema e dar consistência às imagens não são tarefas fáceis de fazer, mas vale a pena levar um tempo extra para manter um estilo no feed. Concentrar todas as imagens no mesmo filtro ou até paleta de cores “remove o jogo de adivinhação, dá identidade e mantém os usuários voltando à sua página inicial”, segundo o Hootsuite.

Outra dica é utilizar sua grade no Instagram para atrair seus clientes: cada usuário possui suas imagens dispostas em três grades; “brincar”com o layout, dividindo a imagem na grade, pode ser uma ferramenta útil. Claro que é preciso planejamento de detalhes e de design, mas quando feito corretamente gera impacto nos usuários.

Uma lição valiosíssima é o cuidado com o overposting. Postar inúmeras fotos no mesmo dia, sobrecarrega o feed dos usuários e aborrece os seguidores, que não conseguem acompanhar publicações de outros perfis. O overposting no Instagram nunca é positivo e pode trazer repercussão negativa e perda de seguidores do perfil.

Usar a hashtag #TBT não é exclusividade de perfis pessoais! É possível utilizá-la para criar consciência a respeito da sua empresa, promover o tema abordado, evolução do produto ou trazer algum fato histórico que esteja relacionado ao seu perfil.

Criatividade é a palavra de ordem na rede social. Considerar promover marcas e destinos no Instagram é atividade imprescindível em 2018, já que o aplicativo integra as tendências deste ano. Seguimos acompanhando.

A “instagramabilidade do Turismo”

Falei aqui sobre como o uso dos smartphones tem transformado a forma como viajamos e como as empresas de turismo se comunicam e, entre as principais tendências dos dispositivos móveis, estão as redes sociais. Dos app das redes, o Instagram ganha a popularidade dos millennials e vem sendo alvo de pesquisas de marketing, administração, comunicação e também do turismo.

De acordo com a pesquisa da empresa de seguros domésticos inglesa Schofields Insurance, 40% dos adultos entre 18 e 33 anos escolhem seu destino de viagem com base no que já podemos chamar de “instagramabilidade”, ou seja a popularidade de um destino ou o seu potencial de popularidade na rede social Instagram.

Foram entrevistados mais de 1000 adultos millennials do Reino Unido e o resultado é que as “férias instagramáveis” foram o principal motivador na decisão final do destino. A ideia base é que: se um lugar parece ser legal no Instagram e é popular na rede social, ele provavelmente é legal mesmo.

Após a popularidade na rede social, as questões mais observadas foram: custo / disponibilidade de álcool (com 24%), desenvolvimento pessoal (22%), experimentar a cozinha local (9%) e oportunidades de passeios (3%).

Mas o instagram nem sempre mostra toda a história: por trás de uma refeição maravilhosa feita à beira-mar em Positano, pode-se ter uma hospedagem desconfortável e deteriorada. E aí entra outra moeda valiosa da rede social para o turismo: o compartilhamento. Onde os próprios turistas mostram no Instagram a experiência, o tratamento, aposentos, rotas, preços e serviços.

Esse compartilhamento é também levado a sério pelos millennials, que podem basear suas escolhas de acordo com o que é compartilhado na rede.

Na competitividade da indústria, a inserção de um destino e a busca pela sua “instagramabilidade” se torna quase inevitável e nos faz experimentar também as redes sociais. Acompanhar hábitos sociais é parte intrínseca do Turismo: o setor se transforma a medida que nos transformamos também.

(Veja também: Os 10 lugares mais presentes no Instagram)

Os 10 lugares mais presentes no Instagram

Sabemos que o Instagram pode ser, de maneira geral, uma ferramenta poderosa de posicionamento de mercado e, no Turismo, a força que ele exerce é ainda mais notável devido ao compartilhamento digital de imagens de destinos pelos turistas.

O Instagram revelou uma lista dos lugares mais “Instagramados” de 2017 ao redor do mundo. Os resultados não surpreendem tanto, afinal desde 2010 estamos dando double tapping em registros de lugares na rede social.  Confira os 10 locais mais geotagged no planeta:

1. Disneyland, Anaheim, EUA
“O lugar mais feliz na Terra” está no topo da lista como a localização mais geotagged de 2017.. Com 89 atrações clássicas, a Disneyland é relativamente menor do que a sua homóloga da Flórida, porém tem a distinção de ser o único parque temático Disney construído e projetado pelo próprio Walt Disney.

2.Times Square, New York, EUA
No que diz respeito à fotografia Insta-travel, New York é o destino dos destinos. No coração da grande cidade no cruzamento da Broadway e Seventh Avenue, você encontraa famosa Times Square. Com as luzes brilhantes, letreiros enormes e grandes atrações, não é nenhuma surpresa que a Times Square esteja na lista.

3. Central Park, New York, EUA
Outra localização muito instagramada da cidade de Nova York é o Central Park. O trecho de vegetação de 843 acres fornece o cenário ideal de estátuas, lagos e monumentos para a postagem perfeita do Instagram.

4. Torre Eiffel, Paris, França
É muito certo dizer que a Torre Eiffel é o marco mais reconhecível em Paris. Este farol grande e brilhante tem 303 metros de altura e tem vista para a Cidade das Luzes e todas as suas maravilhas. À noite, as luzes da torre estão ligadas, tornando-se instantaneamente um local incrível, ideal para que viajantes capturem a beleza do monumento.

5. Tokyo Disney Resort, Tóquio, Japão
Mesmo com outros cinco parques temáticos da Disney, este Tokyo Disney Resort ainda atrai milhões de visitantes de todo o mundo e eles certamente publicam suas fotos. O resort, que abriu de volta em 1983, é tão mágico quanto os outros parques Disney, por isso é impossível não tirar uma foto para o Instagram

6. Disney’s Magic Kingdom, Orlando, EUA
A magia instagramada continua com o Disney Magic Kingdom em Orlando, na Flórida. Este parque recebe mais de 20 milhões de visitantes e certamente vale a pena visitar e registrar o passeio. É um dos preferidos dos usuários da rede social por alguns motivos e um deles é o Castelo de Cinderela.

7. Musée du Louvre, Paris, França
Embora muitas das imagens postadas sejam de obras de arte famosas no Museu do Louvre, também há muita apreciação pela pirâmide e palácio. Entre a Monalisa, Vênus de Milo e os Jardin des Tuileries nas proximidades, não é de admirar que o Louvre tenha sido marcado por turistas de todo o mundo.

8. Brooklyn Bridge, Brooklyn, EUA
Apontada como a “Oitava Maravilha do Mundo”, quando fez sua estréia em 1883, a Ponte do Brooklyn é o local perfeito para ocupar a paisagem do centro de Manhattan e do Brooklyn. Esta ponte histórica foi a primeira ponte suspensa de fio de aço no mundo.

9. Disney California Adventure Park, Anaheim, EUA
Parece que nenhuma viagem para a Califórnia está completa sem uma visita à Disneyland. O Disney California Adventure Park abriu em 2001 e, desde então, recebeu mais 17 milhões de visitantes mundiais e um lugar nesta lista. Neste parque, os visitantes comumente estão postando fotos com amigos na frente da Mickey’s Fun Wheel ou aderindo a tiros do Red Car Trolley.

10. Las Vegas Strip, Las Vegas, EUA
Graças à abundância de hotéis e cassinos, a Strip de Las Vegas completa a lista dos 10 lugares mais presentes no Instagram, em toda a sua vibrante glória e luzes infinitas.

*Conteúdo adaptado de The Points Guy

Como sua empresa se comporta nas redes sociais?

Graças às redes sociais, hotéis, serviços de turismo e destinos nunca foram tão expostos quanto são agora. Há um diálogo constante entre consumidores e empresas nesse terreno e o posicionamento das diversas áreas do turismo deve ser sim, alvo de atenção! O planejamento do comportamento em mídias sociais como Instagram, Facebook, Twitter, LinkedIn e outros é uma das ferramentas mais eficazes para divulgação orgânica (espontânea).

Pensando nisso, trago aqui uma breve compilação (oriunda do desenvolvedor de pesquisas Clutch.co e outros artigos online) de 4 dicas práticas e simples que são pilares para o desenvolvimento estratégico no solo das redes sociais. Vale a pena dar uma conferida!

  1. Invista no relacionamento: Certifique-se que a sua empresa/marca está ativa nas redes sociais. Identifique o que há de mais memorável e os pontos fortes dos seus serviços lembrando sempre que o que é oferecido nas redes sociais deve condizer com o que é entregue pela sua marca. As redes sociais acabam tornando-se um “SAC virtual”, onde futuros clientes perguntam sobre preços, viabilidade e disponibilidade, entre outras dúvidas. É importante estar atento e responder sempre com cordialidade, para que a repercussão da imagem da marca seja positiva.
  2. Comunique-se visualmente e com objetividade: Uma das tendências dos novos viajantes é a objetividade. Nas redes sociais, um texto claro e direto vale ouro. Não há necessidade de floreios, principalmente se a legenda vier acompanhada de uma boa imagem. Aliás, a imagem é o que fica em primeiro plano nas mídias sociais e, por isso, deve ser pensada com carinho, levando-se sempre em consideração a conexão do conteúdo com a marca. Não dá pra postar foto de “Bom dia” com bonecos de desenho animado em uma rede social de hotel, por exemplo; ao invés disso, dá pra tirar uma foto da paisagem do hotel ao nascer do sol ou do destino em que ele se encontra ou mesmo do café da manhã que ele oferece. Lembrando sempre: não crie expectativas que não podem ser cumpridas.
  3. Encare as redes sociais como um canal de vendas: Estar ativo nas mídias sociais não quer dizer apenas que sua empresa aderiu à “modinha”. As redes sociais devem ser vistas como uma ferramenta valiosa de divulgação do seu serviço e que agrega valor à imagem da sua marca no meio virtual. Uma postagem bem elaborada e bem direcionada em uma rede social pode obter mais efeito positivo do que uma publicidade, por exemplo.
  4. Um profissional faz toda diferença: Para ter resultados efetivos, a ajuda de um profissional deve ser sempre considerada. Seja em consultoria ou na criação dos conteúdos, o direcionamento estratégico de um profissional qualificado pode ser um diferencial no posicionamento da sua marca/empresa nas redes sociais.

Como a sua empresa/marca tem se posicionado nas redes sociais? Que outra dica pode ser valiosa na hora de iniciar o relacionamento com futuros e antigos clientes nas mídias? Compartilhe.

Turista brasileiro: o rei das redes sociais

turista-brasileiro-selfieMesmo trabalhando com viagens, você é do tipo de turista que não perde de postar um clique nas suas redes sociais? Então você faz parte da estatística de que o turista brasileiro é o que mais partilha fotografias de viagens nas redes. O dado é da momondo, buscador de passagens aéreas e reservas de hotéis.

Para a pesquisa, foram analisados os hábitos de viagens de turistas de 20 países diferentes; sendo observado que 58% dos viajantes do nosso país publicam postagens enquanto realizam os passeios. Se restringimos a pesquisa a jovens brasileiros entre 25 e 35 anos, o dado chega a 70%.

Os números são bastante expressivos, principalmente se considerarmos que a Bélgica e a Dinamarca, países em última colocação neste ranking, possuem 16% de turistas que afirmam compartilhar suas viagens em tempo real.

Entre nossos conterrâneos, a rede social mais utilizada para publicação de fotos de viagens é o Facebook, usado por 90% dos turistas daqui, em seguida vêm o Whatsapp, com 72%, o  Instagram, com 52%  e o Twitter, com 34%. A famigerada e, ainda assim, pouco pesquisada rede social Snapchat não entrou na pesquisa.

Com uma conectividade tão evidente, é de se esperar que o turista brasileiro também valorize um bom WiFi disponível. A pesquisa revelou que o Brasil também é o que mais aprecia o serviço: 97% dos entrevistados brasileiros acreditam que o WiFi é importante, principalmente em hotéis, aeroportos e restaurantes. Em último lugar neste quesito, ficaram a Áustria e a Alemanha, países em que apenas 21% de entrevistados priorizam a disponibilidade de WiFi em estabelecimentos.

O poder das redes sociais

Durante as Olimpíadas Rio 2016, comentei aqui no blog sobre a força das redes sociais e a expressiva presença dos brasileiros. Com poder de gerar interação de personalidades, formar opinião ou trazer à tona fatos, o conteúdo deste tipo de mídia não pode ser ignorado e deve sim ser usado como estratégia de fomento de turismo.

