Brasileiro dá mais importância à hotelaria

Passado um ano da declaração de pandemia da Covid-19 (em 11/03/2020), a indústria turística não apenas sofreu o maior baque de sua história como também viu o perfil dos viajantes mudar muito em pouco tempo. Grandes mudanças ocorreram não apenas na infra-estrutura e operação da hotelaria, por exemplo, como também no próprio jeito do turista viajar. E pesquisas confirmam que o brasileiro dá cada vez mais importância à hotelaria durante a pandemia. 

ACOMPANHE TAMBÉM AS NOVIDADES DO SETOR NO NOSSO INSTAGRAM!

A mais recente delas foi divulgada pelo Airbnb. Um estudo encomendado às agências Somos e Novelo com brasileiros das classes AB de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Recife, que já tenham viajado durante a pandemia, revelou mudanças comportamentais no perfil do turista.

Dentre diversos itens (escolha dos destinos, meios de deslocamento etc), a principal alteração no comportamento do viajante brasileiro na pandemia diz respeito à indústria do hospitalidade. Ao invés da exploração de um destino em si, o turista brasileiro tem investido cada vez mais na exploração da acomodação escolhida para a viagem.

LEIA MAIS sobre o novo perfil do turista brasileiro na pandemia.

.

Foto: Four Seasons Tamarindo/Divulgação

Brasileiro dá mais importância à hotelaria durante a pandemia

A escolha da acomodação, antes considerada pouco importante para uma parcela significativa dos viajantes, passou a ter importância fundamental para a maioria, seja para escapar no final de semana ou para fazer viagens mais longas. E são vários os fatores que levaram a isso, a começar pelo mais importante deles: segurança sanitária. 

VEJA TAMBÉM: Quando o hotel é o destino.

Muitos brasileiros passaram a dar mais atenção às reviews e depoimentos de hóspedes prévios na hora de escolher seu hotel, pousada ou imóvel de temporada. A curadoria dos bons agentes de viagem também tem sido fundamental nesse processo. Tudo para garantir uma estadia segura e satisfatória, em um local que esteja realmente respeitando o cumprimento dos protocolos de contenção do vírus, garantindo distanciamento entre hóspedes, segurança do staff e ambientes higienizados e muito bem ventilados. 

Além disso, boa parte dos viajantes em tempos de pandemia estão passando muito mais tempo (quando não todo o tempo!) dentro do local. Eu mesma fiz algumas viagens assim, de staycation em hotel em plena São Paulo a turismo de isolamento em hotéis em Monte Verde e em Atibaia, e encontrei sempre vários outros hóspedes fazendo a mesma coisa.

VEJA MAIS: Como a staycation está beneficiando a hotelaria brasileira durante a pandemia

.

Tendências migram para além do mercado de luxo

Embora estas tendências sejam definitivamente mais fortes no mercado de luxo, há cada vez mais brasileiros investindo em staycations e propostas de turismo de isolamento também em outros nichos do mercado.

Este tipo de “escapada” é cada vez mais vista como alternativa mais segura para viajar nesta fase, com o mínimo contato possível com outros viajantes e risco zero de aglomerações. Turistas com orçamentos mais reduzidos têm, muitas vezes, diminuído a duração da viagem para poder investir um pouco mais na acomodação que consideram mais adequada. Assim, mais viajantes brasileiros passaram a priorizar opções mais confortáveis para suas acomodações, mais seguras e com melhor infra-estrutura, independente do orçamento disponível.

O estudo também revelou a preferência por estadias em locais já conhecidos, seja o destino em si ou o próprio hotel, pousada ou imóvel de temporada escolhido. 

VEJA TAMBÉM: 10 imóveis de temporada para se isolar na pandemia

.

MudançaS de preferências e prioridades

A pesquisa gigante dos imóveis de temporada confirma a tendência de valorização dos meios de hospedagem durante a pandemia, apontada por relatórios anteriormente apresentados por outros órgãos e empresas internacionais, da McKinsey&Co ao Euromonitor. E aponta também que a tendência do turismo de isolamento/isocation deve seguir em alta ainda por um bom tempo por aqui.

LEIA TAMBÉM: Os termos do turismo popularizados durante a pandemia.

Muitos entrevistados apontaram a preferência por propriedades mais afastadas dos grandes centros urbanos, com distanciamento razoável entre acomodações e com fartura em áreas externas. A maioria dos hotéis deste tipo tem tido excelente desempenho durante a pandemia. Caso, por exemplo, do Unique Garden, em Mairiporã/SP, com reservas completas praticamente de segunda a segunda nos últimos meses.

Fazem sucesso também os hotéis que acabam de abrir as portas nessa linha, como o charmoso Canto do Irerê, em Atibaia/SP, sobre o qual já falei em coluna anterior aqui sobre os novos hotéis com bom desempenho na pandemia.  E também aumenta cada vez mais a procura por imóveis de temporada isolados.

VEJA TAMBÉM: 10 hotéis no Brasil para praticar turismo de isolamento

.

CRESCE A IDEIA DE “VIAJAR SEM TIRAR FÉRIAS”

A ideia de “viajar sem tirar férias” prevaleceu no estudo da Airbnb, e parece mesmo cada vez mais fortalecida entre os brasileiros. Embora a maioria dos hotéis veja a ocupação crescer significativamente nestes meses apenas aos finais de semana e feriados prolongados, hotéis que oferecem boa infra-estrutura física e em serviços têm visto ocupação maior também durante a semana.

LEIA TAMBÉM: Tendências do turismo em 2021

Tudo graças à crescente demanda de brasileiros em trabalho remoto, que estão viajando simplesmente para variar o ambiente do home office. A workcation ou anywhere office já é e será uma realidade para várias pessoas pelos próximos meses (e potencialmente anos). Sobretudo no segmento do turismo de luxo, que tem se beneficiado também de viajantes que estão gastando muito mais em hotelaria no Brasil neste período por não viajarem ao exterior neste momento.

A recuperação do setor, é claro, tem sido inegavelmente mais rápida em propriedades com foco em lazer do que aquelas que antes mantinham foco corporativo.

VEJA MAIS: Como hotéis estão driblando a crise na pandemia.

.

Fuso Hotel Florianópolis
O novo Fuso Hotel Florianópolis. Foto: Divulgação

Cenário otimista para a hotelaria

A indústria da hospitalidade internacional, que tem vivido tendência semelhante, vê com bastante otimismo essa migração do foco principal das viagens passar do destino para a hotelaria neste momento da pandemia. 

No Brasil, diversos novos hotéis estão abrindo suas portas com sucesso em plena pandemia, como já mostramos aqui. Um estudo recente da STR mostrou que em outubro de 2020 havia 121 projetos de novos hotéis em pleno andamento no país, todos com inauguração prevista neste e nos próximos quatro anos. Segundo a consultoria, apenas 10% dos projetos de novos hotéis desenvolvidos antes da pandemia foram abortados.

VEJA TAMBÉM: Oito tendências para a hotelaria em 2021

A STR apontou também a possibilidade de conversão de muitos hotéis independentes em unidades de redes hoteleiras maiores frente aos desafios da pandemia. Acabamos de ver, por exemplo, o hotel Botanique, em Campos do Jordão, que passou a operar desde fevereiro como parte da rede Six Senses. 

Embora os números de ocupação ainda sejam desfavoráveis para muitas propriedades nos últimos doze meses, a indústria da hospitalidade em geral tem realmente se fortalecido aos olhos do viajante no último ano e parte dela já começa a ver uma recuperação consistente. Um “copo meio cheio” extremamente bem-vindo para um setor tão afetado pela pandemia. 

.

.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Aluguel de temporada cresce mais que hotéis na pandemia

Passados mais de seis meses da pandemia, muita gente está decidida a retomar suas viagens, mas longe da ideia de fazer de fato turismo. Afinal, seguimos em pandemia, com índices altíssimos ainda de contaminações no Brasil e no mundo. Para muitos, a ideia das primeiras escapadas na pandemia está intimamente relacionada ao conceito de isolamento. E é nesse cenário que o aluguel de temporada cresce na pandemia. 

Siga também nosso instagram

É inegável a tendência de turistas investirem neste momento em viagens que ainda lhes possibilite continuar com o máximo possível de distanciamento social. O termo “turismo de isolamento”, que já existe há tantos anos, só agora passou a ser utilizado de fato por jornais, revistas, blogs e agentes de viagem. 

Muita gente começou a “escapar” primeiro em passeios curtinhos, somente de meio dia, em seu próprio carro, para lugares até uma hora de casa onde pudessem variar o cenário e respirar um pouco de ar puro. Nos dois últimos meses, as escapadas ficaram mais longas e muita gente começou a procurar hospedagens remotas em destinos até 300km distantes de casa – conforme pesquisa divulgada recentemente pelo Airbnb. Foi nesse contexto que os imóveis de temporada voltaram a se destacar no mercado brasileiro.

LEIA MAIS: 10 hotéis no Brasil para praticar turismo de isolamento

aluguel de temporada cresce na pandemia

É inegável o crescimento das plataformas de aluguel de temporada na pandemia. Mesmo em abril, quando quase todos os hotéis estavam fechados, algumas pessoas decidiram, aproveitando o fato de estarem em home office, alugar um imóvel de temporada simplesmente para fazer a quarentena em um lugar diferente da sua própria casa.

Desde 2008, quando o Airbnb perturbou completamente a indústria hoteleira (e colocou pressão nas tarifas de hotéis mais econômicos, inspirou a criação de novas marcas econômicas da hotelaria que hoje vemos por aí etc), esse setor não crescia de maneira tão significativa em tão pouco tempo. 

IMPORTANTE: CUIDADO com os golpes de “diárias grátis” no Instagram! 

Veja aqui: Como ser cuidadoso ao retomar suas viagens na pandemia

Estudo recente do Airbnb constatou aumento de 150% na procura por imóveis de temporada durante a pandemia. Pesquisa da Booking.com do ano passado já apontava um aumento de 40% nas buscar por acomodações não-tradicionais (casas, apartamentos, vilas, chalés) nos viajantes brasileiros.  A VRBO (outra das grandes plataformas de aluguel de temporada) teve volume de busca 120% maior nos últimos meses.

Para quem deseja continuar em isolamento e apenas mudar de endereço provisoriamente, evitando contato com qualquer pessoa estranha à sua “bolha” da quarentena (ou com hóspedes indisciplinados), ficar em um imóvel alugado permite também cozinhar suas próprias refeições, com ingredientes levados de casa, sem a necessidade de ir ao supermercado, bares ou restaurantes no destino escolhido.

LEIA MAIS: Como ser um bom hóspede durante a pandemia.

Estudos recentes do setor mostram que, de maneira geral, os índices de ocupação estão subindo mais rapidamente para os imóveis de temporada do que para os hotéis. A estadia média nos imóveis de temporada também tem sido mais longa que nos hotéis e pousadas – principalmente em áreas rurais ou bastante remotas, que já recebem hóspedes para estadias mais longas, como se fossem uma espécie de “segunda residência”, desde o começo da pandemia. 

Essa mesma “vantagem” também tem beneficiado, é claro, os empreendimentos hoteleiros que possuem unidades autônomas, como villas, residences ou chalés, mais procurados por hóspedes interessados nas chamadas extended stays.

LEIA TAMBÉM: Cabanas isoladas e casas em árvores para aluguel de temporada na pandemia

Dados de uma análise global conjunta da STR e AirDNA mostram que hotéis sempre tiveram tradicionalmente taxas mais altas de ocupação que imóveis de temporada – mas a Covid-19 teria mexido nesta disputa. Segundo o mesmo relatório, a ocupação hoteleira na pandemia caiu cerca de 77%, contra 46% dos imóveis de temporada. É claro que a queda é mais acentuada na hotelaria porque também muitas propriedades eram focadas em viagens corporativas, congressos e eventos, um setor praticamente parado até agora. 

Mas nem tudo são flores enquanto o aluguel de temporada cresce na pandemia, é claro: o próprio Airbnb recentemente dispensou nada menos que um quarto dos seus funcionários mundo afora, sinalizando que os tempos estão difíceis para todo mundo.

LEIA MAIS: Cinco cuidados ao alugar um imóvel de temporada

A busca pela “acomodação mais segura”

Com o novo coronavírus, tanto hotéis como as grandes plataformas de aluguel de temporada têm insistido na criação e anúncio de “novos protocolos de limpeza e segurança”. Mas é aí também que hotelaria e sites de aluguel de temporada dividem a opinião de viajantes na pandemia.

A grande questão para muitos viajantes é que imóveis de temporada não estariam sujeitos aos mesmos rigores de higiene e fiscalização de protocolos que hotéis, resorts e pousadas. Quão seguro é, afinal, um aluguel de temporada em tempos de Covid-19?

Airbnb foi a primeira plataforma a criar um Protocolo Avançado de Higienização e promover treinamentos virtuais entre seus associados. Recomendou, dentre outras coisas, intervalos mínimos de 24 horas entre reservas e certos padrões de limpeza, e passou a “certificar” na plataforma as propriedades que afirmam seguir essas recomendações.

A Booking.com também criou um novo filtro de pesquisa chamado “medidas de saúde e segurança”, que lista apenas imóveis que estariam seguindo atualmente suas recomendações de higiene e segurança. 

LEIA MAIS: Como é a reabertura de um hotel na pandemia.

A brasileira Passion Brazil, que tem um braço de aluguel de temporada para imóveis de alto padrão em diferentes destinos do país, também criou protocolos alinhados com as diretrizes e recomendações da OMS (Organização Mundial de Saúde) , WTTC (World Travel & Tourism Council) e do Ministério do Turismo para seus parceiros. Como possuem imóveis e serviços em destinos de norte a sul do Brasil, levaram em consideração também as diferentes regulamentações municipais e estaduais para cada propriedade.

Um dado importante: afirmam abertamente que priorizaram nessa fase parceiros flexíveis (com condições tarifárias, de reserva, remarcações, prazos, pré-pagamentos e políticas de cancelamento) e que se comprometeram plenamente com os protocolos.

LEIA MAIS: Cresce a procura por cabanas isoladas e casa na árvore na pandemia

.

Protocolos, protocolos, protocolos

O aluguel de temporada cresce na pandemia, mas é inegável que os rigores de implementação e fiscalização de protocolos de higiene e segurança compatíveis com estes tempos sejam maiores na hotelaria. Grandes redes como Hilton, Accor ou Marriott anunciaram há muito tempo regras e controle estritos, com auditorias frequentes nos hotéis. Associações de propriedades independentes também entraram firme nisso, como a Leading Hotels of the World, sugerindo protocolos e dando total assistência aos associados para que cumpram com as novas determinações. 

No Brasil, a Brazilian Luxury Travel Association – BLTA, que reúne diversas propriedades de luxo, coordenou diversas discussões e treinamentos sobre protocolos de saúde, segurança e sanitização desde o começo da pandemia. “Orientamos todo o processo, mas cada associado acabou criando seu próprio protocolo, de acordo com os decretos e protocolos do seu município”, diz a diretora Simone Scorsato.  “Fazemos acompanhamento constante da qualidade dos serviços prestados em cada um deles, incluindo as notas dadas pelas OTAs e os feedbacks individuais de hóspedes”, conclui. 

O Circuito Elegante, que criou o exclusivo selo Safe&Clean na pandemia para seus hotéis (com uma série de protocolos a serem seguidos por seus associados nestes tempos), afirma que a primeira inspeção nos hotéis e pousadas que tiveram as mudanças implementadas em julho já está sendo feita.

Leia também: Como hotéis estão driblando a crise na pandemia

A preocupação em criar protocolos seguros não se restringe às grandes redes de hoteleiras ou propriedades de luxo, é claro. A OYO, startup indiana que se converteu em rede hoteleira (o portfólio da empresa já ultrapassou 43 mil propriedades e 1 milhão de quartos no mundo), criou novos protocolos de segurança no Brasil com apoio do Grupo Fleury, adotados pela rede desde maio.  

Após a implementação do selo Limpeza Certificada da OYO, que já ganhou reconhecimento global pelo Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC), a ocupação nos hotéis da rede dobrou e as notas das mesmas nas OTAs já aumentaram 0.3%. “Para garantir que todos os procedimentos de segurança estejam sendo seguidos, auditorias online acontecem a cada quatro meses. Outro indicador importante a ser levado em consideração são as avaliações dos hóspedes tanto nas OTAs, quanto no aplicativo OYO”, diz Eduardo Zucareli, vice-presidente de operações no Brasil. 

Leia também: Como fronteiras podem interferir na recuperação da hotelaria.

Os prognósticos para a indústria hoteleira

O aluguel de temporada cresce na pandemia com duração da estadia média nos imóveis aumentando até 58% globalmente – o que é bastante significativo. A hotelaria tradicional começa a acompanhar de perto esse movimento – especialmente agora, com grande parte das propriedades já reabertas ou em fase de reabertura no Brasil entre final de setembro e começo de outubro.

A STR divulgou recentemente que a ocupação média dos hotéis deve girar em torno de 40% neste ano e chegar provavelmente a 52% no ano que vem (para efeito de comparação, esse índice foi de 66% em 2019). Mas é possível, é claro, que estes números finais da hotelaria sejam maiores em 2019, visto que a maioria das crianças não devem voltar fisicamente à escola este ano – e muitos hotéis já implantaram sistemas de home office e home schooling em suas propriedades para atrair mais hóspedes também durante a semana.

LEIA MAIS: Como é a recreação infantil nos hotéis na pandemia

Enquanto o aluguel de temporada cresce, parte do mercado hoteleiro começa a divulgar mais diferentes formatos de hospedagem, mesmo na hotelaria tradicional. A ideia de ter a propriedade toda para si (um dos principais motores de alavanca dos sites de temporada) tem sido tão significativa para uma parte do público viajante durante a pandemia que pequenos hotéis e pousadas já começam a propagandear a possibilidade de serem reservados por inteiro por um determinado grupo ou família.

Propriedades com acomodações em formato villa ou chalé também têm insistido mais nesse diferencial, atentos a esse significativo percentual de viajantes que ainda busca isolamento – e, claro, à revolução que está em curso nos espaços públicos da hotelaria tradicional atualmente.

Mesmo redes hoteleiras tradicionais, como Four Seasons, deram ainda mais prioridade e enfoque – com ótimos resultados – aos seus serviços de villas e residences nos últimos meses. As chamadas extended stays nesse formato hoteleiro não-convencional também cresceram em muitos destinos neste 2020 – em muitos casos, com desempenho indo além das previsões do mercado.

Veja também: Como escolher um hotel na pandemia

Mesmo propriedades bastante grandes e tradicionais também passaram a divulgar mais (inclusive em mídias sociais) a possibilidade de que uma ala completa ou um andar inteiro sejam completamente fechados para a mesma família ou grupo, sem contato com outros hóspedes – como o Belmond Copacabana Palace, que agora oferece assim a possibilidade de reservar todo o seu sexto andar (da famosa Black Pool). 

Vale lembrar que são também os hotéis que geralmente têm as mais generosas e flexíveis políticas de cancelamento e remarcação de estadias – fundamental nestes tempos de tantas incertezas. Depois de tantas viagens adiadas no começo da pandemia, a maioria dos viajantes está dando especial atenção para este item. Nestes meses de pandemia, muitas grandes redes estão permitindo cancelamentos sem custos até 24 horas antes da chegada do hóspede – o que definitivamente ainda não acontece na maioria das plataformas de aluguel de temporada. 

.

.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.