Receita e despesa em baixa

Os dados de receita e despesa dos estrangeiros no Brasil e dos brasileiros no exterior, respectivamente, já consolidam um ano ruim nos dois sentidos para o turismo. A comparação com o ano da Copa, o desempenho econômico do país e a taxa cambial são os fatores que mais contribuem para esses resultados.

Os dados divulgados hoje (22/09/15) pelo Banco Central mostram que em agosto os estrangeiros gastaram US$ 436 milhões no Brasil, isso significa uma queda de 11,73%; de janeiro a agosto, o acumulado é negativo em 20,88%. Em parte era esperado um desempenho ruim de junho e julho por causa da realização da Copa do Mundo em 2014, que certamente iria influenciar os resultados negativos desses dois meses; mas o fato é que todo o ano é negativo (somente o mês de março apresentou crescimento de quase 3%).

No lado dos gastos dos brasileiros no exterior, os dados no acumulado do ano são maiores, uma queda de 25,13% de janeiro a agosto. O mês de agosto registrou uma queda de 46,27%, a maior do ano de 2015. Também nesse caso, todos os  meses tiveram desempenho negativo em relação a 2014, somente o mês de fevereiro registrou um aumento de 6,5% nos gastos dos brasileiros lá fora.

O déficit na balança do turismo, embora menor entre janeiro e agosto de 2015 em relação a 2014 ainda é alto, de US$ 9 bilhões; era de US$ de 12 bilhões para o mesmo período de 2014.

Aqui, só pra lembrar, às vésperas da realização dos Jogos Rio 2016, deveríamos estar atraindo muitos estrangeiros ao Brasil, pelo aumento da visibilidade e pelo que deveria ter restado de imagem da Copa de 2014.

Eles vem ou nós vamos ?

O ano de 2015 chega com dólar alto e economia sem crescimento. Normalmente esse cenário poderia tornar o Brasil mais atrativo para os estrangeiros e incentivar as viagens dentro do país. Essa equação, aparentemente simples, também chega num cenário mais complexo, com variáveis externas que podem ou não favorecer esses movimentos.
Por um lado, 2014 teve no geral um resultado positivo no número de estrangeiros e nos seus gastos, mas diretamente influenciado pela realização da Copa do Mundo FIFA; ou seja, o início e o final do ano não favoreceram a atração de visitantes internacionais.
A diminuição dos gastos dos brasileiros no exterior é um sinal de maior precaução, mas ainda não de re3tração das viagens. Talvez menos dias, gastos mais controlados, vamos aguardar o final da temporada para ver o quadro de forma mais clara. O desempenho da economia e a variação cambial terão efeito direto sobre essas tendências.
O fato é que, seja para estimular as viagens domésticas ou para atrair estrangeiros, segue a máxima de melhoria dos serviços públicos e privados; da qualidade e da quantidade de informações disponíveis sobre os destinos e seus atrativos; do conhecimento dos diferenciais e do aumento da competitividade de maneira geral.
Temas para cuidar agora com resultados de médio e longo prazos. Sem esquecer que o sucesso dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 são o sucesso do Brasil, e não somente do Rio.
Feliz 2015.

E o mais twitado no mundo foi….

Se as redes sociais, o compartilhar, o selfie e os comentários são que mais influenciam as viagens no mundo, então precisamos refletir por que o Brasil quebrou todos os recordes esse ano. Por que o mundo falou mais sobre nosso país.

Fizemos a Copa do Mundo FIFA 2014, bilhões de espectadores ? Não. Muito mais do que isso.

Segundo o @Twitter 2014 foi declarado o ano do selfie e o Mundial de Futebol do Brasil  foi o evento mais twitado da história da rede social; foram 672 milhões de tweets.

Facebook Year in Review Copa

Já no Facebook ocorreu o mesmo, o número 1 dos Top Trends (Maiores Tendências) é nada mais do que a Copa 2014; assista ao vídeo: http://newsroom.fb.com/news/2014/12/2014-year-in-review/.

E ainda a Copa não foi boa para o turismo?

Imagina nos Jogos Olímpicos.

Veja ainda os lugares no Brasil com maior destaque no Facebook:

Top10_Places_BR

O que aprendi com a Copa: 8 “Liderança em Eventos”

Ainda tentando sintetizar alguns temas interessantes sobre os benefícios da Copa do Mundo FIFA para o turismo brasileiro quero falar do segmento de eventos.

A mudança de percepção da sociedade, imprensa e diversos atores do Brasil sobre o segmento de eventos é uma oportunidade que o turismo deve aproveitar de forma inovadora. A preparação para receber os visitantes e as experiências vividas nas cidades sede e outras cidades do país foram surpreendentes; muito se aprendeu desde os aeroportos, estradas, restaurantes, hotéis, lojas, lugares de entretenimento. Provavelmente, quando as cidades receberem outros tipos de eventos esportivos ou associativos, estarão mais experientes e darão mais atenção aos fatores valorizados durante o Mundial, assim como terão mais entendimento dos benefícios que esses eventos podem trazer para seus negócios.

Como as cidades vão consolidar essa nova visão? Como os destinos vão buscar mais parceiros privados para captação de eventos? Como os destinos vão receber congressos, feiras e eventos de qualquer natureza ?

O posicionamento do Brasil no ranking da ICCA, e a realização do Mundial da FIFA, coroados com os Jogos Rio 2016 são uma carta branca para a atração de eventos internacionais de qualquer natureza para o Brasil.

Aprendi com a Copa que, tanto no Brasil, na relação da indústria de eventos com parceiros públicos e privados, e, especialmente na promoção internacional do país como sede de eventos de qualquer perfil, precisamos inovar, ser arrojados e criativos em mais cooperação e ações estratégicas.

As 10 coisas que aprendi com a Copa: 10 – “what?”

Muitos aprendizados, do meu lado busco aqueles que podem ajudar o turismo brasileiro e mesmo servir para compartilhar com outros países. Vou compartilhar 10 temas sobre a experiência com o Mundial no Brasil em 2014.

10: Os estrangeiros adoram o Brasil

Muitas expectativas foram superadas, e a que muito me agrada é o fato de que a imprensa brasileira e muitos formadores de opinião parecem não acreditar que é possível que a cultura e a natureza do Brasil encantem os estrangeiros de forma tão profunda.

Ainda não temos os dados, mas creio que a grande maioria dos estrangeiros que vieram ao Mundial nunca haviam nos visitado, mas como todas as pesquisas apontam, ficam encantados com os brasileiros, sua alegria, seu jeito de encarar a vida. Conseguimos ampliar mercados, abrir novos e mudar um pouco a percepção sobre o Brasil.

Espero que essa seja uma das lições que muitos possam levar adiante para uma maior valorização do turismo internacional, de seu grande valor para a imagem do Brasil e para a economia de nosso país. Também para que possamos conhecer melhor nossa demanda, trabalhar a promoção internacional com inteligência comercial e uma estratégia mais ampla de imagem de país.

Mas que esse aprendizado não nos sirva de acomodação, que busquemos nesses valores mais competitividade, qualidade, inovação e sustentabilidade no turismo.

Lavar roupa suja em casa

Isso mesmo, é em casa que se lava a roupa suja e não na frente das visitas.
Vai ter Copa, fato. Uns discordam, outras falam sem saber e todos devem opinar, protestar, reivindicar, mas vamos fazer isso entre nós.
A oportunidade que o turismo brasileiro tem e terá nos próximos dias, de receber mais de 500 mil estrangeiros, de ser visto por bilhões de espectadores é, junto com os Jogos Olímpicos, a única no século. Da mesma forma, muitas das obras que foram ou estão sendo realizadas são necessárias para o desenvolvimento de nosso país, não foram feitas para a Copa somente.

Vivemos numa democracia, precisamos de mais seriedade, queremos governantes éticos e todos têm o direito de protestar (pacificamente) sobre qualquer tema, afinal vivemos numa democracia.
Mas enquanto os holofotes do mundo estão sobre nós, vamos ser genuínos, colocar o melhor de nós, de nossa hospitalidade, de nossa cultura, de nossas belezas naturais e de nosso povo para receber o mundo.
A Copa não volta tão cedo, e nós, brasileiros, continuaremos a construir a democracia em nosso país por muitos anos.

O que o mundo pensa de nós?

A resposta a essa pergunta não está no que “achamos” que as pessoas de outros países pensam de nós. A resposta, ou indícios dela estão em pesquisas e índices elaborados para entender como os países são vistos por outros países.

Há cerca de dez anos o Brasil era pouco conhecido, e diversos motivos, entre eles o fato de estar sediando a Copa da FIFA e os Jogos Rio 2016 fizeram e ainda fazem com que os olhos do mundo se voltem para nós. E certamente estes olhos estão vendo coisas positivas e negativas.

A melhor resposta à pergunta sobre o que o mundo pensa de nós é: O que queremos que ele pense ?

Aí sim começamos a tratar de um tema complexo de forma positiva e afirmativa. Para o turismo, essa atitude é fundamental no sentido de aproveitar a oportunidade de visibilidade e nos posicionarmos. Quais as mensagens estamos passando ao mundo desde que ganhamos a disputa para sediar os eventos esportivos ? Como estamos pensando nosso marketing para depois desses eventos? Qual nossa relação com a direção desses eventos em termos de estratégia de imagem? Qual nossa relação com os patrocinadores? Enfim, eu poderia adicionar ainda muitas perguntas, mas o fato é que o Brasil precisa colocar sua opinião sobre “como queremos que o mundo nos veja” por meio de mensagens que cheguem a todos aqueles que trabalham na organização dos grandes eventos, a todos da cadeia do turismo e aos consumidores.

Afinal, somos nós, BRASIL, que temos o dever de construir nossa imagem de país.

120 dias para a Copa

A chegada do Mundial da FIFA de 2014 está levando todos à esquentar os tamborins. Times se organizando nos base camps de diversas cidades brasileiras, as 12 cidades sede nos preparativos de estádios, infraestruturas, famfests, transporte, atrações e muitas atividades sendo finalizadas. Ah! Sim, e o Felipão dizendo que somente Deus está garantido no time brasileiro ( já é um ótimo começo).

Diante das diferentes opiniões, avaliações, palpites, o fato é que vamos ter o mundial no Brasil e muito há a descobrir sobre aspectos positivos ou negativos, oportunidades aproveitadas e outras nem tanto. Vamos acompanhar o que está acontecendo no turismo. Queremos observar o que está acontecendo na hotelaria. Como ficará a ocupação nas 12 cidades, seu entorno e nas cidades que irão receber os times (base camps) ? Quantos dias os turistas vão ficar ? O que as cidades estão oferecendo como atrativos para aumentar a permanência daqueles que não irão somente assistir aos jogos ? E depois, como ficará a ocupação? E os brasileiros, vão viajar no Brasil ou para o exterior no período do Mundial ?

Enfim, acompanhar o que acontecerá no turismo sabendo que a Copa dura quase um mês, mas quais serão seus efeitos diretos? E indiretos ? Como o turismo brasileiro aproveitará essa oportunidade ?

150 dias para a Copa

No noticiário fala-se do atraso das obras dos estádios, ou das críticas da FIFA. Alguns analistas dizem que o Brasil não precisa da Copa, que ela não traz legado. Discordo.

Além de aprender com a experiência de outros países, é preciso entender o Mundial dentro da realidade brasileira. Não se trata de salientar que precisamos investir em saúde e educação, é claro que precisamos cada vez mais. Trata-se de entender que Copa + Jogos Olímpicos + outros eventos = acelerar infraestruturas/ maior conhecimento sobre o Brasil/ qualificação em diversos níveis e muitos desdobramentos positivos.

Não teremos todos os problemas resolvidos, mas certamente muitos dos debates que a sociedade brasileira travou levaram a atitudes, cobranças e reflexão sobre diversos temas importantes.

Creio que no campo do turismo a maioria das cidades sede estão trabalhando muito para projetar sua imagem melhorar serviços e trabalhar cada vez com mais profissionalismo. Minha reflexão vem sobre o depois da Copa, é preciso pensar agora, planejar, saber como conduzir a promoção depois dos eventos, caso contrário se irá dizer que a Copa não adiantou de nada.

Tenho certeza que se chegarmos à conclusão que os resultados da Copa não foram positivos para o turismo foi porque não soubemos aproveitar as oportunidades.

Quer saber um pouco mais o que penso da Copa? Veja a palestra no link Palestras Jeanine Pires

Quer saber aonde as seleções irão se Hospedar? Veja Os Países e a Copa 

Os países e a Copa 2014

IMG_0148Quando elaboramos o Plano Aquarela 2020, com metas e uma estratégia de promoção para além de 2014 e 2016, tínhamos como um dos objetivos alcançar maior visibilidade ao Brasil como destino turístico. Especialmente, lembrávamos que a 6 meses do evento a definição das chaves e das cidades aonde as seleções iriam se hospedar seria também uma grande oportunidade de visibilidade das cidades sede (12) e de outras cidades brasileiras.

Pois bem, conheço o trabalho de algumas cidades para sediar seleções, e vemos que muitas oportunidades irão surgir; seja de receber jornalistas, seleções e torcedores dos países que terão suas seleções nas bases de treinamento. A pergunta é: como esses destinos estão se preparando para receber jornalistas ? Qual seu posicionamento enquanto destino turístico? Que mensagens, que imagens serão divulgadas pela imprensa nacional e internacional sobre a cultura e as riquezas naturais desses destinos ? Existe uma estratégia para promover esses destinos nos países de origem dessas seleções ? Existe um website em outras línguas para a busca de informações ? Existe uma estratégia de comunicação digital?

As oportunidades serão aproveitadas ? E depois da Copa ? Quais os próximos passos para dar seguimento ao trabalho de promoção turística e de captação de eventos ?

Veja a lista das cidades aonde as seleções irão se hospedar.

AMÉRICA DO SUL
Brasil – Teresópolis(RJ)

Argentina – Belo Horizonte (MG)
Colômbia – Cotia (SP)
Chile – Belo Horizonte (MG)
Uruguai – Sete Lagoas (MG)
Equador – Viamão (RS)
AMÉRICA DO NORTE E CENTRAL
Estados Unidos – São Paulo (SP)
México – Santos (SP)
Honduras – Porto Feliz (SP)
Costa Rica – Santos (SP)
EUROPA
Alemanha – Santa Cruz de Cabrália (BA)
Rússia – Itu (SP)
Holanda – Rio de Janeiro (RJ)
Espanha – Curitiba (PR)
Suíça- Porto Seguro (BA)
França – Ribeirão Preto (SP)
Portugal – Campinas (SP)
Croácia – Praia do Forte (BA)
Itália – Mangaratiba (RJ)
Grécia – Aracaju (SE)
Bósnia – Guarujá (SP)
Bélgica – Mogi das Cruzes (SP)
Inglaterra – Rio de Janeiro (RJ)
ÁFRICA
Camarões – Vitória (ES)
Nigéria – Campinas (SP)
Gana – Maceió (AL)
Costa do Marfim – Águas de Lindóia (SP)
Argélia – Sorocaba (SP)
 
ÁSIA
Irã – São Paulo (SP)
Coréia do Sul – Foz do Iguaçu (PR)
Japão – Itu (SP)
Austrália – Vitória (ES)