Quanto mais o tempo passa, mais temos evidências de que, com o brasileiro reinando quase que soberanamente nas redes, essa responsabilidade é ainda maior por aqui. Ignorar a essencialidade da presença de promoção de turismo nas redes sociais é ignorar também a presença dos próprios turistas, e mais: arrisco dizer que é uma forte recusa ao desenvolvimento de marketing e às novas práticas do turismo que se estabelecerão, com ou sem o nosso consentimento.

 O desafio dos destinos

O maior desafio dos destinos para desenvolver um marketing eficaz e de resultados, não é somente desenvolver um site bem estruturado ou estar presente nas redes sociais: é necessário estabelecer uma política contínua de conteúdo de imagens e vídeos que tragam interatividade, ao mesmo tempo em que promovem o destino. Cativar, ser ativo nas redes e interagir com clientes em potencial é essencial e exige planejamento e dedicação.

Compartilhando e curtindo na Copa

Muito faladas e ainda pouco exploradas ou mensuradas no turismo, as redes sociais estão batendo todos os recordes durante a Copa do Mundo FIFA.
No Twitter, cerca de 300 mil tuites feitos em 15 dias de evento, o dobro dos 16 dias dos Jogos Londres 2012.
Ainda no Twitter, os 3 perfis de lugares (cidade, país, restaurante, shopping, centro cultural) que mais cresceram em junho no Brasil (Embratur), CCBB Rio e Veja Rio. Crescimento à partir do início da Copa (pesquisa Pires & Associados).
Nos estádios, foram 32 milhões de fotos enviadas durante os jogos e 31,7 milhões de comunicações de dados como emails, mensagens muntimídia e imagens (dados SindiTelebrasil)
Qual o feito disso no melhor conhecimento do Brasil e na qualidade da experiência dos estrangeiros e brasileiros em viajem ?

Somos jovens

IMG_0225A WYSE  ( World Youth Student & Educational ) Travel Confederation realizou pesquisa mundial entre jovens viajantes de 16 a 29 anos. A entidade representa operadores do mundo inteiro focados no segmento de viagens de jovens.

O estudo identificou três comportamentos comuns aos jovens viajantes:

1. O preço é fundamental na decisão de compra, mas a capacidade de fazer reservas online por meio de dispositivos móveis é fator decisivo no comportamento cotidiano;

2. A grande maioria ( mais de 70% ) fazem consultas sobre críticas e comentários de outros viajantes antes de realizar suas escolhas

3. A enorme diversidade de meios de comunicação usados durante a viagem vem crescendo de forma vertiginosa, e as redes sociais estão no topo da lista.

Outros estudos mostram que todos os segmentos de consumo de viagens também utilizam as redes sociais, principalmente  Facebook, Twitter e o Instagram. As pessoas estão envolvidas com as redes sociais em seu cotidiano, então faz muito sentido que esse comportamento aconteça quando elas estão em viagens. E aqui, mais uma vez, as recomendações e críticas têm grande peso nas decisões.

Facebook e inspiração

Quer atrair americanos para seu hotel, atração ou destino? Então me diz, como está seu Facebook?

Uma pesquisa da Allianz Global Assistance USA mostra a disposição dos norte-americanos para fazer viagens nesse verão. É claro que a grande maioria vai pegar a estrada. De qualquer forma, existe uma confiança maior entre esses consumidores para viajar do que existia ano passado. Para as viagens internacionais, um incremento das vendas é notado rumo à Londres, para os Jogos Olímpicos.

Mas o que chama a atenção é a inspiração para as viagens, que vem das mídias sociais, especialmente do Facebook. A popularidade desses mecanismos para buscar informações cresce de forma surpreendente, 52% usam as mídias sociais antes de viajar para buscar inspiração. O Facebook é usado por 3 em cada 10 viajantes  (29%), assim como outras ferramentas como o TripAdvisor (14%) e o Twitter (6%).

O interessante é que mesmo sem estar planejando viajar, principalmente usuários entre 18 e 34 anos usam as redes para buscar informações sobre possíveis ou já agendadas viagens.

Tenho atuado bastante no TripAdvisor, e sempre recebo relatórios deles sobre quantos usuários leram meus comentários sobre hotéis analisados, e os americanos são campeões nessa leitura. Veja abaixo: