O incrível caso da hotelaria das Maldivas na pandemia

O ano de 2020 foi seguramente o mais desafiador para a hotelaria e a indústria do turismo em geral, no mundo todo. Muitos hotéis passaram meses fechados, e alguns anunciam agora reaberturas somente para o começo de 2021. Mas mesmo em um ano com tantas dificuldades para a hotelaria frente à pandemia, e no qual a maior parte das pessoas sequer viajou, surge o incrível caso das Maldivas. A hotelaria do idílico arquipélago no Oceano Índico celebra uma impressionante recuperação e vem se convertendo no grande destino de 2020.

Siga as Hotel Inspectors também no Instagram!

Desde março, viajantes com os mais diferentes perfis (incluindo inúmeras celebridades nacionais e internacionais) escolheram seus resorts como uma espécie de refúgio da pandemia que assola o planeta há mais de nove meses. Puro estilo turismo de isolamento.

Há hotéis que fecharam por alguns meses, é claro; mas vários deles seguiram operando normalmente, mesmo enquanto as fronteiras internacionais estavam fechadas. Hóspedes pré-pandemia decidiram seguir ali, isolados em vilas pé-na-areia e bangalôs sobre o mar, ao invés de voltar para seus países de residência. 

Mais que isso: diversos resorts viram, logo antes das Maldivas fecharem suas fronteiras internacionais ainda em março, turistas chegaram ali em seus jatinhos e iates justamente para fugir dos lockdowns que começavam em seus países de origem.

LEIA TAMBÉM: A evolução dos hotéis durante a pandemia.

.

Dia-a-dia sem pandemia

O incrível caso da hotelaria das Maldivas durante a pandemia pode parecer um roteiro de ficção para quem vê de fora. Ali hóspedes vivem o dia-a-dia sem máscaras nem muitas preocupações com distanciamento social, como se a Covid-19 não existisse.

Um dos poucos destinos abertos para qualquer turista internacional, sem restrições inclusive para brasileiros, o arquipélago tem o novo coronavírus sob relativo controle (menos de 13 mil casos totais e 46 mortes desde o começo da pandemia). E recebeu do World Travel and Tourism Council (WTTC) a alcunha de “destino seguro” há três meses (apesar de todas as questões com o ISIS em andamento).

O segredo? Uma resposta rápida, eficiente e conjunta entre governo, hotelaria e companhias aéreas, com regras claras, comuns e objetivas. Valorizando também, é claro, as caraterísticas naturais de isolamento geográfico, distanciamento social e predominância de atividades ao ar livre do destino.

LEIA TAMBÉM: O que há de especial na hotelaria das Maldivas

.

Estadias mais longas e frequentes

O incrível caso da hotelaria das Maldivas na pandemia tem gerado não apenas um fluxo constante de viajantes ao longo dos meses, como a maioria deles está fazendo do arquipélago seu único destino da viagem, aumentando a duração das estadias nos resorts. Graças a muitas pessos trabalhando em home office e muitas famílias com as crianças em ensino à distância, as extended stays ficaram ainda mais frequentes por lá.

LEIA TAMBÉM: O crescimento das estadias prolongadas durante a pandemia.

Oferecendo promoções desde o começo da pandemia, resorts locais receberam pela primeira vez reservas de brasileiros para estadias de um mês inteiro. “As Maldivas reabriram suas fronteiras para viajantes de qualquer nacionalidade, e a maioria das pessoas já associa o destino a segurança, com teste negativo, local remoto, tudo feito ao ar livre. Com os preços tão atrativos, a demanda realmente aumentou muito”, diz Clara Campos, diretora comercial da Minor Hotels para América do Sul.

Muitos dos resorts criaram pacotes especiais para favorecer as estadias prolongadas (extended stays), que seguem fazendo sucesso entre os mais diferentes perfis de viajantes. Um dos hotéis mais procurados por brasileiros no arquipélago, o Anantara Veli, foi ainda mais longe e criou agora no final do ano um pacote que dá direito a até 365 dias consecutivos de hospedagem. O pacote inclui livre trânsito dos hóspedes, traslados ilimitados de e para Malé e mais uma série de mimos e privilégios durante a estadia. 

LEIA MAIS sobre o Anantara Veli aqui.

.

Promoções constantes e parcerias com celebridades

Além disso, a parceria constante da hotelaria local com celebridades (brasileiras, de Hollywood e Bollywood), agentes de viagem e influenciadores também tem sido essencial para colocar o destino cada vez mais em evidência como “ambiente livre de Covid” nas redes sociais. “Tanto o órgão de turismo local quanto os hotéis sempre tiveram uma política de relações públicas e divulgação bastante sólida, facilitando o acesso de celebridades, influenciadores e agentes de viagem. E agora seguem promovendo essa política mais do que nunca”, conta Bruno Vilaça, proprietário da Superviagem.

“Os hotéis estão todos com promoções realmente atraentes, com descontos reais entre 25% e 50% em relação aos valores que costumavam praticar antes da pandemia”, diz Jacque Dallal, da Be Happy, uma das agências que mais vende viagens para as Maldivas no Brasil. “Estamos vendendo bem Maldivas desde maio, e vendendo o mesmo tanto que vendíamos antes da pandemia”, conta. 

A resposta sincronizada das companhias aéreas foi capaz de criar inclusive uma oferta de voos internacionais a Malé ainda maior do que a existente pré-pandemia. A Qatar Airways, umas das principais responsáveis pelo transporte de brasileiros ao arquipélago, criou exigências para embarque em seus voos que também aumentam a sensação de segurança do destino, como apresentação de teste PCR negativo no check-in em São Paulo e embarque obrigatório nos aviões com uso de máscara e face shield. A companhia passou agora a realizar também testes rápidos gratuitos e obrigatórios na conexão no aeroporto internacional do Catar em todo passageiro com destino a Malé. 

VEJA TAMBÉM: Como é fazer conexão em Doha.

.

O protagonismo da rede Soneva

Hotéis e resorts estabeleceram rapidamente regras claras e amplamente divulgadas para garantir a segurança sanitária de staff e visitantes. Mas talvez o maior case da hotelaria das Maldivas durante a pandemia seja o da rede Soneva. Suas duas propriedades no arquipélago, Soneva Fushi (que tive o prazer de conhecer em 2019 e mostro em detalhes também no meu instagram @maricampos) e Soneva Jani, ficaram fechadas por vários meses durante pandemia até que a rede encontrasse sua fórmula perfeita de segurança para reabrir as portas aos turistas. 

LEIA AQUI como é se hospedar no Soneva Fushi.

O visionário Sonu Shivdasani contratou e treinou equipe médica exclusiva e montou um laboratório de análises particular em parceria com a Roche em uma ilhota não muito distante dos resorts (cada um instalado em uma ilha privativa diferente).

Hoje, todo novo hóspede dos dois resorts da rede é levado diretamente para sua própria vila para colher material para um novo teste, gratuito, que garante uma espécie de  “camada extra de proteção” contra o coronavírus. O hóspede fica então “confinado” aos limites da sua vila (com alimentação, acesso ao mar e à piscina privativa) até que saiam os resultados negativos dos testes – o que normalmente acontece até a hora do jantar do primeiro dia. 

Iniciativa de sucesso

O staff dos hotéis é testado frequentemente e deixa os resorts com muito menos frequência do que faziam no pré-pandemia. Além disso, os funcionários dedicados a receber novos hóspedes não têm nenhum tipo de contato com hóspedes já negativados. 

LEIA TAMBÉM: Turismo de luxo segue firme durante a pandemia.

A iniciativa adotada pelos hotéis Soneva tem sido tão bem sucedida que outras redes presentes no arquipélago já cogitam adotar metodologia semelhante para 2021.

Com os testes feitos in loco, as máscaras foram 100% abolidas nos resorts, hóspedes e staff interagem livremente entre si o tempo todo, e até os serviços de buffet e as clássicas salas self-service de sorvetes e chocolates da rede foram mantidos. “Dentro dos hotéis simplesmente não se fala de Covid. A gente vive o dia-a-dia como se realmente não houvesse pandemia no mundo”, conta Fernanda Schmidt, da Beyond Destinations, que acaba de voltar de lá com a família.

E tem mais: se o hóspede recém-chegado a qualquer um dos resorts Soneva testar positivo, ele deve ficar confinado em sua vila até que o teste dê negativo – mas a rede garante até 14 dias de cortesia nas diárias nesse caso. Ousados, para dizer o mínimo.

.

.

.

VEJA TAMBÉM: Os melhores hotéis do ano.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.


Published by

Mari Campos

Mari Campos (@maricampos) é jornalista formada e premiada nacional e internacionalmente. Viajante de toda a vida, escreve desde 2004 sobre turismo e hotelaria de luxo para os principais jornais, revistas e sites do Brasil, além de colaborar com revistas e jornais de outros seis países. É também consultora para a indústria da hospitalidade e foi eleita em 2020 pelo ranking Panrotas+Elo uma das 100 pessoas mais influentes do turismo no Brasil. Além da coluna aqui no Panrotas, é colunista fixa no jornal O Estado de S.Paulo, tem três livros de viagem publicados pela Verus/Record e comanda também desde 2007 o MariCampos.com. Seu instagram @MARICAMPOS foi eleito pelo Kayak um dos dez melhores perfis de viagem do Brasil. Praticante do turismo responsável e regenerativo, põe atenção nos mínimos detalhes de cada hospedagem e acredita que, sim, uma boa cama, uma bela vista e, principalmente, um serviço caprichado podem tornar qualquer viagem ainda melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *